Padre deseja morte de fiéis contrários as suas postagens e gera polêmica; veja vídeo

Padre deseja morte de fiéis contrários às suas postagens e gera polêmica. Foto: Reprodução de Internet

Padre deseja morte de fiéis contrários às suas postagens e gera polêmica. Foto: Reprodução de Internet

O padre Marcelo Tenório, de Campo Grande gerou polêmica ao publicar um vídeo em que deseja a morte dos seguidores que não concordam com suas postagens. As imagens revoltaram diversas pessoas, mas foram entendidas como uma brincadeira por outras. Após a repercussão, ele se desculpou e a Arquidiocese de Campo Grande se manifestou, por nota, dizendo repudiar “toda forma de ódio ou violência”.

Nas imagens, o padre aparece falando de uma promoção de uma loja da cidade, na qual os clientes estouram balões e ganham brindes. “Eu vou estourar e é o que eu desejo para todos os aqueles que não gostam das minhas postagens, mas que estão nas minhas redes sociais”. Ao estourar os balões, o padre mostra a palavra “morra” e termina o vídeo dizendo “boa sorte”.

Nos comentários, os internautas ficaram divididos. Alguns concordam e acham que o padre não cometeu nenhum erro, outros afirmam que esta não é a postura adequada para alguém da Igreja.

“Mais engraçado são os ignorantes que não sabem interpretar um vídeo”, e “Gostei. Acho que eu vou iniciar esta promoção por aqui também” foram algumas postagens favoráveis. Já outros usuários não concordaram. “Essa não deveria ser a postura de um padre, um líder religioso! Que vergonha!”, e “Padre, se concentre apenas em rezar e pare de estimular o ódio” foram alguns dos comentários negativos.

Após grande repercussão do caso, o religioso postou uma nota de esclarecimento em seu perfil pessoal no Facebook. Ele contou que se sentiu surpreso e que o “vídeo se tratava de uma, entre tantas, brincadeiras que fazemos por aqui entre amigos. Nele, usei figura de linguagem, apenas”.

“Aos que interpretaram de forma diferente, peço desculpas, mas não corresponde a verdade. Não houve ódio, nem nada, apenas uma brincadeira com os meus amigos de face”, escreveu o padre.

A Arquidiocese de Campo Grande pediu perdão às pessoas que tenham se sentido ofendidas. Além disso, disse que repudia “toda forma de ódio ou violência. Numa sociedade marcada por uma crescente intolerância, que nós, discípulos e discípulas do Divino Mestre, sejamos sempre construtores da paz, na busca de uma sociedade justa e solidária”, diz trecho da nota (leia a íntegra abaixo).

Outras polêmicas

Não é a primeira vez que o padre Marcelo Tenório se envolve em polêmicas. Assíduo defensor do presidente Jair Bolsonaro (PSL), o religioso fez campanha para o atual chefe do Executivo. No fim do ano passado, o padre já se posicionou favorável ao porte de armas e postou uma foto com crianças, adultos e outros membros da igreja fazendo o símbolo de uma arma com as mãos. A publicação foi muito criticada e apagada algum tempo depois. Além disso, o padre também defendeu o consumo de bebidas alcoólicas pelos fiéis. De acordo com ele, “beber não é pecado”, e que “bom mesmo para a saúde, é cuidar da própria vida”.

Nota da Arquidiocese de Campo Grande:

“Muitas pessoas têm manifestado estranheza, ou mesmo indignação, diante de um vídeo postado nas redes sociais por nosso irmão Pe. Marcelo Tenório.

Como Arcebispo de Campo Grande, acolho essas manifestações, pelas quais agradeço de coração. Vejo nelas expressões de cuidado para com nossa amada Igreja. E também peço perdão aos que se sentiram ofendidos. Já pude conversar longamente, em alguns encontros que tive nos últimos dias com o Pe. Marcelo. Como deve ser do conhecimento de todos, ele mesmo postou no seu Facebook uma nota explicativa, em que pedia desculpas pelo ocorrido, salientando que se tratava de uma brincadeira feita com seus seguidores nas redes sociais, e que não pretendia com ela expressar ou incitar ao ódio. Essa mesma partilha, ele fez comigo várias vezes. Ele reconhece que lhe faltou a percepção de que uma postagem feita num blog, no Facebook, no Twitter ou em outras redes de domínio público pode ter efeitos muito diferentes daqueles que se esperaria em um bate-papo informal, num grupo fechado, do qual participam apenas amigos ou companheiros de uma mesma causa.

Seja como for, fica claro que nós, bispos, padres, diáconos, religiosos e religiosas, consagrados e consagradas, líderes das nossas diversas comunidades, queiramos ou não, somos ou nos tornamos pessoas públicas, a partir do momento em que acolhemos uma missão em nome do Evangelho e da Igreja. Daí o necessário cuidado com tudo o que fazemos ou publicamos, pois isso pode afetar a imagem da instituição que representamos e a própria credibilidade do que anunciamos, se manifestarem incoerência entre o que vivemos e o que professamos.

No seguimento de Nosso Senhor Jesus Cristo, e em comunhão com nosso querido Papa Francisco, repudio toda forma de ódio ou violência. Numa sociedade marcada por uma crescente intolerância, que nós, discípulos e discípulas do Divino Mestre, sejamos sempre construtores da paz, na busca de uma sociedade justa e solidária.

Aproveito para desejar a todos uma Santa e Feliz Páscoa.

Dom Dimas Lara Barbosa

Arcebispo Metropolitano de Campo Grande – MS”

Comentários




    gl