Mestre Tadeu fala sobre queda da Vai-Vai, reflete erros do passado e projeta futuro

Mestre Tadeu. Foto: SRzd – Fabio Capeleti

Um dos ícones de uma das mais populares escolas de samba do Brasil, Antonio Carlos Tadeu, conhecido como mestre Tadeu, completa em 2020 quarenta e cinco anos consecutivos no comando da bateria da Vai-Vai.

Ele começou a participar do Carnaval paulistano na década de 60, frequentando a Lavapés. No fim de 1969, entrou para a bateria da Vai-Vai como tocador de surdo. Em apenas três anos, começou a dirigir a ala, quando a alvinegra do Bixiga estava deixando de ser um cordão para se tornar uma escola.

Com personalidade forte, histórico de declarações fortes e dono de um estilo único de ensinar e comandar os seus ritmistas, se tornou recordista de notas máximas no Carnaval de São Paulo, onde coleciona premiações e se transformou uma das principais referências no segmento.

Considerado patrimônio vivo da “Escola do Povo” e do samba paulistano, mestre Tadeu participou de todos os títulos da história da Vai-Vai, marca que faz dele o maior colecionador de vitórias do Carnaval.

Também detém a marca de mestre com o maior tempo no comandando uma mesma bateria na história tanto de São Paulo quanto do Rio de Janeiro. Sem contar que de suas mãos, foram revelados vários diretores de bateria, entre eles, Magui, Tornado, Negativo e Thiago Praxedes.

Mestre Tadeu. Foto: SRzd – Fabio Capeleti

Em entrevista ao SRzd, mestre Tadeu abriu o coração para falar pela primeira vez sobre o rebaixamento da Vai-Vai para o Grupo de Acesso 1 e do trabalho que está sendo realizado para o desfile do próximo ano.

Durante a conversa, ele fez reflexões sobre o futuro, opinou sobre as baterias das coirmãs e confirmou que um perfil feito recentemente em seu nome no Facebook, e que já foi retirado do ar, era falso.

SRzd: Sobre o Carnaval 2019, como foi para você, um sambista há décadas identificado com a escola, absorver a queda para o Grupo de Acesso 1?

Mestre Tadeu: Foi um golpe muito forte. Jamais esperava que fosse acontecer, mas infelizmente aconteceu. Acho que faltou focar mais no trabalho, pois perdemos nota na pasta dos jurados, coisa que não pode acontecer. Coisa infantil.

SRzd: Como você analisa a preparação da Vai-Vai para o Carnaval 2020, ano em que a entidade celebra 90 anos de fundação?

Mestre Tadeu: A Vai-Vai é uma escola forte, de tradição e de comunidade. Eu vejo o Carnaval 2020 com muito otimismo.

SRzd: No próximo ano você completa 45 anos à frente da “Pegada de Macaco”. O que dizer sobre essa marca expressiva?

Mestre Tadeu: Tem hora que a gente fica triste, tem hora que a gente fica alegre, mas eu tenho só que agradecer a Vai-Vai por tudo. Não tenho nada a dizer de negativo. Tenho uma carreira brilhante. Mas já estamos preparando e incentivando novos mestres como o Beto que está comigo, fazendo um trabalho junto há quase 20 anos.

SRzd: Em um perfil no Facebook atrelado ao seu nome – que na semana passada a escola esclareceu que era falso e em seguida saiu do ar – uma publicação trouxe uma reflexão sobre a necessidade dos mestres de bateria da atualidade respeitarem mais os mestres mais antigos. Esta declaração foi dada por você?

Mestre Tadeu: A afirmação é minha mas a página não, pois eu não uso isso. Já foi esclarecido. Eu acho que o respeito tem que ter em qualquer lugar. Tem muito mestre novo bom. Eu tenho que respeitar os mestres que estão chegando também, tudo na vida muda. E eles tem que respeitar os antigos, que sou eu e mais alguns outros. Acabou que todo mundo vai trabalhar junto.

SRzd: Como você analisa as baterias do Carnaval de São Paulo na atualidade?

Mestre Tadeu: As baterias são muito boas. O ritmo melhorou para caramba nos últimos anos. Os mestres são bons. Enfim, hoje em dia todas são boas.

SRzd: Deixe sua mensagem final para a comunidade da “Saracura”.

Mestre Tadeu: Eu quero dizer a comunidade do Vai-Vai, e a todos os sambistas, que vamos fazer um grande Carnaval e com certeza vamos voltar para o Grupo Especial.

Mestre Tadeu. Foto: SRzd – Fabio Capeleti

Oitava agremiação a desfilar no domingo, dia 23 de fevereiro, no Sambódromo do Anhembi, pelo Grupo de Acesso 1, a escola do Bixiga apresentará no Carnaval 2020 na capital paulista o enredo “Vai-Vai de Corpo e Álamo”. O projeto será desenvolvido pelo carnavalesco Chico Spinosa.

Leia também:

+ ‘Nas horas das dificuldades é que os amigos tem que aparecer’, diz maestro João Carlos Martins sobre a Vai-Vai

+ Diretoria da Vai-Vai aposta em “pratas da casa” para comandar comissão de frente

Comentários




    gl