Bruno Moraes. Foto: Acervo pessoal

Bruno Moraes

Comentarista de bateria do SRzd e diretor do Troféu Bateria. Facebook: Bruno Moraes

Manual das Baterias: Grupo de Acesso

Desfile da Inocentes da Belford Roxo. Foto: Leandro Milton/ Srzd

Foto: Leandro Milton/ SRzd

Esse é um Manual com características e expectativas do que será apresentado pelas baterias das escolas de samba na Sapucaí no Carnaval 2019. Começamos com as baterias do Grupo de Acesso.

UNIDOS DA PONTE

O retorno da Unidos da Ponte à Sapucaí gera muita expectativa. Em sua estreia, Mestre Vitinho ganhou de presente um dos maiores sambas da história do Carnaval. A bateria ensaiou bossas utilizando o timbal como base e vem com uma ala de tamborins muito forte, com desenhos complexos e ritmistas gabaritados. A entrada do segundo recuo da bateria será uma feita de uma forma não convencional, utilizada pela escola em 1996. Destaques para as caídas de segunda e antes do refrão de baixo. A escola não possui quadra, o que dificultou um pouco os ensaios, porém é uma das baterias que podem surpreender nesse Carnaval.

ALEGRIA DA ZONA SUL

Mestre Claudinho está indo para mais um ano na frente da bateria da Alegria da Zona Sul. Mesmo com a adversidade, houve comprometimento dos ritmistas e diretores. A diretoria é composta por uma mescla de componentes jovens e experientes. Será executada uma bossa com coreografia e toques afros em alusão ao enredo como forma de saudação. O principal objetivo do trabalho é fazer um ritmo confortável e favorável à escola. Mestre Claudinho trata com carinho e respeito seus ritmistas, não gosta de imposições e acredita que um precisa do outro para o sucesso. #oguetonãocorre

ACADÊMICOS DA ROCINHA

A bateria Ritmo Avassalador está indo para mais um ano sob o comando do Mestre Junior, que talvez seja o mais ousado de todos os grupos. Possui bossas em diversas partes do samba para que, independente da harmonia da escola, possa se apresentar aos jurados. Esse ano a bateria conseguiu realizar os ensaios e promete um ótimo desfile. A diretoria é composta por pessoas experientes e com muita qualidade. A brincadeira entre os surdos de primeira e segunda se destaca no ritmo. Por onde se olha nessa bateria, são vistos bons ritmistas.

ACADÊMICOS DE SANTA CRUZ

A bateria da Santa Cruz, sob o comando do Mestre Riquinho, vem esse ano com proposta de trabalho parecida do ano passado. Será feita uma homenagem aos Mestres Jorjão e Paulão, ambos falecidos no ano passado. Em um único refrão serão feitos em sequência as bossas do “funk” do Jorjão (Viradouro 97) e das “palmas” do Paulão (Ilha 94). O ritmo de caixa é o “rala coco”. Apresentarão também uma caída de segunda diferente e andamento próximo de 144 bpm. Uma das bossas utiliza atabaque. Esse ano, a bateria teve uma ajuda de peso: o belo samba da escola tende a exaltar ainda mais o trabalho.

UNIDOS DE PADRE MIGUEL

A Unidos de Padre Miguel vem mais um ano para o desfile com a “estrela” da capa do CD, Mestre Dinho. A filosofia de trabalho também é parecida com a dos anos anteriores, porém é um bateria que ensaiou muito para esse ano. Talvez tenha sido uma das escolas que fez o maior número de ensaios técnicos. A bateria fará uma homenagem ao Mestre Jorjão com a paradinha “sete”. Foi organizada uma oficina para formar novos ritmistas da casa e já apresenta resultado.

INOCENTES DE BELFORD ROXO

Mestre Washington Paz completa, em 2019, 16 anos de escola e 10 à frente da bateria Cadência da Baixada, com um conjuntos de bossas mais simples e muito bem feitas, porém focando mais no ritmo. Será apresentada uma coreografia simples e na segunda do samba será feita uma divisão rítmica na qual o chocalho, tamborim, triângulo e terceira desdobram fazendo um baião, e os outros instrumentos continuam com a levada do samba. A bateria passou dificuldade, pois muitos ensaios foram cancelados em função da chuva. Um dos destaques da bateria é a qualidade da ala de tamborins, com um desenho muito bom e afinação bem definida.

