Ana Carolina Garcia. Foto: SRZD

Ana Carolina Garcia

Jornalista formada pela Universidade Estácio de Sá, onde também concluiu sua pós-graduação em Jornalismo Cultural. Em 2011, lançou seu primeiro livro, "A Fantástica Fábrica de Filmes - Como Hollywood se Tornou a Capital Mundial do Cinema", da Editora Senac Rio.

Disney confirma no streaming títulos inicialmente agendados para os cinemas

“Pinóquio”: Tom Hanks está confirmado no remake do clássico animado (Foto: Divulgação / Crédito: Walt Disney Studios).

Na última semana, a The Walt Disney Company realizou na sua sede em Burbank, Califórnia, o Investor Day 2020, evento que anunciou os próximos passos da empresa, entre eles, o lançamento na Disney+ de filmes outrora agendados para o circuito comercial, como os live-actions “Pinóquio” (Pinocchio), “Peter Pan” (Peter Pan & Wendy) e “Desencantada” (Disenchanted), ainda sem definição de estreia.

 

A decisão da Disney segue uma tendência dos estúdios tradicionais que encontraram no streaming uma saída em tempos de crise financeira originada pela sanitária, pois o cinema é um dos setores mais afetados pela pandemia do novo coronavírus. Contudo, chama a atenção o fato de a Casa do Mickey seguir os passos da concorrente Warner Bros. e lançar no mesmo dia, tanto no circuito comercial quanto em PVOD, a animação “Raya e o Último Dragão” (Raya and the Last Dragon – 2021). Dirigido por Don Hall e Carlos López Estrada, o longa tem estreia agendada para 05 de março, mas, apesar de o estúdio não ter comentado, a opção de lançá-lo nas salas de exibição poderá ser revista, assim como a de tantas outras produções da Disney e de outros estúdios, em decorrência da Covid-19, ainda sem controle. Ou seja, há enorme expectativa de executivos, exibidores e de parte do público para o retorno de grandes títulos aos cinemas, mas o cronograma segue sujeito a alterações.

 

“Pantera Negra” se tornou o principal exemplar de representatividade do cinema comercial em 2018 (Foto: Divulgação).

 

Dois dos títulos mais comentados dos últimos meses integram o Universo Cinematográfico da Marvel (UCM): “Viúva Negra” (Black Widow – 2021), adiado para 07 de maio de 2021 por causa da pandemia, e “Pantera Negra 2” (Black Panther 2 – 2022), que perdeu seu protagonista, Chadwick Boseman, em agosto deste ano, após uma secreta batalha contra o câncer. Previsto para 08 de julho de 2022, o longa, dirigido por Ryan Coogler, está em fase de pré-produção e não teve nenhum detalhe divulgado. Porém, a Disney e a Marvel bateram o martelo e não substituirão Boseman.

 

Outro título aguardado é o spin-off da franquia “Toy Story” (Idem – desde 1995), “Lightyear” (Idem – 2022), que tem estreia agendada para 17 de junho de 2022. Com direção de Angus MacLane, a animação tem como nome confirmado Chris Evans. Popularmente conhecido como Steve Rogers / Capitão América do UCM, o ator emprestará sua voz a Buzz Lightyear, dublado pelo comediante Tim Allen nos quatro filmes da franquia mais lucrativa da Pixar.

 

Planejando lançar mais de 30 séries nos próximos anos, sendo 10 do universo “Star Wars” e outras 10 da Marvel, na Disney+, que recentemente chegou ao número de 86,8 milhões de assinantes e tem como objetivo lançar mais de 100 títulos anualmente, a The Walt Disney Company também anunciou a criação de uma novar marca, Star. Integrando a Disney+ na Europa e em outros países, a Star disponibilizará produções locais e séries e filmes da empresa, incluindo em seu catálogo títulos da Disney Television Studios, FX, 20th Century Studios e 20th Television. Na América Latina, contudo, a marca será lançada separadamente e como Star+, oferecendo também programação esportiva ao vivo.

 

“Esta incrível lista de novos conteúdos reflete nosso compromisso contínuo em aproveitar os recursos e a imensa criatividade de nossa empresa para levar ao público experiências de entretenimento extraordinárias, diferentes de qualquer outra coisa no mercado. Estamos orgulhosos de que a qualidade incomparável da nossa narrativa, de nossas marcas icônicas, permaneça evidente em todas as plataformas de distribuição, dos cinemas aos serviços direto ao consumidor”, afirmou Bob Iger, presidente-executivo e do Conselho da The Walt Disney Company.

 

Entre as produções planejadas para os próximos anos, duas chamam a atenção: as prequels de “O Rei Leão” (The Lion King) e “A Bela e a Fera” (The Beauty and the Beast), dois clássicos que ganharam remakes recentemente – o primeiro, em animação computadorizada, e, o segundo, em live-action. Os longas seguem sem títulos e datas de lançamento definidos, mas Luke Evans e Josh Gad já estão confirmados na prequel de “A Bela e a Fera” que, em 2017, arrecadou mais de US$ 1,26 bilhão em todo o mundo, ocupando a segunda posição do ranking das maiores bilheterias daquele ano.

 

Leia também:

‘Mulan’: ‘lealdade, coragem e verdade’

‘A Dama e o Vagabundo’: remake mantém a essência do original

‘Pantera Negra 2’: filmagens podem começar em julho de 2021

Disney+ chega para sacudir a concorrência

‘Howard: Sons de um Gênio’: pequena pérola no catálogo da Disney+

Disney+: Garfinho é um dos destaques da plataforma

Disney+ anuncia oferta especial para assinatura anual

‘Soul’ é confirmado na Disney+

‘Viúva Negra’ é adiado, mais uma vez, pela Disney

Disney+: a nova aposta para a expansão do império

Acordo entre Universal Pictures e AMC Theatres pode afetar modelo tradicional de cinema

Estúdios de Hollywood adiam, novamente, lançamentos por causa da Covid-19

Disney pode seguir os passos da Universal

Disney+ disponibiliza clássicos com alerta de conteúdo

Comentários

 




    gl