Ana Carolina Garcia. Foto: SRZD

Ana Carolina Garcia

Jornalista formada pela Universidade Estácio de Sá, onde também concluiu sua pós-graduação em Jornalismo Cultural. Em 2011, lançou seu primeiro livro, "A Fantástica Fábrica de Filmes - Como Hollywood se Tornou a Capital Mundial do Cinema", da Editora Senac Rio.

‘A Vastidão da Noite’ remete à série de TV ‘Além da Imaginação’

“A Vastidão da Noite” está disponível na Amazon Prime Video (Foto: Divulgação / Crédito: Amazon Studios).

Bebendo diretamente da fonte da clássica série televisiva “Além da Imaginação” (The Twilight Zone – 1959 – 1964), “A Vastidão da Noite” (The Vast of Night – 2019) é um daqueles filmes que, a julgar pela sinopse, não oferece nada que já não tenha sido explorado à exaustão pela indústria hollywoodiana. Mas há nele a dose cada vez mais rara de criatividade dentre realizadores, principalmente estreantes, como é o caso de Andrew Patterson. E é isto que faz do longa uma opção interessante no catálogo da Amazon Prime Video.

 

“A Vastidão da Noite” é o filme de estreia de Andrew Patterson (Foto: Divulgação / Crédito: Amazon Studios).

Ambientado no final dos anos 1950, na fictícia cidade de Cayuga, Novo México, “A Vastidão da Noite” mostra a obstinação de dois jovens em desvendar a origem de sons misteriosos que invadiram as ondas de rádio e causaram quedas nas linhas telefônicas na noite em que parte da população se reúne no ginásio do colégio local para um jogo de basquete. Juntos, Fay (Sierra McCormick) e Everett (Jake Horowitz) embarcam numa missão que poderá mudar os rumos da cidade.

 

Produção original Amazon Studios, “A Vastidão da Noite” desenvolve sua trama de forma objetiva e segura, mantendo o ritmo narrativo e ambientando o espectador com temas que atormentaram a sociedade americana durante a Guerra Fria, como a corrida espacial e o medo de uma invasão soviética. Além disso, tece leve crítica ao tratamento conferido aos negros por meio do ouvinte Billy (voz de Bruce Davis), que trabalhou em missões secretas do exército e, desde então, é atormentado pelos sons que escutou no deserto, em Nevada. Isto é sintetizado não apenas pelo comentário acerca da falta de credibilidade perante a sociedade da época, como também numa frase de Everett a Billy, “Nós nunca tivemos um ouvinte negro ligando antes”.

 

Explorando o jogo cênico de Sierra McCormick e Jake Horowitz, que conseguem assimilar com naturalidade as características de seus respectivos personagens, “A Vastidão da Noite” chama a atenção por driblar os parcos recursos disponíveis. Orçado em US$ 700 mil, o longa surpreende pelo apuro técnico, calcado no rigor estético graças ao impecável trabalho de fotografia e direção de arte, que recria a década de 1950 com detalhes. Há também de se destacar a utilização do som e da trilha sonora, inseridos com precisão pela montagem, potencializando a atmosfera de tensão.

 

Indicado ao Independent Spirit Award 2020 de melhor roteiro de estreia para Andrew Patterson e Craig W. Sanger, “A Vastidão da Noite” trabalha com habilidade elementos de mistério e ficção-científica, deslizando um pouco em outro gênero no qual também é classificado, o drama. No entanto, isto não chega a afetar o seu resultado final, pois, no conjunto, o filme funciona a contento.

 

Assista ao trailer oficial (sem legendas):

Comentários

 




    gl