Enquanto traça cenários para o Carnaval 2021, Uesp inova em sorteio de desfiles e faz ação social

Alexandre Magno (Nenê). Foto: Uesp – Daniel Amorim

A União das Escolas de Samba Paulistanas, Uesp, é responsável pelos desfiles oficiais dos Grupos Especial de Bairros, Acesso de Bairros 1 e Acesso de Bairros 2, Acesso de Bairros 3, além dos Blocos Especiais e Acesso de Blocos, espalhados em diversos bairros da cidade, atraindo grande público.

Fundada em 10 de setembro de 1973, a entidade é presidida há três anos por Alexandre Magno, o Nenê.

Ao SRzd, o dirigente falou sobre a posição da Uesp em relação a realização do Carnaval 2021, comentou sobre o modelo adotado para realização do sorteio dos desfiles e destacou a ação solidária que a instituição tem realizado com moradores de rua.

Desfile 2020 da Brinco da Marquesa, escola campeã do Grupo Especial de Bairros. Foto: Uesp – Daniel Amorim

Em recentes entrevistas, o prefeito Bruno Covas e o governador João Doria, comentaram sobre a possibilidade do adiamento da folia do próximo ano e da dificuldade de realização da festa, sem que uma vacina tenha sido aplicada a população de São Paulo.

Alexandre informou que está realizando encontros virtuais com os representantes das agremiações filiadas para debater o tema. Ele também demonstrou preocupação do impacto na indústria criativa, em razão da não realização dos desfiles.

“A diretoria da Uesp está se reunindo com representantes das agremiações filiadas, através de reuniões online, e colocando em pauta as diversas possibilidades que o futuro nos reserva. Contamos com a possibilidade de o Carnaval ser adiado aos meses subsequentes, como também, sua inviabilização. Nesta última hipótese, existe a preocupação do Carnaval, enquanto indústria criativa, sofrer um colapso nas comunidades mais carentes de recurso que são os grupos da Uesp, já que nossos barracões, ateliês e quadras sociais são fundamentais no giro da economia local e várias comunidades sofrerão com a escassez dos repasses de investimentos no cachê artístico (64 agremiações entre escolas de samba e blocos de fantasia que estão localizadas em quase todos os distritos da cidade de São Paulo), tendo em vista, a geração de diversos empregos diretos e indiretos, onde teremos uma classe trabalhadora que sobrevive dos recursos investidos no evento Carnaval para manter suas famílias, empresas e a própria sobrevivência”, explanou.

Questionado se existe alguma tratativa com os órgãos competentes sobre a realização do Carnaval 2021, Nenê  afirmou ter cautela e que está aguardando as definições dos gestores públicos.

“Estamos aguardando definições dos gestores públicos, pois a Prefeitura de São Paulo, enquanto promotora do evento e responsável pela liberação dos nossos desfiles (deliberações burocráticas e técnicas), está cautelosa em sua afirmação da realização do Carnaval, como tem demonstrado o prefeito Bruno Covas em suas últimas entrevistas. Neste momento se faz necessário tal cautela, por isso, aguardaremos a convocação para tratativas entre os gestores públicos e as entidades gestoras do Carnaval, conforme entrevista do prefeito, para uma definição, mesmo que seja o adiamento que neste momento pode ser algo provável”, comentou.

Sorteio da ordem de desfiles do Carnaval 2018 da Uesp. Foto: Claudio L. Costa - SRzd
Sorteio da ordem de desfiles do Carnaval 2018 da Uesp. Foto: Claudio L. Costa – SRzd

Nesta terça-feira (21), a partir das 20h, a Uesp, realizará o sorteio da ordem dos desfiles para o próximo ano. O encontro virtual será transmitido em seu canal do YouTube.

Alexandre não escondeu a ansiedade pelo evento, que é tratado como “primeiro sorteio virtual da história” e lembrou que a decisão de ter adotado este formato, ocorre em razão de diversos integrantes das agremiações estarem no grupo de risco.

“A Uesp está ansiosa em proporcionar ao mundo carnavalesco o primeiro sorteio virtual da história. Diferente de quaisquer outros sorteios que já realizamos nestes quase 47 anos de existência da Uesp, decidimos em optar por um evento que se enquadrasse ao distanciamento social, pois temos em nosso quadro de filiadas pessoas no grupo de risco e neste momento não podemos colaborar, em hipótese alguma, com a disseminação desta pandemia. Respeitando as orientações e totalmente de acordo com as recomendações dos órgãos sanitários e de saúde, neste momento, entendemos que a vida está em primeiro lugar, neste sentido, decidimos realizar um rito muito importante aos processos do Carnaval, que é o sorteio, com a intenção de proteger presidentes, diretores, coordenadores, colaboradores e profissionais que participarão do evento”, explicou.

“Acompanhar os avanços do mundo digital já era uma meta inicial desta gestão, e conseguir convergir este olhar no momento em que diversos ataques tentam responsabilizar o Carnaval como o grande disseminador do Covid-19, de uma forma irresponsável, a Uesp, vem a público, realizar o sorteio para que o mundo entenda que estamos reconstruindo nosso futuro, assim como, outros setores da sociedade vem se reinventando. Buscamos esta alternativa, pois neste momento devemos mostrar ao mundo que as agremiações carnavalescas seguem as normas de segurança adotadas pela OMS, Ministério da Saúde e Secretarias Estadual e Municipal da Saúde e também será uma oportunidade de fomentar o que nossas agremiações vêm fazendo em auxílio ao próximo como confecções de máscaras, arrecadação e distribuição de cestas básicas, kits de higiene, entrega de marmitex e ações de conscientização pelas nossas ‘Lives Solidárias’. A cadeia produtiva do Carnaval está sendo afetada como qualquer outro nicho e precisamos responder com uma organização baseada nos novos conceitos de gestão”, completou.

Uesp fez a entrega marmitas à população em situação de rua. Foto: Reprodução.

Em meio à pandemia do novo Coronavírus, a Uesp, iniciou em maio a campanha “Uesp Solidária”. A atividade consiste na arrecadação de alimentos e produtos de higiene pessoal, que tornam-se kits a serem entregues à população em situação de rua.

O presidente falou que a ação continua e que a agora, a entidade também está recolhendo agasalhos para serem doados.

“A ação continua. Auxiliar cidadãos e cidadãs em condições de rua neste momento de crise global fortalece nossa função precípua enquanto sambistas, ou seja, a Uesp sempre será um gueto de resistência social. E para reafirmar esta narrativa, ampliamos nosso projeto e estamos em paralelo com a campanha do agasalho. Já estamos recolhendo doações de nossas filiadas e de diferentes partes, e aquele que estiver necessitando de uma calça, camisa, tênis, sapato ou agasalho, na medida do possível, quando a Uesp estiver passando, doaremos em conjunto com a Marmitex”, concluiu.

Para contribuir, basta entrar em contato pelo WhatsApp: (11) 94780-3402 ou pela página no Facebook da Uesp, para que a possa ser agendada a retirada dos donativos.










Comentários

 




    gl