Ticiana Farinchon. Foto: SRzd

Ticiana Farinchon

Formada em Jornalismo pela Facha, com pós-graduação em Mídias Digitais. Apaixonada por tecnologia e cultura, tem nos seriados de TV seu maior vício, acompanhando em tempo real tudo o que acontece neste fascinante universo.

Grey’s Anatomy: finalmente eu me rendi

Todo mundo sabe que sou fã de carteirinha de Shonda Rhimes. Afinal, tudo que essa mulher escreve é surpreendente. Nao.importa o tema da série: sexo, minorias, políticas, tramoias, tudo está lá, dosado como que num conta gotas, milimetricamente pensado para agradar a todos os tipos de público.
Fui inserida em Shondaland por Scandal, minha série queridinha de todos os tempos. Depois, veio How to get away with murder, que já me deixou em claro por várias noites com o famoso “só mais um episódio”… Mas até pouco tempo atrás eu conseguia passar incólume por Grey’s Anatomy, mesmo com todos ao meu redor fazendo campanha pra que eu visse a série. Pois bem, eles venceram. E posso dizer, ainda bem.
Não precisou mais de 10 minutos do episódio piloto pra que eu estivesse grudada na tela, totalmente hipnotizada pela carinha de cachorro pidão do Dr Sheppard (Patrick Dempsey). Àquele momento, eu nem lembrava que se tratava de uma série médica, cheia de sangue e cenas nojentas, com mortes no caminho…. Nada, nada mais importava.
Até que acabou o primeiro episódio, e a teia de Shonda me pegou de jeito. Nessa hora eu já estava totalmente envolvida não só pelos olhos do Dr Bonitão, mas por todos os personagens que me haviam sido apresentados.
Sim, Grey’s Anatomy é uma série médica, ambientada num hospital. Mas de fato ela é muito, muito mais que isso. Ela é uma série sobre pessoas, sobre relações. E nisso ninguém é melhor que a Shonda. É impressionante como, a cada episódio, nós nos vemos ali, com nossas fraquezas, nossos ímpetos, nossos desejos, nossas contradições…
No momento estou iniciando o segundo arco da terceira temporada, e posso dizer com toda certeza: não tenho um personagem preferido. Amo todas aquelas pessoas na mesma intensidade. Até porque elas sou eu, espelhada na tela da TV. Não consigo não gostar de alguém, porque eles erram, erram pra caramba, mas sempre na tentativa do acerto. Não existe mau caratismo em Grey’s Anatomy. Existem pessoas de carne e osso.
Sei que no mundo de Shonda ainda terei muitas despedidas pela frente. Ainda mais numa série que já dura tanto tempo. Mas querem saber? Eu aguento. Assim como aguentarei várias e várias mini maratonas, mesmo sabendo ter que acordar cedo no dia seguinte.
Afinal, é impossível embarcar em Shondaland e sair no meio do caminho. Mesmo que esse caminho tenha 14 temporadas (ainda bem!!)
Que venha mais um episodiozinho….

As 14 temporadas de Grey´s Anatomy estão disponíveis na Netflix, e a 15a temporada tem estreia prevista para dia 27 na ABC norte americana.

Comentários




    gl