Mestre Tornado revela momento ‘mágico’ na Rosas de Ouro e recorda ‘título moral’ da Dragões da Real

Mestre Tornado. Foto: SRzd – Bruno Giannelli

José Jorge Teles Santos, o Tornado, recordou dois momentos inesquecíveis em sua carreira como comandante de bateria.

Em 2010, quando defendia as cores da Sociedade Rosas de Ouro, o sambista conquistou seu primeiro título como mestre. Naquela oportunidade, o momento “mágico”, como ele descreveu, a azul e rosa voltou a levar um troféu do Grupo Especial após 16 anos.

Outro Carnaval inesquecível de Tornado foi no ano de 2017, já na Dragões da Real, quando a escola ficou em segundo lugar na elite do samba paulistano. Um “título moral”, segundo ele.

Assista:

O sambista que lidera os ritmistas da Dragões desde 2015, iniciou sua carreira sambística no Carnaval pela Vai-Vai em 1978, ano em que a escola conquistou seu primeiro título. Ele permaneceu por mais 20 anos na agremiação, ganhando dois prêmios “Repinique de Ouro”, até que em 1998 deixou a “Saracura” para realizar um novo sonho, o de ser mestre de bateria.

Após a saída da “Escola do Povo”, ele se tornou mestre de bateria da X-9 Paulistana, onde ficou por oito anos e conquistou o campeonato no Carnaval 2000. Em 2008 assumiu o comando do ritmo da Sociedade Rosas de Ouro, permanecendo até 2013, quando se transferiu para a Imperador do Ipiranga, onde ficou por uma temporada.

Outra marca de sua carreira foi uma incrível sequência de resultados positivos. Durante doze anos consecutivos só recebeu notas máximas da comissão julgadora, mesmo considerando os eventuais descartes.

Leia também:

+ ‘Compromisso social’, diz Ailton Graça ao ser vacinado contra a Covid-19

+ Presidente recorda contribuição de Laíla para escola e revela que tinha intenção de tê-lo de volta

+ Rosas de Ouro: Paulo Menezes fala sobre produção no barracão e apoio financeiro da Prefeitura e TV Globo

+ Jorge Silveira cita ‘progressos’ no barracão da Dragões da Real

+ Operários da folia: conheça os carnavalescos das 14 escolas de samba do Grupo Especial em SP

+ Chegando no ‘auge’ da carreira, Igor Sorriso revela maior saudade e cita adaptação a São Paulo

Comentários

 




    gl