Ana Carolina Garcia. Foto: SRZD

Ana Carolina Garcia

Jornalista formada pela Universidade Estácio de Sá, onde também concluiu sua pós-graduação em Jornalismo Cultural. Em 2011, lançou seu primeiro livro, "A Fantástica Fábrica de Filmes - Como Hollywood se Tornou a Capital Mundial do Cinema", da Editora Senac Rio.

‘Bate Coração’: Aramis Trindade é o grande destaque

“Bate Coração” é uma das estreias desta quinta-feira, dia 07 (Foto: Divulgação).

Nesta quinta-feira, dia 07, entra em cartaz o longa nacional “Bate Coração” (2019), que envereda pelo humor para apresentar uma trama de questões urgentes. Com direção de Glauber Filho, de “As Mães de Chico Xavier” (2011), o filme é estrelado por Aramis Trindade (Isa / Antônio Carlos) e André Bankoff (Sandro).

 

Inspirada na peça “Coração Safado”, escrita por Ronaldo Ciambroni, a trama ambientada em Fortaleza mostra a transformação do publicitário Sandro após receber o coração de Isa, que passa a acompanhar seus passos, influenciando diretamente seu comportamento. Além de Sandro, Isa também acompanha o cotidiano de seus amigos e familiares, inclusive do filho Davi (Brenno Leone).

 

Aramis Trindade é o grande destaque do filme (Foto: Divulgação).

Inserindo a temática LGBT+ numa produção de viés espírita, “Bate Coração” acerta em cheio na premissa, mas derrapa ao executá-la devido à opção de acelerar a maneira com a qual acontecimentos importantes são abordados. Tudo é apresentado muito rápido e, por esta razão, pouco é aprofundado, principalmente a reação de Sandro ao descobrir que seu doador era homossexual.

 

Remetendo um pouco ao sucesso “E Se Fosse Verdade” (Just Like Heaven – 2005), de Mark Waters, “Bate Coração” tem como maior trunfo a atuação de Aramis Trindade, que brilha como Isa. É ele o responsável por conceder leveza e humor à trama, arrancando boas risadas com tiradas como “Eu vi ‘Ghost’! Eu vi ‘Ghost’! Meu São Patrick Swayze, me ajuda!”. Apesar da dose de comicidade, Trindade trabalha as emoções da personagem com sensibilidade, respeitando sua essência e sem nenhum exagero. Ao contrário de André Bankoff, que utiliza do artifício da caricatura para compor Sandro, não encontrando o tom certo nem no humor nem no drama.

 

Com uma montagem frágil, sobretudo em seu primeiro ato, “Bate Coração” utiliza a doação de órgãos como fio condutor de uma trama não apenas sobre respeito ao próximo e às diferenças, como também sobre gratidão – “Você teve muita sorte. O que fez para agradecer?”, diz uma menininha a Sandro. E a intenção de transmitir à plateia as mensagens de respeito e gratidão fica nítida logo em seu início, quando Isa diz “Amar é fazer o bem. Essa é a verdadeira natureza humana”.

 

Assista ao trailer oficial:

Comentários




    gl