Carnaval/RJ

Homenagem à porta-estandarte Onira Pereira

Espetáculo “Baila Minha Porta Estandarte, a Trajetória de Onira Pereira”. Foto: Nilveo Pereira Christiano

Por Ramão Carvalho

Aconteceu nos dias 1 e 2 de maio o Espetáculo Musical “Baila Minha Porta Estandarte, a Trajetória de Onira Pereira”, no Teatro Bruno Kiefer, na Casa de Cultura Mario Quintana, em Porto Alegre, representando a vida e obra de uma grande baluarte e também uma das figuras mais emblemáticas e marcantes do Carnaval gaúcho: ninguém menos que a magnífica Onira Pereira!

Ela gravou seu nome e eternizou o seu bailado nas avenidas por onde desfilou. Suas atuações foram marcantes, principalmente pela escola de samba Bambas da Orgia de Porto Alegre, além de influenciar também nas vestimentas volumosas e nas saias de armação vistosas. Onira revolucionou no modo de bailar (nunca utilizou talabartes), suas apresentações alegres estão presentes na memória dos carnavalescos do Rio Grande do Sul que tiveram o privilégio de vê-la dançar.

Espetáculo “Baila Minha Porta Estandarte, a Trajetória de Onira Pereira”. Foto: Nilveo Pereira Christiano

Ela teve a primazia de ser a primeira porta-estandarte gaúcha a desfilar na Avenida Marquês de Sapucaí – o Sambódromo do Carnaval carioca – teve atuações magníficas na capital do samba, nas escolas como o Estácio de Sá, Acadêmicos do Grande Rio e Unidos de Vila Isabel.

Considerada ‘uma lenda viva’, Onira Pereira é muito respeitada e sua opinião é sempre ouvida com muito carinho e atenção por todos, da mesma forma que ela trata a todos os sambistas, uma verdadeira “madrinha”, uma matriarca de primeira do samba dos pampas.

Espetáculo “Baila Minha Porta Estandarte, a Trajetória de Onira Pereira”. Foto: Nilveo Pereira Christiano

O espetáculo contou sua trajetória, e com magníficas portas-estandartes, ao som da bateria velha guarda de Bambas da Orgia, na voz de Bruno Martins, homenageou todas as escolas por onde passou, culminando com a homenagem enredo que recebeu da escola de samba Império do Sol de São Leopoldo/RS: Onira Pereira – A Trajetória de Uma Estrela. Também foram apresentadas músicas compostas a ela e cantadas por seus autores, como foi o caso de Joaquim Lucena, que emocionou o público presente.

A produção ficou a cargo de Edy Dutra e Kizzy Pereira, que reuniram uma grande equipe de bailarinos, artistas, para atender a tudo e para receber os carnavalescos. Foi um grande momento! Percebi na platéia pessoas emocionadas, como foi o caso da porta bandeira Simone Ribeiro, a presidente da Escola de Mestre-Sala, Porta-Bandeira e Porta-Estandarte Padedê do Samba, que às lágrimas aplaudia exaltando um estriente “bravo!”. Sinto que o Carnaval de Porto Alegre precisa de mais iniciativas como estas.

Espetáculo “Baila Minha Porta Estandarte, a Trajetória de Onira Pereira”. Foto: Nilveo Pereira Christiano

Comentários




    gl