Ana Carolina Garcia. Foto: SRZD

Ana Carolina Garcia

Jornalista formada pela Universidade Estácio de Sá, onde também concluiu sua pós-graduação em Jornalismo Cultural. Em 2011, lançou seu primeiro livro, "A Fantástica Fábrica de Filmes - Como Hollywood se Tornou a Capital Mundial do Cinema", da Editora Senac Rio.

‘A Lenda de Golem’: produção israelense entra em cartaz nesta quinta

“A Lenda de Golem” é uma das estreias desta quinta-feira, dia 13 (Foto: Divulgação).

Segundo longa-metragem de Doron e Yoav Paz, “A Lenda de Golem” (The Golem – 2019) entra em cartaz nesta quinta-feira, dia 13, nos cinemas brasileiros com a promessa de oferecer à plateia uma trama carregada de misticismo, horror e suspense.

 

Com roteiro de Ariel Cohen, o filme ambientado num vilarejo judeu isolado da Lituânia, em 1673, conta a história Hanna (Hani Furstenberg), mulher que há sete anos sofre com a perda de seu único filho e tem de lidar com a expectativa do marido de ter outro menino. Em meio a isso, uma epidemia assola a cidade próxima ao local, mas os gentios culpam os judeus, atacando-os e levando Hanna a tomar uma atitude impensável: criar um Golem, criatura mística que coloca a todos em perigo.

 

Rodado em Kiev (Ucrânia), “A Lenda de Golem” contém traços de outros títulos classificados como horror, dentre elas, “A Bruxa” (The Witch – 2015), dirigido por Robert Eggers e produzido pelo brasileiro Rodrigo Teixeira, e o clássico “Frankenstein” (Idem – 1931), de James Whale. Apesar disso, este longa não se prende às referências em detrimento da história propriamente dita, apresentando uma trama bem amarrada que se desenvolve lentamente para construir uma atmosfera de tensão que coloca a inocência da aparência infantil contra a bestialidade, que toma conta da narrativa tanto calcada na sugestão quanto na violência gráfica.

 

Konstantin Anikienko interpreta Golem (Foto: Divulgação).

 

“A Lenda de Golem” aposta mais no drama que no horror e no suspense, pois enfatiza a dor da perda e suas consequências traumáticas para Hanna e seu marido, Benjamin (Ishai Golan), homem pacífico, mas suscetível ao desejo de vingança diante da ameaça de ver seu vilarejo dizimado pela intolerância oriunda da ignorância. E no quesito drama o filme ganha pontos graças às atuações de Furstenberg e Golan, que concedem veracidade às situações nas quais seus personagens são expostos, acertando no tom tanto da mulher que não segue às regras impostas pela sociedade quanto do homem religioso, mas compreensivo. Outro trabalho que se destaca é o do menino Konstantin Anikienko (Golem), que consegue exprimir toda a dualidade do personagem no olhar e em pequenos gestos.

 

“A Lenda de Golem” é um filme que cresce aos poucos e ganha força em seu terceiro ato, quando a violência toma conta da narrativa, mostrando os poderes da criatura e o lado mais obscuro do ser humano, que parte em cruzadas mesmo contra inocentes e sem nenhum motivo plausível.

 

Assista ao trailer oficial legendado:

Comentários




    gl