Morre Bruno Covas, aos 41 anos

Arte: SRzd

Foi anunciada às 8h20 deste domingo (16), a morte do prefeito licenciado da cidade de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), aos 41 anos, vítima de câncer.

“O prefeito de São Paulo Bruno Covas faleceu hoje às 08:20 em decorrência de um câncer da transição esôfago gástrica, com metástase ao diagnóstico, e suas complicações após longo período de tratamento. Ele estava internado no Hospital Sírio-Libanês desde o dia 2 de maio, sob os cuidados das equipes médicas coordenadas pelo Prof. Dr. David Uip, Dr. Artur Katz, Dr. Tulio Eduardo Flesch Pfiffer, Prof. Dr. Raul Cutait e Prof. Dr. Roberto Kalil”, diz a nota divulgada pela Prefeitura de São Paulo.

O velório será fechado, com a presença apenas para a família. Covas será sepultado no Cemitério do Paquetá, em Santos, no litoral de São Paulo, o mesmo que seu avô, Mário Covas, foi enterrado há 20 anos após morrer por conta da mesma doença. O sepultamento ocorrerá ainda neste domingo e a prefeitura da cidade já enviou viaturas da Guarda Civil Municipal (GCM) ao local para evitar aglomerações.

O funeral será realizado a partir das 13h, no hall da Prefeitura de São Paulo, e será reservado para 20 pessoas. Após a cerimônia, haverá um cortejo fúnebre para Santos.

Na noite de sexta-feira (14), um boletim médico divulgado pelo hospital Sírio-Libanês, na Zona Sul da capital paulista, já informava que o quadro de saúde de Covas era irreversível. Nas últimas horas de vida, o prefeito recebeu sedativos e analgésicos para não sentir dores.

Familiares e amigos de Covas permaneceram no hospital desde que os médicos informaram que seu quadro de saúde era irreversível.

Um padre chegou a fazer a unção dos enfermos, um sacramento católico ainda na sexta-feira. Durante a noite de sábado (15), representantes de diversas religiões participaram do ato ecumênico na porta do hospital, que durou 30 minutos e terminou com a oração Pai Nosso.

O tucano estava internado desde o dia 2 de maio, para seguir o tratamento do câncer no sistema digestivo, com metástase nos ossos e no fígado. A longa batalha travada por Covas teve início em 2019.

Nesta mesma data, anunciou que faria um pedido de afastamento do cargo, por 30 dias, quando o vice-prefeito, Ricardo Nunes (MDB), assumiu a gestão. Bruno deixa o filho Tomás.

+ herdeiro de uma dinastia política:

Neto do ex-governador de São Paulo, Mário Covas, também vítima de câncer, em 2001, quando estava no exercício do cargo, Bruno sempre foi ligado à política.

Estudou nos colégios Carmo e Lusíada, em Santos. Em 1995, quando foi estudar em São Paulo, no Colégio Bandeirantes, teve a oportunidade de morar com o avô. Era graduado em Direito, pela Universidade de São Paulo, e em Economia, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Filiou-se em 1998 ao PSDB e, em 1999, foi eleito o primeiro secretário da juventude do partido. Em 2003, foi eleito presidente estadual e foi também presidente nacional da juventude tucana, em 2007, permanecendo no cargo até 2011.

Estrou na vida pública em 2004, quando se candidatou a vice-prefeito de Santos na chapa de Raul Christiano. Nos anos de 2005 e 2006, foi assessor da liderança dos governos de Geraldo Alckmin e Cláudio Lembo, na Assembleia Legislativa.

Em 2006, foi candidato a deputado estadual, sendo eleito com 122.312 votos. Em 2010, foi reeleito e o mais votado, com 239.150 votos. Bruno Covas foi, então, convidado por Alckmin para assumir a Secretaria do Meio Ambiente, a partir do início de 2011, ocasião em que se licenciou do cargo de deputado estadual. Ficou até abril de 2014, quando foi exonerado para disputar as eleições daquele ano, sendo eleito para a Câmara Federal.

Dois anos depois, em 2016, foi eleito vice-prefeito de São Paulo, na chapa de João Doria. Assumiu a prefeitura para Doria concorrer, e ganhar, o governo do Estado. Em 2020, venceu, em segundo turno, Guilherme Boulos (PSOL), assumindo o comando da maior cidade do país.

Bruno Covas foi internado no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, no dia 23 de outubro de 2019, para tratar uma erisipela em uma das pernas. No entanto, após a realização de alguns exames, a equipe médica constatou, depois de dois dias, que ele apresentava diagnóstico de trombose venosa. Foram então realizados outros procedimentos médicos e verificou-se que havia um tumor no trato digestivo.

A partir do novo diagnóstico foram feitas três sessões de quimioterapia para combater o câncer, tratamento que duraria alguns meses. O número de sessões de quimioterapia foi ampliado e, até o início de fevereiro de 2020, haviam sido realizadas oito.

Segundo a avaliação médica, depois da oitava, seu estado geral de saúde era ótimo, sem apresentar efeitos adversos. Em maio precisou ser internado por dois dias, depois de sentir um desconforto abdominal. Os exames diagnosticaram uma inflamação no intestino, que regrediu espontaneamente.

Em junho de 2020, foi diagnosticado com Covid-19, da qual recuperou-se bem. Em abril de 2021, novos exames confirmaram que o câncer havia se espalhado para o fígado e ossos.

Governador João Doria: Obrigado Bruno Covas

Após o anúncio da morte do prefeito, o governador João Doria se pronunciou em nota oficial. Leia à íntegra:

“Obrigado Bruno Covas, por ter compartilhado, com todos nós, tanto carinho e dedicação. À Renata e ao Pedro, seus Pais, Gustavo, seu irmão e especialmente Tomás, seu filho, meu afeto nesse momento doloroso em que a natureza subverte o curso da vida. São Paulo terá sempre muito orgulho desse filho querido.

A força de Bruno Covas vem do seu exemplo e do seu caráter. Foi leal à família, aos amigos, ao povo de São Paulo e aos filiados do seu partido, o PSDB. Sua garra nos inspira e seu trabalho nos motiva.
Tive o privilégio de acompanhá-lo desde o início da vida pública, ao lado do seu avô Mario Covas. Tive a honra de tê-lo como vice, na prefeitura de São Paulo. E a alegria de ver seus ideais e realizações aprovados nas eleições de 2020.
Bruno Covas era sensível, sereno, correto, racional, pragmático e ponderado.

Voz sensata, sorriso largo e bom coração. Bruno Covas era esperança. E a esperança não morre: ela segue, com fé, nas lições que ele nos ofereceu em sua vida. Muito obrigado, Bruno. Você foi e continuará sendo para todos nós, um eterno exemplo.

João Doria
Governador do Estado de São Paulo”

João Doria e Bruno Covas. Foto: Assessoria/Prefeitura de São Paulo

 

+ Sidney Rezende: ‘Habeas corpus de Pazuello não facilita encontro com a verdade’

+ Bolsonaro sugere que Lula é ‘filho do capeta’; assista

+ Gil do Vigor virá garoto-propaganda de marca de iogurte

+ Paes diz que Rio pode ter Carnaval e Réveillon em 2022

Comentários

 




    gl