Dedé afirma que sofreu racismo no jogo contra Libertad

Foto: Flickr do VascoNo jogo da última quarta-feira pela Taça Libertadores da América, o Vasco não sofreu apenas com a forte marcação do time paraguaio. Os jogadores do Cruzmaltino foram vítimas de racismo por parte da torcida do Libertad. Os zagueiros do clube de São Januário foram chamados de macaco, Renato Silva chegou a levar cusparada quando chegou perto da grade que separa a torcida do campo.

Ao desembarcar no Rio, Dedé comentou sobre o fato ocorrido no Paraguai.

“É triste. Não é fácil escutar um babaca chamar a gente de macaco. Fico triste por existirem pessoas assim, mas mantenho a minha cabeça erguida. Tenho orgulho da minha cor e orgulho de ser brasileiro. Não vai ser a primeira, nem a última vez, e isso não vai me abalar. Pelo contrário. Isso nos deu mais motivação lá e para o resto da vida também”, comentou o jogador ao site “Globoesporte.com”

O defensor vascaíno afirmou que não foi ofendido por nenhum jogador e nem pela comissão técnica do Libertad, o problema foi apenas com os torcedores. Dedé acredita que o fato não irá se repetir no próximo jogo, que será realizado no Rio de Janeiro. Porém, o jogador disse que caso aconteça ele vai tomar providências, já que está no seu país.

Seu companheiro de zaga, Renato Silva foi mais comedido ao falar sobre o assunto.

“Sofri racismo sim, mas não procurei a polícia. Esses atos repercutem muito. É uma situação que ninguém gosta, mas Libertadores é assim mesmo, existem essas coisas. Agora é bola para frente e pensar no próximo jogo do Vasco”, disse ao “Lancenet”

Os insultos aos jogadores do Vasco teriam acontecido enquanto o time estava em campo.

Comentários

 




    gl