Carlos Fernando Cunha

Carlos Fernando Cunha

Carioca, morador de Juiz de Fora/MG há 15 anos. Ritmista, cantor e compositor com três CDs gravados. Pesquisador e Professor da UFJF.

O Mega Samba de Sesimbra: Festa portuguesa de inspiração brasileira, com certeza!

Megasamba de Sesimbra. Foto: David Caretas

Megasamba de Sesimbra. Foto: David Caretas

Amizades do SRzd! Foi dada a largada para os desfiles das escolas de samba de 2019. Rio de Janeiro e São Paulo realizaram seus sorteios e o Carnaval, simbolicamente, começou. Toda aquela energia e ansiedade despontam, pois somos forjados por esta festa maravilhosa. Ela está em nossos corpos, nossas almas. E vamos que vamos!

Esta coluna de hoje tematiza o Carnaval em outras terras, no querido país irmão, Portugal. Vou começar esta viagem por um pedacinho lindo da terrinha, Sesimbra, dona do azul do céu mais belo que já vi, uma Vila pertencente ao Distrito de Setúbal, bem perto de Lisboa.

Ouvi falar de Sesimbra pelo amigo Paulo Figueiredo, produtor cultural carioca. Paulo havia passado um Carnaval na Vila e deitou elogios sobre a festa portuguesa. Enviou-me fotos pelas redes sociais e meu interesse cresceu para entender melhor aquele pedaço de terra, aquela festa tão viva, longe daqui, marcada por diversas manifestações, como a que reúne uma multidão de foliões que saem às ruas vestidos de palhaços, um colorido sem igual. Mas o destaque está nas escolas de samba. Isso,
amizades. Em todo Portugal, hoje, temos aproximadamente vinte e cinco escolas de samba em plena atividade.

Iniciei a pesquisa sobre as escolas de samba portuguesas com um levantamento de fontes sobre o tema, trabalhos acadêmicos, jornalísticos e encontrei poucas informações. Foram fundamentais os contatos e conversas realizadas com alguns personagens portugueses ligados ao Carnaval, os camaradas Hugo Pinto, António Soromenho, Hugo Andrade, Luis Taklin, Ricardo Alves Chora, Antonio Guerreiro, entre outros.

Antonio Guerreiro merece destaque nesse processo. Há anos organizou um blog que visa divulgar o samba e o Carnaval de Portugal, bem como preservar sua memória. Sua trajetória ajuda em nossa compreensão sobre estes portugueses apaixonados pelo Brasil, pelo samba e pelas escolas de samba. Ele participa do Carnaval português desde 1987, morou no Rio de Janeiro, é ritmista e um aficionado pela União da Ilha do Governador. Em Estarreja, outra terra portuguesa famosa pelas festas das escolas de samba, Guerreiro faz parte da Vai Quem Quer, agremiação responsável pela criação do Troféu Nacional de Samba-Enredo, competição que premia os melhores sambas portugueses do ano. E lá também acontece o desfile que escolhe a escola campeã nacional de Portugal. Acessem o blog organizado por
Guerreiro e conheçam o mundo das escolas de samba portuguesas.

Sesimbra tem duas festas especiais por ano com a temática do samba e das escolas de samba. Os desfiles em fevereiro, no período carnavalesco oficial, bem como as festas de julho, época do verão europeu. É sobre as festas de julho que quero escrever, sobre o Mega Samba, mas preciso adiantar elementos de outro tema que será tratado aqui posteriormente com mais cuidado, a história das escolas de samba de Sesimbra. Isso se faz importante para percebermos as origens desta paixão portuguesa pelas escolas de samba cariocas.

