Ana Carolina Garcia. Foto: SRZD

Ana Carolina Garcia

Jornalista formada pela Universidade Estácio de Sá, onde também concluiu sua pós-graduação em Jornalismo Cultural. Em 2011, lançou seu primeiro livro, "A Fantástica Fábrica de Filmes - Como Hollywood se Tornou a Capital Mundial do Cinema", da Editora Senac Rio.

‘Enquanto Houver Amor’: Annette Bening é o grande destaque

Bill Nighy e Annette Bening estrelam o drama “Enquanto Houver Amor” (Foto: Divulgação).

Não são poucos os filmes que abordam a dor da separação. Na maioria das vezes, dramas carregados de tensão que despertam sentimentos variados no espectador. É o caso de “Enquanto Houver Amor” (Hope Gap – 2019), que entra em cartaz na próxima quinta-feira, dia 18, nos cinemas brasileiros.

 

“Enquanto Houver Amor” conta a história do casal Grace (Annette Bening) e Edward (Bill Nighy), que está prestes a completar 29 anos de casados. Mas a falta de comunicação, aliada a sentimentos represados, torna a relação cada vez mais insustentável, culminando com a separação durante uma visita do filho, Jamie (Josh O’Connor), que faz o possível para se manter imparcial e dar apoio à mãe, completamente devastada.

 

“Enquanto Houver Amor” conta com roteiro coeso que prioriza o fator humano de maneira a permitir que a plateia observe a situação exatamente como Jamie, de maneira imparcial, analisando as distintas condutas dos envolvidos, sem conceder a eles rótulos de vítimas nem de vilões. E é este o grande acerto do longa, conduzido com muita sensibilidade por William Nicholson.

 

Contudo, a trama funciona também graças à sintonia e entrega de seu elenco, principalmente de Bening, que esmiúça toda a dor de sua personagem, explorando o lado mais irascível de sua personalidade, mas sem apelação. Com isso, o espectador é brindado com uma atuação impactante da veterana que ofusca a todos os seus colegas de cena.

 

“Enquanto Houver Amor” tem como trunfo o fato de expandir o olhar e conceder espaço considerável à figura do filho como pacificador de uma guerra perdida. Neste contexto, O’Connor ganha mais tempo em cena até mesmo para mostrar o amadurecimento da relação com seus progenitores, bem como os benefícios do convívio familiar, por mais difícil que ele possa ser. Desta forma, o filme opta por apresentar uma jornada em prol de novas chances na incessante busca pela felicidade, sobretudo para mãe e filho.

Comentários

 




    gl