ACADÊMICOS DO SOSSEGO

A Swing da Batalha será comandada pelo estreante Mestre Laion, o mais jovem que passará à frente de uma bateria na Sapucaí esse ano (26 anos). Laion promete uma surpresa, com uma bossa buscando impactar e alegrar o público presente. Apresentará um conjunto de três convenções, sendo duas com coreografia. Será apresentado uma subida de três diferente. A proposta de trabalho é jogar com a letra do samba, com ideias de impacto usando a melodia. O Mestre planeja para os próximos anos iniciar o trabalho mais cedo e realizar projeto de formação de novos ritmistas, elaborando dentro da bateria um foco em cima de caixa e repique, dentre outros instrumentos. Tudo indica que a Swing da Batalha apresente uma melhora significativa frente ao ano anterior.

UNIDOS DE BANGU

Indo para seu segundo ano à frente da bateria Caldeirão da Zona Oeste, o experiente Mestre Léo traz uma proposta de trabalho diferente dos anos anteriores. Esse ano, foi formado um número significativo de ritmistas em sua oficina, principalmente na ala de caixa. Além disso, também virão 10 ritmistas de Vassouras, de um grupo de banda marcial para somar no ritmo. O foco principal do trabalho foi no ritmo. Mestre Léo ainda promete uma surpresa com uma bossa com levada de repique e a paradinha “sete” em homenagem ao Mestre Jorjão.

RENASCER DE JACAREPAGUÁ

Mais um estreante como comandante na Sapucaí, Mestre Sampaio está fazendo um excelente trabalho à frente da Bateria Guerreira. Talvez uma das escolas do Grupo de Acesso com o maior contingente nos ensaios. São quatro bossas, sendo três contendo ritmos baiano, uma alusão ao enredo. Mestre Sampaio, um especialista em afinação, está focando seu trabalho nos surdos. Sempre houve uma admiração grande pelo Mestre Jorjão, e Sampaio teve o cuidado de criar uma bossa para homenageá-lo, onde as marcações executarão o ritmo da Mocidade e terminará a bossa com a paradinha “sete”. É uma das baterias mais aguardadas!

ESTÁCIO DE SÁ

Mestre Chuvisco retornou a Estácio de Sá, porém a filosofia continua a mesma dos seus últimos anos na escola, com andamento mais “quente” e aquela pegada que só é vista na bateria Medalha de Ouro. A bossa de maior expectativa é a da salsa, referência ao Santo Panamenho citado no enredo. A bateria executará um ritmo caribenho que promete. Cristiano, antigo mestre de tamborim, passou para cozinha. Para seu lugar, retornou o competente Jeferson. Destaques para as alas de caixa e repique da escola.

UNIDOS DO PORTO DA PEDRA

O irreverente Mestre Pablo da Bateria Ritmo Feroz, após gabaritar no ano passado, promete o mesmo projeto de trabalho, com bossas sempre musicais e utilizando outros ritmos como base. A bateria teve um reforço no tamborim e pretende ser altamente técnica na sua apresentação aos julgadores. A ordem é brincar Carnaval, tocar, tocar e tocar, sempre com muita responsabilidade e amor. Todos aguardamos qual será a fantasia do Pablo para esse ano e o Mestre promete deixar muita gente surpreso.

IMPÉRIO DA TIJUCA

Os Mestres Jordan, Paulinho e Júlio este ano trarão 4 bossas, todas na melodia do samba. Uma delas será o jongo. Outra é um samba de roda e as demais surpresas ficarão para o desfile. Foi feito um trabalho técnico em cima das justificativas dos julgadores do último ano e a Sinfonia Imperial vai em busca da nota máxima. Foi um ano em que a bateria teve condições de trabalho e pretende mostrar a força do morro da Formiga na Sapucaí.

ACADÊMICOS DO CUBANGO

A Bateria Ritmo Folgado do Mestre Demétrius está vindo com a mesma qualidade dos últimos anos. Bossas bem executadas, ritmo firme e tudo isso com a tranquilidade de seu Mestre. Esse ano, o ritmo vem com o andamento um pouco mais pra frente do que os anos anteriores, muito influenciado pelo samba. Será apresentada uma bossa no refrão do meio, usando o timbal. As terceiras são livres e surdos bem afinados, especialidade do Mestre. A Ritmo Folgado possui uma “cabeça”da bateria, com tamborins, chocalhos e cuícas bem fortes.

Comentários




    gl