Sabemos que Portugal passou por período difícil em termos políticos, a chamada Ditadura Salazarista, entre os anos de 1932 a 1974. Anos de repressão das ideias, dos comportamentos, das artes. A Revolução dos Cravos trouxe nova vida a Portugal e isso possibilitou novas vivências, sentimentos e experiências. Em Sesimbra, entrevistei o “Pai do Samba Português”, Reinaldo Nunes, natural de Queluz. Outro apaixonado pelo samba brasileiro, mangueirense, Reinaldo moveu-se por este espírito de renovação da alma portuguesa e, entre 1975 e 1976, junto a outros amigos e a esposa Amália Nunes, criou O Cheirinho da Fossa, grupo carnavalesco organizado aos moldes de uma escola de samba carioca, extinto em 1978. Em 1976, outro grupo carnavalesco foi criado, a escola de samba Bota no Rego, até hoje em plena atividade. E também é preciso citar outra escola de samba tradicional de Sesimbra, a Trepa no Coqueiro, fundada em 1978 por Antônio Paixão. Desde então, as festas de Carnaval em Sesimbra têm como principal atração as escolas de samba da Vila, organizadas tendo como modelos as agremiações cariocas.

Em Sesimbra, além de encontrar um lugar esplendoroso em termos de beleza natural e arquitetônica, senti o calor dessas pessoas e o amor que elas possuem pelo samba e pelas escolas de samba. Apesar das dificuldades, desde a década de 1970, incansavelmente, dedicam boa parte de suas vidas aos grupos carnavalescos. Estas histórias serão temas de outros textos aqui no SRzd.

O Mega Samba, evento iniciado no ano de 2011, em Sesimbra, começou suas atividades com o nome de Encontro Europeu de Baterias de Escola de Samba. Os principais mentores do Mega Samba, Hugo Andrade e Ricardo Chora, pela Bota no Rego, e Cédric Veillard, pela École de Samba Unidos de Geneve, Suíça, tiveram como objetivo reunir em Portugal os diversos adeptos do samba espalhados pela Europa. A marca deste primeiro evento, carregada para os outros subsequentes, consiste na formação da Megabateria, agrupamento formado pelos ritmistas participantes da festa. Em sua terceira edição, 2013, o nome Mega Samba foi assumido pela organização. A partir de 2014, o Mega Samba passou a ser organizado somente pela Bota no Rego.

Ao som de Cartola, assistam este resumo em clipe da festa do Mega Samba em sua edição de 2016. Dá para notar um pouquinho a maravilha que é Sesimbra:

Percebemos pela análise das programações do Mega Samba e pelas notícias de suas realizações que, desde 2011, o evento vem em pleno crescimento, hoje, transformando-se num festival que reúne milhares de pessoas em Sesimbra, com centenas de inscritos em cursos, palestras, worshops, shows, rodas de samba e outras atividades. A pequena Vila é “invadida” pelos amantes do samba e, este ano, a festa ocorrerá entre os dias 26 a 29 de julho. Acessem o site e saibam mais sobre a festa deste ano.

A evolução do Mega Samba, sua visibilidade em Portugal e em outros países europeus, possibilitou aos seus organizadores captarem mais recursos financeiros para sua organização. Isso fez com que artistas e representantes das escolas de samba brasileiras passassem a integrar a programação do festival. Assim, passaram pelo Mega Samba, nomes como Mestre Cajú (SP), Serrinha (RJ), Lili Nascimento (SP), Neguinho da Beija-Flor (RJ), Ito Melodia (RJ), Emerson Dias (RJ), Didu Nogueira (RJ), Carlinhos 7 Cordas (RJ), Moacyr Luz (RJ), Carlinhos Salgueiro (RJ), Josemar Manfredini (RJ), Juarez Carvalho (RJ), Tonho Duarte (RJ), Flávia Costa (SP), Selminha Sorriso (RJ) e Rogério Dorneles (RJ).

Imaginem a riqueza que há neste mundo de idas e vindas do nosso samba por estes quatro cantos do mundo?

Ele é poderoso!

É como disseram os bambas Silas de Oliveira e Mano Décio: “Samba, soprado por muitos ares, atravessaste os sete mares”.

Aos amigos portugueses, um abraço do tamanho da beleza de Sesimbra.

Obrigado pelo carinho e pela recepção!

Ô sorte!

Facebook: Carlos Fernando Cunha
Twitter: @CarlosFCunha
Instagram: carlosfernandocunha
www.carlosfernandocunha.com.br

Comentários




    gl