‘A gente optou por sacrificar nossas alegorias’, diz diretor ao explicar estratégia da X-9

Pê Santana. Foto: SRzd

“Meu lugar é cercado de luta e suor, esperança num mundo melhor! O show tem que continuar”, foi o título do enredo que a X-9 Paulistana homenageou o cantor e compositor Arlindo Cruz no Carnava 2019, alcançando a décima colocação na classificação final do Grupo Especial. Clique aqui para relembrar o desfile.

Durante participação no “Programa No Mundo do Samba”, na última quinta-feira (22), o intérprete e diretor de Carnaval da agremiação, Pê Santana, falou que os problemas plásticos apresentados na Avenida teve relação com a falta de recursos no caixa da entidade: “A X-9 passou por uns problemas muitos sérios financeiros de gestões passadas que a gente perdeu uma quantia muito alta judicialmente. Tivemos que sentar, nos reunir e pensar: temos isso para fazer o Carnaval, e não podemos passar disso aqui, estrategicamente. Então salvamos as fantasias, que foram nota máxima e estavam impecáveis; fizemos os três casais, que estavam maravilhosos e fizemos nossa comissão de frente. Sacrificamos nossas alegorias devido ao regulamento”.

No quesito alegoria, a X-9 recebeu uma nota 9,5 e três 9,9 dos jurados. Em fantasias, apenas um décimo foi perdido, e descartado, conforme o regulamento.

Confira a reposta na íntegra:

“Batuques para um rei coroado”, será o enredo que a escola da Zona Norte de São Paulo – que já foi campeã nos anos de 1997 e 2000 –  apresentará no próximo ano, quando será a sétima a desfilar na sexta-feira, dia 21 de fevereiro, no Sambódromo do Anhembi.

Leia também:

+ Samba-enredo 2020 da X-9 Paulistana

Comentários




    gl