Startups: melhoria do ambiente de negócios pode aproximar França e Brasil na área tecnológica

Startup. Foto: Pixabay

Startup. Foto: Pixabay

A França investe em inovação e tecnologia há algum tempo. O governo francês promoveu uma mobilização coletiva para o crescimento das startups e do setor digital e transformou-se em uma potência inovadora, competitiva e atrativa.

Com sistemas de financiamento eficientes e institutos de pesquisa reconhecidos, a França desenvolveu um ecossistema maduro para novas empresas. As incubadoras multiplicaram-se por todo o país, promovendo a criação de startups, que podem se beneficiar de um coaching, de uma assessoria adaptada e de uma rede de profissionais em áreas distintas como bioquímica, fintechs ou foodtechs. Cerca de 9.500 startups foram contabilizadas no país.

As empresas francesas também investem em drones, vacinas e robôs.

A França conta hoje com 68 polos de inovação.

A França conta hoje com 68 polos de inovação, que constituem um ecossistema sólido e atraente para investidores. Estes polos atraem diversas empresas francesas e estrangeiras, que desejam desenvolver pesquisas e desenvolvimento na França, sendo um dos principais fatores de estímulo aos empreendedores. Parcerias com os laboratórios de pesquisa do setor público, a proximidade dos polos de inovação e as ajudas públicas também são mencionadas por aqueles que se implantam na região como um diferencial.

Em entrevista ao SRzd, o diretor da Business France na América Latina, Richard Gomes, falou sobre o assunto:

SRzd: Quais são as medidas mais atuais – e efetivas – tomadas pela França em favor da inovação e das startups?

A fim de transformar o país em uma potência ainda mais inovadora, competitiva e atraente, o governo francês lançou alguns anos atrás a FRENCH TECH, um selo que reagrupa todos os players dos ecossistemas de inovação. No total são 86 comunidades e 13 capitais não só na França, como também ao redor do mundo, engajadas sob o selo. Um dos primeiros hubs internacionais da French Tech no Mundo foi a cidade de São Paulo.

Paris é a capital mais pujante, tendo, inclusive, o maior campus de startups do mundo chamado Station F, com capacidade para 1 000 startups. Por todo o país existem também os 56 Polos de Competitividade, onde grandes empresas, PMEs, startups, institutos de pesquisa, universidades e organismos públicos se encontram para mobilizar os fatores-chave da competitividade de cada região através da inovação. Isto é, cada um possui uma temática central, passando pelos mais diversos domínios e a possibilidade de financiar projetos colaborativos com até 60% de subvenções não reembolsáveis.

A França oferece um dos incentivos fiscais mais vantajosos no mundo: trata-se do Crédito Fiscal para Pesquisa.

Ademais, através do Bpifrance, o Banco Público de Investimentos francês, um fundo de investimentos de 200 milhões de euros quase 1 bilhão de Reais foi criado para dar suporte ao desenvolvimento de aceleradoras privadas de startups. O Governo também lançou um fundo, inicial, de quase 50 bilhões de Reais para fomentar as inovações disruptivas.

Além disso, a França oferece um dos incentivos fiscais mais vantajosos no mundo: trata-se do Crédito Fiscal para Pesquisa. Basicamente, o governo retorna 30% das despesas de P&D e 20% das despesas de inovação para abatimento no imposto de renda, que na França é calculado sobre o lucro, ou diretamente em cash quando a empresa não paga impostos.

Para selar a imagem da França como uma grande promotora de inovação e startups, vão alguns dados:

Em 2018, o Facebook investiu 10 milhões de euros para dobrar o tamanho de seu laboratório de Inteligência Artificial em Paris. Os atuais 30 pesquisadores e engenheiros passarão a 60. O Google anunciou a criação de um centro de IA(Inteligência Artificial) também neste ano.

