Ana Carolina Garcia. Foto: SRZD

Ana Carolina Garcia

Jornalista formada pela Universidade Estácio de Sá, onde também concluiu sua pós-graduação em Jornalismo Cultural. Em 2011, lançou seu primeiro livro, "A Fantástica Fábrica de Filmes - Como Hollywood se Tornou a Capital Mundial do Cinema", da Editora Senac Rio.

Especial Oscar 2019: categoria de melhor ator

A 92a edição da cerimônia de entrega do Oscar será realizada no dia 09 de fevereiro de 2020, no Dolby Theatre, em Los Angeles (Foto: Divulgação / Richard Harbaugh ©A.M.P.A.S.).

Pôster oficial da 91a edição do Oscar (Foto: Divulgação / Crédito: ©A.M.P.A.S.).

Nesta edição, a disputa pela estatueta de melhor ator está equilibrada, mas Rami Malek desponta como favorito por sua interpretação em “Bohemian Rhapsody” (Idem – 2018) devido às vitórias nos dois principais termômetros do Oscar: o Globo de Ouro de melhor ator em filme de drama, entregue pela Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood (Hollywood Foreign Press Association – HFPA), e o Actor no SAG Awards, concedido pelo Sindicato dos Atores (Screen Actors Guild – SAG).

 

Os cinco indicados ao prêmio da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood (Academy of Motion Picture Arts and Sciences – AMPAS) são: Viggo Mortensen por “Green Book – O Guia” (Green Book – 2018), Bradley Cooper por “Nasce Uma Estrela” (A Star is Born – 2018), Christian Bale por “Vice” (Idem – 2018), Rami Malek por “Bohemian Rhapsody” e Willem Dafoe por “No Portal da Eternidade” (At Eternity’s Gate – 2018).

 

Rami Malek conquistou 12 prêmios individuais até agora ao viver na telona o eterno líder do Queen, Freddie Mercury, numa atuação que dividiu opiniões do público e da crítica. Dirigido por Bryan Singer, o ator oferece um trabalho superficial e desprovido de emoção para somente imitar o cantor que faleceu em decorrência do vírus HIV, em 1991, e ainda hoje é venerado por seus fãs.

 

Rami Malek é o favorito por sua interpretação como Freddie Mercury em “Bohemian Rhapsody” (Foto: Divulgação).

 

O principal oponente de Malek é Christian Bale, que interpreta Dick Cheney, vice-presidente dos Estados Unidos nos dois governos de George W. Bush (Sam Rockwell), em “Vice”, de Adam McKay. Bale trabalha as diferentes nuances do personagem, mostrando-o como um homem discreto, dedicado à família e obcecado pelo poder, mas que atua nas sombras. É uma composição que aposta em pequenos detalhes, como o olhar malicioso, porém, bastante carismática, que lhe rendeu nove prêmios individuais até o momento.

 

Sob a direção de Peter Farrelly, Viggo Mortensen também optou pelo carisma para viver Tony “Lip” Vallelonga, em “Green Book – O Guia”, brutamontes que mais tarde se tornaria ator, atuando inclusive no clássico “Os Bons Companheiros” (Goodfellas – 1990) e no seriado “A Família Soprano” (The Sopranos – 1999 – 2007). O ator começa com um tom mais pesado para mostrar as exigências do trabalho de segurança de boate e em como o preconceito racial não é visto como um problema para ele. Gradativamente, Mortensen abranda o tom para apresentar as transformações de Tony durante a convivência com seu novo chefe, pianista negro e bem sucedido que o contrata como motorista e agente no início dos anos 1960. É uma atuação rica que lhe rendeu cinco prêmios individuais até o momento.

