EUA aperta o cerco contra o regime cubano

Arte: SRzd

O governo do Estados Unidos anunciou, através do Departamento do Tesouro, sanções contra o general Álvaro López Miera, atual ministro das Forças Armadas Revolucionárias de Cuba e contra a Brigada Especial do Ministério do Interior, conhecida como Boinas Negras.

Segundo os EUA o grupo foi responsável pela repressão aos protestos de 11 de julho, que terminaram com centenas de detidos e pediam o fim do regime implementado por Fidel Castro.

Em nota, o presidente americano, o democrata Joe Biden, disse que novas sanções “têm como alvo os responsáveis pela repressão aos manifestantes” e que são apenas o primeiro passo de uma resposta americana:

“Este é apenas o começo. Os Estados Unidos condenam as detenções em massa e os julgamentos simulados em Cuba e continuarão a punir os indivíduos responsáveis pela opressão do povo cubano”.

Biden tentava, desde o início de seu mandato, implementar uma nova política em relação a Cuba para reverter as mais de 240 sanções adotadas por seu antecessor, o republicano Donald Trump, incluindo restrições a viagens e remessas em dinheiro. Trump reforçou o embargo econômico que os Estados Unidos aplicam a Cuba desde 1962, para forçar a mudança de regime.

+ General Mourão: ‘Quem é que vai proibir eleição?’

+ SC: pesquisa indica Bolsonaro na liderança com 52%

+ Ator Sérgio Mamberti está internado com infecção no pulmão

+ Filhos de Cid Moreira querem a guarda do pai e arrolam famosa como testemunha

+ Cotado para Casa Civil, Ciro Nogueira chamou Bolsonaro de fascista e declarou voto em Lula

+ Jefferson aparece armado, ataca comunistas e chama embaixador da China de macaco; assista

+ Pesquisa mede como brasileiros encaram voto em candidato gay à Presidência da República

+ ONU: estudo aponta mudanças profundas na Terra e faz previsão sombria

+ Reprise de Império marca melhor índice da semana; veja os números de 21 de julho

+ AP: governo abre edital para 1 mil vagas de monitor

Comentários

 




    gl