Em 2018, a França, pela primeira vez, é a primeira destinação dos investimentos em centros de P&D e Inovação na Europa, com um total de 144 centros, contra 74 no UK e 64 na Alemanha
A França é o pais europeu com mais dinheiro disponível para investimento privado nos Venture Capitalist.

 

SRzd: O que precisa ser feito para que Brasil e França se aproximem ainda mais no setor de tecnologia?

O Brasil e a França se tornaram hubs de tecnologia na América Latina e na Europa respectivamente. O intercâmbio de soluções inovadoras, de savoir faire, de empreendedores é sem dúvida uma forma, não somente de aproximar ainda mais o Brasil e a França, mas também de promover e acelerar o desenvolvimento tecnológico destes países.

A Business France, Agência Nacional de apoio à Internacionalização da Economia Francesa, tem desenvolvido um trabalho importante para fomentar a aproximação das empresas francesas e brasileiras de tecnologia. Dentre as iniciativas da Agência, podemos citar por exemplo missões de internacionalização de empresas brasileiras na França e de empresas francesas no Brasil ou a organização de eventos como o Reveal & Invest Day. O evento, que em 2019 já vai para sua 3ª edição, acolheu em novembro do ano passado, durante a São Paulo Tech Week, uma delegação de empresas de tecnologia inovadoras da França e do Brasil, investidores, aceleradoras, incubadoras, grandes grupo e um público de mais de 250 pessoas. O Reveal & Invest Day é hoje o maior evento no Brasil de promoção de tecnologias francesas no Brasil e brasileiras na França. Temos ações similares no agronegócio (AgriNest), na saúde (Hospitalar), e nas renováveis (French Cleantech Days). A Business France trabalha também com parceiros franceses e brasileiros (Federações das Indústrias dos diferentes estados, MDIC, Apex, Câmara de Comércio, etc.) e iniciativas como a French Tech para promover ainda mais esse intercâmbio tão fundamental para nossos países.

 

SRzd: O novo governo brasileiro nutre uma simpatia pelos Estados Unidos e Israel. Isto cria alguma dificuldade de aproximação com a França?

A comparação é difícil, ser mais próximo é impossível, porque o Brasil é o país com o qual a França tem mais quilômetros de fronteira! Os laços econômicos da França com o Brasil são históricos, fortes e duradouros. Culturalmente, somos latinos e sabemos que temos uma relação intensa.

O investimento privado francês no Brasil representa mais de 120 bilhões de reais.

Temos hoje no Brasil cerca de 900 empresas francesas, que empregam 500 000 pessoas, a França é o primeiro empregador estrangeiro no Brasil. O investimento privado francês no Brasil representa mais de 120 bilhões de reais. Além do mais, o Governo brasileiro está empenhado na melhoria do ambiente de negócios e em uma maior inserção do Brasil no comércio internacional. Esses dois fatores são, para as empresas internacionais e especificamente para as empresas francesas, sinais muito positivos.

 

SRzd: Os jovens brasileiros que buscam oportunidades de conhecimento no setor de inovação podem ter esperança de ver portas abertas nos centros de conhecimento franceses?

Sem dúvidas. Um dos objetivos do French Tech é construir um dos mais ricos e diversos pools de talento de startups no mundo.

Para isso, existe o French Tech Visa, um visto que permite que as startups ou empresas inovadoras francesas possam contratar pessoas de qualquer lugar do mundo, não importando a nacionalidade ou o diploma.

Trabalho. Foto: Pixabay
Foto: Pixabay

Ainda no escopo do Crédito Fiscal para Pesquisa, a empresa francesa que contratar doutores recém-formados para desenvolver essa atividade de inovação, terá um retorno de 120% sobre seus gastos de contração. São elegíveis candidatos de qualquer país, formado em uma Universidade europeia. Esse ambiente é muito importante, pois incentiva as empresas a buscarem por esse profissional capacitado.

No mais, os custos de formação na França são menores que nos Estados Unidos e Reino Unido, por exemplo, devido ao seu ensino superior público e de ponta.

Comentários




    gl