 

Conhecido por sua total entrega aos personagens que se propõe a defender na tela grande, Willem Dafoe brilha como Vincent van Gogh em “No Portal da Eternidade”, de Julian Schnabel. O ator se agiganta a cada cena ao esmiuçar a luta do pintor contra seus próprios fantasmas, oriundos de problemas mentais. É uma composição comovente que exprime força sem colocar as fragilidades do atormentado pintor em segundo plano. Pelo papel, Dafoe já recebeu dois prêmios individuais.

 

Bradley Cooper e Lady Gaga em cena de “Nasce Uma Estrela”, que marca a estreia do ator na direção de longas-metragens (Foto: Divulgação).

 

Saindo do filão biográfico, Bradley Cooper interpreta um astro do rock em “Nasce Uma Estrela”, filme que marca sua estreia na cadeira de diretor. Cooper constrói o personagem de maneira a explorar com maestria suas mais variadas emoções. Para isto, se joga de corpo e alma na história do músico dependente químico e alcóolatra, mostrando, mais uma vez, o talento pouco reconhecido pela crítica e pela própria indústria cinematográfica. Por sua performance como Jackson Maine, o ator já recebeu cinco prêmios individuais.

 

Considerando as vitórias no Globo de Ouro e no SAG Awards, sobretudo no segundo, pois parte de seus membros também integra a AMPAS e com direito a voto, pode-se dizer que Rami Malek é o nome mais forte na corrida pelo Oscar de melhor ator. Mas o intérprete de Freddie Mercury é seguido de perto por Christian Bale, que tem Bradley Cooper e Viggo Mortensen em seu encalço, com Willem Dafoe como a zebra da categoria nesta edição.

 

A 91ª cerimônia de entrega do Oscar será realizada no próximo domingo, dia 24, no Dolby Theatre, em Los Angeles. No Brasil, a maior festa do cinema mundial será transmitida ao vivo pelo canal por assinatura TNT e pela Rede Globo (após o “Big Brother Brasil”).

 

Confira um pequeno perfil dos indicados:

Viggo Mortensen:

Viggo Mortensen em “Green Book – O Guia” (Foto: Divulgação).

Nascido em 20 de outubro de 1958, em Nova York, Nova York (EUA), Viggo Mortensen começou a carreira nos palcos, estreando na televisão na minissérie “George Washington” (Idem – 1984) e no cinema em “A Testemunha” (Witness – 1985), de Peter Weir. Nos anos seguintes, participou de produções como “Jovem Demais Para Morrer” (Young Guns II – 1990), “O Pagamento Final” (Carlito’s Way – 1993), “Daylight” (Idem – 1996) e no remake de “Psicose” (Psycho – 1998). Mas foi sob a direção de Peter Jackson que o ator abraçou a fama como Aragorn na trilogia “O Senhor dos Anéis” (The Lord of the Rings – 2001, 2002 e 2003), baseada na obra homônima de J.R.R. Tolkien. Essa é a sua terceira indicação ao Oscar. As outras foram por “Senhores do Crime” (Eastern Promises – 2007) e “Capitão Fantástico” (Captain Fantastic – 2016), também na categoria de melhor ator.

* Entre os cinco prêmios individuais recebidos por sua performance em “Green Book – O Guia”, estão: o Festival Prize, do Boston Film Festival; o NBR Award, da National Board of Review, USA; e o PFCS Award, do Phoenix Film Critics Society Awards.

 

Bradley Cooper:

Bradley Cooper em “Nasce Uma Estrela” (Foto: Divulgação).

