Manoel Dionísio. Foto: Nicolas Renato Photography

Manoel Dionísio

Ingressou no Carnaval em 1955, no Grêmio Recreativo Escola de Samba Acadêmicos do Salgueiro como bailarino do Balé Folclórico Mercedes Batista. Em 1982, ensinou, através de um treinamento intensivo, técnicas do bailado do casal de mestre-sala e porta-bandeira para Rita Freitas, que no ano de 1983, após aprovação em um concurso realizado pela agremiação, desfilou como 1ª porta-bandeira do Salgueiro, atingido as notas máximas naquele Carnaval. Em 1990, sedimentou-se a ideia de implantar o ensino formal das técnicas da dança do casal de mestre-sala e porta-bandeira baseado na experiência de bailarino profissional (1955 a 1970). Foi criada a Escola de Mestre-Sala, Porta-Bandeira e Porta-Estandarte Manoel Dionísio. Atualmente, é reconhecido por ter ajudado vários casais a brilhar na Avenida.

Elogios a José Carlos de Souza/Zé Papagaio e sua equipe

Zé Papagaio. Foto: Divulgação

Zé Papagaio. Foto: Divulgação

Recepcionistas dos portões 5 e 6 coordenado por José Carlos de Souza/Zé Papagaio e sua equipe que atendem os sambistas com tranqüilidade fazendo do lazer em seu trabalho.

Falar desta equipe me lembra o saudoso Eugênio Onça. Não tenho muito para dizer, a não ser a parabenizar a todos que dentro de suas funções dando sempre as boas vindas aos foliões sambistas nos ensaios técnicos e no desfile oficial na passarela, do Samba Professor Darcy Ribeiro e aos demais segurança, homens e mulheres de preto de cada portão do sambódromo.

Sem ter que empurrar ninguém, que não tem condições de assistir os desfiles oficiais.

ENGATINHANDO NO SAMBA

Guilherme Kauã Nunes de Lima.
Com 7 anos de idade incentivando pelos pais Adailton Lima e Gisele Nunes, aos 14 anos de idade no carnaval desde 2013 como apoio no carro de som da Cubango, Unidos da Viradouro de 2014 a 2017 como cantor e musico, fazendo preparatório para o colégio naval. Seu futuro esta em sua dedicação na escola de música Vilas Lobo, nos ensaios técnicos e responsável, pela condução dos carros de som com muita responsabilidade a pesar de seus 14 anos fazendo parte da modernidade do nosso carnaval, e tem como sua professora de canto Ana Dias, de Niterói. Hoje assistente do carro de som de todos os ensaios técnicos para apoiar e controlar quem sobe no carro da Equipe Machine.

Comentários




    gl