Raio X dos casais de MSPB: MUM e Independente Tricolor

Raio X dos casais. Arte: Fausto Bueno

Ednei Mariano traz novo texto em sua coluna no portal SRzd.

As publicações são semanais, sempre às sextas-feiras, na página principal da editoria do Carnaval de São Paulo. Leia, comente e compartilhe!

Até o Carnaval 2019, você acompanha as análises dos primeiros casais de mestre-sala e porta-bandeira que vão defender a nota no sambódromo do Anhembi.

MUM e Independente Tricolor

O Grupo de Acesso 1 vai pegar fogo em 2019! A opinião é deste que lhes escreve.

Um grupo com vários favoritos, muitas promessas. Será “briga de gente grande”.

E na área da dança não será diferente. A noite do dia 3 de março começará quente, com um casal considerado entre os melhores da atualidade; Jefferson Gomes e Janny Moreno, pela Mocidade Unida da Mooca.

No ano em que se comemorava o centenário da Abolição, 1988, nascia sob o signo de câncer o nosso dançarino. Jefferson está há 4 anos na MUM, na defesa do primeiro pavilhão. Começou sua dança em 2002. Como primeiro defendeu as cores da União Imperial e Amazonense, no Carnaval Santista. Em Sampa, Nenê de Vila Matilde e Unidos do Peruche.

Sua referência como mestre-sala no Rio é Rafael Rodrigues. O prato predileto do nosso rapaz é arroz, feijão, bife acebolado e batata frita. Ele pagaria novamente para assistir os filmes, Lista de Shindler e Escritores da Liberdade. Perguntamos para ele com quem dançaria além de sua parceira atual. Ele não se fez de rogado e nos enviou os nomes destas notáveis: Karina Zamparolli, Adriana Gomes, Lais Moreira e Lys Grooters.

Este Produtor de Eventos nos enviou, atendendo nosso pedido, uma frase de efeito que mais gosta: “Depois que entendi que tudo é lição, nunca mais parei de aprender”. Muito bonito!

Janny, esta linda dama das nossas passarelas, iniciou sua jornada na arte em 1997, em um dos cursos itinerantes da Amespbeesp, em Diadema.

Foi nesta cidade, na Acadêmicos Central, que pegou gosto pela dança. Leonina, adora frutos do mar, mas não dispensa um convite para saborear pratos da culinária japonesa. Perguntamos para Janny que outro mestre ela admira a dança. A sua resposta: Edgar Carobina.

Ela gosta de todas as cores, mas o verde não lhe cai bem, segundo a própria. Sua referência em dança no Rio é Selminha Sorriso. Seu lado religioso está nos ensinamentos do Candomblé. A empresária da área de beleza, está há 4 anos na Mooca. Antes, passou por Nenê de Vila Matilde e Mocidade Amazonense, em Santos.

O casal vai para a pista defender a nota máxima que ajudou na conquista do titulo do Acesso 2 de 2018 para a MUM. Encerramos a participação de Janny com a frase preferida dela que pedimos: “Se você quiser alguém em quem confiar, confie em si mesma. Quem acredita sempre alcança”.

Em seguida, chegam na pista para defender a maior torcida tricolor do Brasil Cley e Jessica. Ávidos pela nota máxima e assim ajudar a entidade na luta pelo titulo, que a levará de volta ao Especial, onde foi rebaixada no Carnaval 2018.

Cley Ferreira nasce em 27 de dezembro de 1996 e tem como religião o Candomblé. Este garoto cheio de talento, começou a dançar como mestre-sala aos 6 anos de idade no Brinco da Marquesa. Ainda como mirim e depois adolescente, ficou por seis anos no Vai-Vai. Na Barroca Zona Sul, mais seis de dança, sendo os quatro últimos como primeiro. Está há três na Independente Tricolor, no mesmo posto.

Nosso moleque não rejeita um strogonoff de carne ou de frango. Suas cores de preferência são o azul e o rosa. Um filme que assistiria muitas vezes é “Crô, o filme”. Seus ídolos da nobre arte em Sampa são João Carlos, Reginaldo Pingo e Jairo Silva. No Rio é fã de Cris Caldas. Hoje Cley é uma realidade na nossa dança, um dos destaques desta nova geração. Distribui seu tempo dando aula para passistas masculinos e femininos. Em 2019 defenderão a nota máxima obtida ao lado da bailarina internacional Lenita Magrini.

Jessica Passos é cheia de garra, nasceu em 1993, na Zona Norte da nossa cidade. Capricorniana e segura nas suas posições, começou a dançar em 2003. Como uma boa paulistana, sua refeição favorita é arroz, feijão, bife acebolado e fritas, acompanhados de salada de alface e tomate.

Tem como referência em Sampa Karina Zamparolli. Chamou a atenção do mundo da dança quando ostentou e passou por três jurados com o pavilhão oficial da Unidos de Vila Maria, onde desfilava como segunda, depois do incidente com a primeira porta-bandeira Lais Moreira.

Foi convidada pela Tricolor para assumir o posto de primeira-dama, onde vem desenvolvendo um bom trabalho, na esperança de belas notas no desfile que se aproxima.

+ confira as edições anteriores:

+ Torcida Jovem

+ Cidade Líder e Amizade Zona Leste

+ Santa Bárbara e Tradição Albertinense

+ Uirapuru da Mooca e Imperador do Ipiranga

+ Camisa 12 e Combinados de Sapopemba

+ Dom Bosco e Morro da Casa Verde

“A direção da escola de samba Estrela do 3° Milênio informa que, por motivos internos, se reservará ao direito de não participar da coluna de Ednei Mariano, no portal SRzd, especialmente nesta ocasião. A entidade esclarece que está à disposição do veículo e do colunista nas próximas oportunidades”.

Comentários




    gl