Varíola dos macacos: saiba como evitar a contaminação

Varíola dos macacos. Foto: iStock

Varíola dos macacos. Foto: iStock

Após alguns casos da “Varíola dos Macacos” confirmados no Brasil, é importante estar ciente sobre as formas de prevenir o contágio. Segundo o doutor Ingvar Ludwig, infectologista do Hcor, a transmissão para humanos pode ocorrer por:

– Contato direto ou indireto com sangue, fluidos corporais, lesões de pele ou membranas mucosas de animais infectados;

– Contato pessoal com secreções respiratórias, lesões de pele de pessoas infectadas ou, de forma menos importante, no contato com objetos recentemente contaminados;

– Relação sexual (diante do maior contato íntimo com eventuais lesões cutâneas infecciosas);

– Via gotículas respiratórias, usualmente por contato mais próximo com a pessoa infectada;

– Via placentária (da gestante para o bebê).

O especialista explica que o período médio de incubação é de 6 a 13 dias, podendo variar de 5 a 21 e a transmissão a partir de um indivíduos infectado pode ser longa: entre 2 e 4 semanas, sobretudo na presença de lesões ativas.

“Os principais sintomas são: febre, mialgia, fadiga, cefaleia, astenia (diminuição da força física), dor nas costas e linfadenopatia (aumento gânglios, tecidos próprios do sistema imunológico). Três dias após o início das manifestações, a pessoa apresenta erupção cutânea, que se espalha rapidamente para outras partes do corpo, a partir da lesão inicial. De maneira geral, o prognóstico é bom e o cuidado habitual das lesões é o tratamento para os casos, não havendo terapia específica”, esclarece o médico.

Leia também:

+ Pesquisadores identificam método capaz de prever gravidade da Covid-19

+ O que é a varíola do macaco? Especialistas respondem

Comentários

 




    gl