Pau no Burro homenageará Jorge Laffond em sua estreia no Carnaval Virtual 2020.

O GRESV Pau no Burro apresenta seu enredo e regras de sua disputa de samba para sua estreia no grupo de acesso do Carnaval Virtual, a escola irá homenagear o dançarino, transformista e ator Jorge Laffond com o enredo: “As sete cores de Laffond” de autoria do carnavalesco da escola Jorge Júnior.

 

FICHA TÉCNICA:

Escola: Grêmio Recreativo Escola de Samba Virtual Pau no Burro
Cidade sede: Barra do Piraí
Data de fundação: 01/04/2020
Cores: Azul e Rosa
Símbolo: Burro

Presidente: Henri Hassel
Carnavalesco: Jorge Júnior
Intérprete: Vinicius Batista de Oliveira
Vice-Presidente: Felipe Augusto da Silva Ferreira
Auxiliar de Carnavalesco: Elen Hassel
Diretor de Carnaval: Marcus Vinicius Costa

ENREDO:

As sete cores de Laffond

Autor: Jorge Júnior

Introdução

Preto.
Dançarino.
Transformista.
Ator.

Jorge Luiz de Souza Lima, nasceu no Rio de Janeiro, em 1 de janeiro de 1953, dando início a vida de quem seria uma grande personalidade do cenário artístico nacional. Esse era simplesmente Jorge Laffond.

Laffond rompeu barreiras. E que barreiras, numa época onde tudo era mais difícil. Estudou balé clássico, dança contemporânea africana e formou-se em Artes Cênicas pela UniRio. Ele chegou a trabalhar com Mercedes Batista, primeira bailarina negra do Theatro Municipal. Reconheceu-se gay ainda muito jovem e que um nome conhecido da TV havia sido crucial para sua aceitação como tal: “Clodovil”.

A formação como bailarino foi crucial para as primeiras aparições televisivas, que curiosamente, não tiveram relação com o humor. Fez parte do balé do Fantástico, Viva o Gordo, com Jô Soares, Os trapalhões.

Sassaricando foi a primeira novela, na Rede Globo, e o papel que era pequeno, foi se tornando grande, tanto que Silvio de Abreu foi acrescentado falas e mais falas pra ele. Fez Kananga do Japão, da extinta TV Manchete, dando vida a Madame Satã, personagem que também interpretou no teatro. Porém, foi em A Praça É Nossa que Laffond começou a se destacar e fazer sucesso com o público em geral, tudo graças a: Vera Verão. Personagem marcante de sua vida e lembrada até hoje, pelo seu bordão: “Êêêpa! Bicha não!”.

Com o tempo, Lafond acabou se sacramentando como um dos grandes nomes do humor no país. E fazer rir, não é fácil. Mas Laffond tirava de letra, visto que os quase dois metros de altura, e aquela risada marcante já dava toda a graça pra ele.

Mas o carnaval, grande paixão nossa e dele, o fez brilhar ainda mais. Escolas como Imperatriz, União da Ilha, Unidos de Lucas trouxe nossa estrela para reluzir nessa festa que é toda nossa. Mas foi na Beija Flor de Nilópolis, terra Natal de Laffond, que o encanto e a magia vieram: desfilou “quase” nu, encarnou Alice, negra numa micro saia, e muito mais.

Diante de tantas coisas boas, Laffond partiu em em 2003, após uma vida intensa que durou meio século, mas seu legado ainda deve causar risos por muito tempo.

E é com muita honra que a GRESV Pau no Burro tem o prazer de apresentar a vida dessa estrela, pautada e dividida em sete cores. Em alusão a bandeira da diversidade, pra evidenciar esse artistas que trouxe para dentro dentro das casas de famílias, em uma época que o preconceito era tão acentuado, um artista LGBTQI+, que fazia rir tanto a criança quanto o adulto, e também as cores que enfeitam o carnaval, nossa festa “profana” e “sagrada”.

 

Setor Azul

É de azul que a gente começa a riscar o chão… azul pra celebrar o nascimento dessa estrela, em solo nilopolitano, de onde vem a deusa da passarela. Beija Flor, que foi morada do nosso homenageado e fez sua história nessa pioneira do carnaval carioca.

 

Setor Lilás

Lilás, cor marcante, vívida, tenaz. O lilás traz o teatro para a vida da nossa estrela. Foi nos palcos do municipal que a dança entrou em sua vida. E daí, desponta para outros lugares, levando a leveza do corpo para o movimento perfeito.

 

Setor Verde

Viajando mundo a fora, a dança vai se tornado essencial, e os musicais ganham outros países. Viva Aroldo Costa e seu grupo, que faz nossa estrela brilhar ainda mais.

 

Setor Amarelo

E chega a TV, dançando, atuando, fazendo rir. Do programa à novela, as câmeras amam nossa estrela. E ela desponta mídia a fora, fazendo a gente rir e querer bis.

 

Setor Laranja

Carnaval, doce ilusão. No molejo da mulata faceira, nossa estrela brilha também nos desfiles das escolas de samba e traz a irreverência para a festa. Samba no pé, sorriso no rosto e deslumbre na Marquês de Sapucaí.

 

Setor vermelho.

Brilha nossa estrela, para sempre em nossos corações. Vermelho verão para exaltar a Vera Verão, eterna e maravilhosa, sentada no banco da praça de um céu de estrelas cintilantes.

Viva Jorge.
Viva Laffond.
Viva todas as formas de arte.
Viva a LIBERDADE.

 

INFORMAÇÕES SOBRE A DISPUTA DE SAMBA:

Após a divulgação do enredo, para o Carnaval Virtual 2020, seguem as regras para disputa:

– Não há limites de compositores por parceria;

– Cada compositor ou parceria pode enviar quantos sambar desejar;

– A gravação pode ser apenas com a voz, à capela;

– O áudio e a letra do samba devem ser enviados no Whatsapp (24) 999578356;

– Dúvidas podem ser tiradas entrando em contato com o mesmo número acima;

– Estaremos aceitando os sambas concorrentes até a data 22/05/2020.

Comentários




    gl