Clarimundo Flôres. Foto: Nicolas Renato Photography

Clarimundo Flôres

Carioca, formado em jornalismo e profundo apreciador de cerveja. Dedicou quase seus cerca de 20 anos de profissão atuando, essencialmente, nas áreas de economia e política, mas também com passagens pelo meio ambiente e de hotéis, restaurantes e gastronomia.

Academia da Cachaça: o requinte de um conceito bem executado

Frequento a Academia da Cachaça, no Leblon, desde o final dos anos 80. O jeito descontraído do bar, com sua tradicional feijoada de final de semana, sempre esteve aliado à uma qualidade inquestionável. Tanto no que se refere a comida e petiscos, quanto nos drinques preparados a partir de uma carta de cachaças invejável. Aliás, pude experimentar, nestes anos todos, o melhor da “marvada”, incluindo rótulos raros e difíceis de serem encontrados em muitos estabelecimentos cariocas.

A participação da Academia no “Festival Cachaças do Rio – Coquetelaria e Gastronomia” ajuda a dar a dimensão real de um bar que sempre foi uma ótima referência em gastronomia e bebidas.  Ao apresentar um petisco que harmonize com o drinque, podemos sintetizar tudo numa frase simples: riqueza de conceito.

O Flor da Quinta (Cachaça da Quinta em infusão de flor de hibisco com suave toque de geleia de pimenta e cubinhos de queijo coalho para animar o paladar) parece ser uma continuidade do petisco que o acompanha (cubinhos assados de tapioca com coalho e geleia de pimenta), mas é mais do quer isso.

O drinque é um achado, delicioso, refrescante e intenso. A combinação da geleia de pimenta tanto no prato quanto na bebida, além da presença do queijo coalho em ambos, nos coloca diante de uma ideia bem amarrada. Apesar de alguns insumos serem os mesmos, os sabores se diferenciam e se completam tornando a apreciação agradável até a última gota e mordida.

Comentários




    gl