Ansiedade: especialista revela como entender e tratar o problema

A ansiedade excessiva pode se tornar uma doença. – Foto: Divulgação.

A ansiedade é uma emoção normal do ser humano, comum ao se enfrentar algum problema no trabalho, antes de uma prova ou diante de decisões difíceis do dia a dia. No entanto, a ansiedade excessiva pode se tornar uma doença, ou melhor, um distúrbio de ansiedade.

“Pode-se afirmar que a ansiedade é descrita pela preocupação excessiva com o futuro. As principais sensações são: perda de peso, perda de atenção com as atividades, dores no estômago podendo até desenvolver gastrite, insônia, dificuldade sexual entre outros”, explica o psicólogo e psicanalista Eraldo Melo.

Preocupações derivadas da ansiedade não desaparecem por conta própria, pelo contrário, elas só tendem a piorar. Por isso, tratamento e suporte médicos são imprescindíveis. A forma mais indicada para controlar a ansiedade é procurar um profissional da área de psicologia, para que o indivíduo consiga entender que não podemos controlar todas as coisas no futuro.

Na maioria dos casos não se usa medicamentos, pois a origem da ansiedade é psíquica e só é usado medicamento quando o caso já está mais grave.

“Dentro do consultório o problema é tratado de forma singular, entendendo e respeitando cada caso e seus desafios. O princípio básico de um tratamento psicológico é levar o paciente a entender que independente de sua ansiedade o futuro será sempre o futuro, precisando pensar e viver o presente”, ressalta o especialista.

Existem alguns “marcadores biológicos” que também podem estar ligados à ansiedade, como a dosagem de cortisol (um hormônio importante no estresse), alterações de glicemia ou dos hormônios sexuais, entre outros.

Eraldo afirma que um dos métodos mais utilizados é a terapia cognitivo-comportamental (TCC), um tratamento normalmente feito em curto prazo e que permite você retomar aos poucos as suas atividades cotidianas que antes eram evitadas devido à ansiedade.

Comentários




    gl