Nascido em 05 de janeiro de 1975, na Filadélfia, Pensilvânia (EUA), Bradley Cooper se formou pela Georgetown University em 1997 e decidiu se mudar para Nova York e cursar o Masters of Fine Arts do conceituado Actors Studio, estreando na TV em 1999 num episódio do seriado “Sex and the City” (Idem – 1998 – 2004). Participou de seriados e de um telefilme até estrear no cinema em “Mais um Verão Americano” (Wet Hot American Summer – 2001). Nos anos seguintes, conseguiu conciliar diversos trabalhos na televisão e no cinema, mas somente em 2009 ganhou notoriedade com o estrondoso sucesso de “Se Beber, Não Case!” (The Hangover – 2009), que deu início a uma bem sucedida franquia. Um dos atores mais subestimados de sua geração, Cooper teve o apoio de Clint Eastwood, que o dirigiu em “Sniper Americano” (American Sniper – 2014), para assumir o comando de “Nasce Uma Estrela”, longa que marca sua estreia na direção e lhe rendeu três indicações ao Oscar deste ano, nas categorias de melhor filme, ator e roteiro adaptado (ao lado de Eric Roth e Will Fetters). Esta é a quarta vez que disputa a estatueta dourada. As outras três foram na categoria de melhor ator por “O Lado Bom da Vida” (Silver Linnings Playbook – 2012); filme e ator por “Sniper Americano”; e ator coadjuvante por “Trapaça” (American Hustle – 2013).

* Entre os cinco prêmios individuais recebidos por sua performance em “Nasce Uma Estrela”, estão: o ACCA, da Awards Circuit Community Awards; o BFCC Award, do Black Film Critics Circle Awards; o LEJA Award, da Latino Entertainment Journalists Association Awards; e o WAFCA Award, da Washington DC Area Film Critics Association Awards.

 

Christian Bale:

Christian Bale em “Vice” (Foto: Divulgação).

Nascido em 30 de janeiro de 1974, em Pembrokeshire, Wales (Reino Unido), Christian Bale começou a carreira fazendo comerciais de TV e participando de montagens teatrais ainda na infância. Seu primeiro filme foi “Anastasia: The Mystery of Anna” (Idem – 1986), produzido diretamente para a TV e dirigido por Marvin J. Chomsky. Sua estreia no cinema foi em 1987 com “Mio min Mio” (Idem – 1987), de Vladimir Grammatikov. No mesmo ano, estreou no cinema americano sob a direção de Steven Spielberg em “Império do Sol” (Empire of the Sun – 1987), como protagonista e ao lado de John Malkovich. Bale trabalhou em alguns telefilmes e muitos filmes até o final da década de 1990, porém a consagração como ator chegou somente nos anos 2000 em produções como “Psicopata Americano” (American Psycho – 2000), “O Operário” (The Machinist – 2004) e “Batman Begins” (Idem – 2005), o primeiro longa da trilogia de Christopher Nolan e o grande responsável por transformá-lo em ídolo do grande público, pois muitos o consideram o melhor Bruce Wayne / Batman do cinema – os outros títulos que compõem a trilogia são “O Cavaleiro das Trevas” (The Dark Knight – 2008) e “Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge” (The Dark Knight Rises – 2012). Esta é a sua quarta indicação ao Oscar. Vencedor da estatueta dourada de melhor ator coadjuvante por “O Vencedor” (The Fighter – 2010), Bale concorreu também ao Golden Boy de ator por “Trapaça” (American Hustle – 2013) e ator coadjuvante por “A Grande Aposta” (The Big Short – 2015).

* Entre os nove prêmios individuais recebidos por sua performance em “Vice”, estão: o Globo de Ouro de melhor ator em filme – comédia / musical; o Critics Choice Award, da Broadcast Film Critics Association Awards; o HFCS Award, da Houston Film Critics Society Awards; o NFCS Award, da Nevada Film Critics Society; e o PFCC Award, do Philadelphia Film Critics Circle Awards.

 

Rami Malek:

Rami Malek em “Bohemian Rhapsody” (Foto: Divulgação).

