Ana Carolina Garcia. Foto: SRZD

Ana Carolina Garcia

Jornalista formada pela Universidade Estácio de Sá, onde também concluiu sua pós-graduação em Jornalismo Cultural. Em 2011, lançou seu primeiro livro, "A Fantástica Fábrica de Filmes - Como Hollywood se Tornou a Capital Mundial do Cinema", da Editora Senac Rio.

Roman Polanski processa a AMPAS

Roman Polanski no set de “O Pianista”, filme que lhe rendeu sua única estatueta do Oscar em 2003 (Foto: Divulgação).

Na última sexta-feira, dia 19, mais uma polêmica tomou conta da comunidade hollywoodiana: Roman Polanski anunciou que está processando a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood (Academy of Motion Picture Arts and Sciences – AMPAS) para que seja reintegrado. Vencedor do Oscar de melhor direção por “O Pianista” (The Pianist – 2002), o cineasta polonês de 85 anos foi expulso da instituição em maio de 2018 devido à antiga acusação de abuso sexual à uma adolescente de 13 anos.

 

Alegando ter sido injustiçado pela AMPAS, Roman Polanski deu entrada num tribunal da Califórnia para tentar reverter sua situação. Segundo o Deadline, os advogados do cineasta afirmam que a Academia não seguiu suas próprias regras nem deu a ele a oportunidade de se defender.

 

A decisão do Conselho Diretor da AMPAS foi baseada no Código de Conduta criado pela instituição em dezembro de 2017, após o escândalo envolvendo Harvey Weinstein, que desencadeou uma série de protestos em Hollywood e a criação de movimentos como o Time’s Up e o MeToo, que exerceram forte influência na temporada de premiações de 2018. A expulsão de Weinstein em outubro de 2017 colocou a Academia no olho do furacão, pois ela foi pressionada a expulsar também outros nomes acusados de assédio, principalmente Roman Polanski e Woody Allen, que ainda é membro da instituição.

 

Há 42 anos, Polanski foi acusado de drogar e abusar sexualmente de uma adolescente de apenas 13 anos de idade, mas fez um acordo com a justiça dos Estados Unidos e assumiu a relação sexual, negando ter fornecido drogas ilícitas à menina. Depois de pouco mais de um mês na prisão, o cineasta conseguiu a condicional enquanto esperava um novo julgamento. Temendo uma pena mais severa, Polanski fugiu para a Europa e, desde então, não voltou ao território americano com medo de ser preso.

 

O anúncio da expulsão de Roman Polanski fez com que a vítima, Samantha Geimer, hoje com 55 anos de idade, se posicionasse contra a AMPAS, dizendo em seu blog que se tratava de um ato cruel que “não contribui em nada para mudar a cultura sexista em Hollywood e prova que eles comeriam uns aos outros para sobreviver”. Há anos Geimer pede o arquivamento do caso contra o cineasta, inclusive desmentindo o estupro em 2009, mas seu pedido foi negado pelo Tribunal Superior de Los Angeles em 2017.

 

Também em maio de 2018, a AMPAS expulsou Bill Cosby, condenado pela justiça americana cinco meses depois por agressão sexual – há anos o comediante é acusado de abusar sexualmente de mais de 60 mulheres.

 

De acordo com o Deadline, a Academia ainda não se pronunciou sobre o processo aberto por Roman Polanski.

 

Leia também:

2017: o ano que abalou Hollywood

O efeito Harvey Weinstein

AMPAS expulsa Harvey Weinstein

Comentários




    gl