Nascido em 12 de maio de 1981, em Los Angeles, Califórnia (EUA), Rami Malek começou a se interessar por arte durante o colegial. Graduado em Belas Artes pela University of Evansville, no estado americano de Indiana, Malek estreou como ator em 2004, fazendo uma pequena participação na série “Gilmore Girls” (Idem – 2000 – 2007). Somente dois anos mais tarde se aventurou pelo cinema em “Uma Noite no Museu” (Night at the Museum – 2006), primeiro longa da trilogia estrelada por Ben Stiller. Participou de filmes como “O Mestre” (The Master – 2012) e “A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2” (The Twilight Saga: Breaking Dawn – Part 2 – 2012), mas consolidou sua carreira na televisão, alcançando a fama na aclamada “Mr. Robot: Sociedade Hacker” (Mr. Robot – desde 2015), que lhe rendeu inúmeros prêmios, entre eles, o Emmy Awards de melhor ator em série de drama. Esta é a sua primeira indicação ao Oscar.

* Entre os 12 prêmios individuais recebidos por sua performance em “Bohemian Rhapsody”, estão: os já citados Globo de Ouro de melhor ator em filme de drama e o Actor do SAG Awards; o BAFTA Film Award, do BAFTA Awards; o IFC Award, do Iowa Film Critics Awards; o LAOFCS Award, da Los Angeles Online Film Critics Society Awards; e o Breakthrough Performance Award, do Palm Springs International Film Festival.

 

Willem Dafoe:

Willem Dafoe em “No Portal da Eternidade” (Foto: Divulgação).

Nascido em 22 de julho de 1955, em Appleton, Wisconsin (EUA), Willem Dafoe começou a construir sua carreira no teatro ainda na adolescência, o que o levou a Nova York, onde fundou o The Wooster Group em 1977. Três anos depois, estreou no cinema em “O Portal do Paraíso” (Heaven’s Gate – 1980), de Michael Cimino, que o demitiu após uma gargalhada no set e não colocou seu nome nos créditos finais. No ano seguinte, assumiu a responsabilidade de protagonizar o drama “The Loveless” (Idem – 1981), de Kathryn Bigelow e Monty Montgomery. Sem deixar o teatro de lado, Dafoe investiu no cinema e chamou a atenção de fato como o Sargento Elias em “Platoon” (Idem – 1986), de Oliver Stone. Sempre explorando papeis diferentes que pudessem mostrar ao público sua versatilidade, o ator acabou com o rótulo de excêntrico, o que o afastou de projetos maiores, como ele mesmo disse em várias entrevistas. Entre seus filmes mais conhecidos estão “A Última Tentação de Cristo” (The Last Temptation of Christ – 1988), “Nascido em 4 de Julho” (Born on the Fourth of July – 1989), “Homem-Aranha” (Spider-Man – 2002), “A Vida Marinha com Steve Zissou” (The Life Aquatic with Steve Zissou – 2004), “O Aviador” (The Aviator – 2004) e o sucesso adolescente “A Culpa é das Estrelas” (The Fault in Our Stars – 2014). Além destes títulos, é válido ressaltar que Dafoe protagonizou o último longa-metragem de Hector Babenco, “Meu Amigo Hindu” (2015). Esta é a quarta terceira indicação ao Oscar, sendo a primeira na categoria de melhor ator. As outras foram por “Platoon” (Idem – 1986), “A Sombra do Vampiro” (Shadow of the Vampire – 2000) e “Projeto Flórida” (The Florida Project – 2017).

* Os dois prêmios individuais recebidos por sua performance em “No Portal da Eternidade” são: o Satellite Award, do Satellite Awards; e o Volpi Cup, do Festival de Veneza.

 

Leia também:

Especial Oscar 2019: categoria de melhor atriz

Especial Oscar 2019: categoria de melhor ator coadjuvante

Especial Oscar 2019: categoria de melhor atriz coadjuvante

Especial Oscar 2019

Oscar 2019: AMPAS desiste de entregar prêmios nos intervalos da transmissão

Oscar 2019: AMPAS anuncia as ‘categorias do intervalo’

Oscar 2019: pop e político

Oscar 2019: ‘A Favorita’ e ‘Roma’ lideram a corrida pela estatueta

Oscar 2019: AMPAS adia a implementação da categoria de melhor filme popular

Comentários




    gl