Luto no samba: morre aos 81 anos o cantor e compositor Wilson Moreira

Wilson Moreira. Foto: Reprodução/Facebook

Wilson Moreira. Foto: Reprodução/Facebook

Morreu na noite desta quinta-feira (6) o sambista Wilson Moreira. O cantor e compositor que tinha 81 anos estava internado desde a segunda-feira (3)no INCA de Vila Isabel, no Rio de Janeiro com complicações renais motivadas por um câncer de próstata contra o qual lutava há mais de dez anos.

Grande nome no segmento, Wilson teve suas canções gravadas por várias nomes da música brasileira, como Clara Nunes, Elizete Cardoso, Candeia, Alcione, Beth Carvalho, Jair Rodrigues, Emílio Santiago, Martinho da Vila, D. Ivone Lara, Jovelina Pérola Negra, Zélia Duncan, Djavan, Sandra de Sá, Dudu Nobre, Zeca Pagodinho,
Elza Soares, Moacyr Luz e Jorge Aragão.

Wilson integrou os grupos Cinco Só, Turma do Ganzá e Partido em Cinco. Grande partideiro, entre seus maiores sucessos estão “Mel e Mamão com Açúcar” e “Senhora Liberdade”, ambos de parceria com o sambista Nei Lopes.

Em 1997 o sambista sofreu um derrame que o deixou parcialmente imobilizado. Diversos shows foram realizados pelos colegas sambistas, com objetivo de arrecadar fundos para tratamentos.

Portela lamenta perda do sambista

A Portela, o mundo do samba e a MPB estão de luto pelo falecimento do genial compositor portelense Wilson Moreira. Aos 81 anos, o bamba morreu, na noite desta quinta-feira (6), vítima de câncer nos rins, segundo informações publicadas no Facebook oficial do artista.

Reconhecido como um dos maiores nomes da história do samba brasileiro, Wilson Moreira assinou com Nei Lopes, seu principal parceiro, clássicos como “Senhora Liberdade”, “Gostoso Veneno”, “Goiabada Cascão” e muitos outros.
Grande amigo de Candeia, participou ativamente do Grêmio Recreativo de Arte Negra Escola de Samba Quilombo.

Para Clara Nunes, fez “Candongueiro” e “Coisa da Antiga”, que estouraram na década de 1970. “Judia de Mim” e “Quintal do Céu”, famosas na voz do portelense Zeca Pagodinho, também são sucessos consagrados no Brasil inteiro.

Em desfiles da Portela, esteve por diversas vezes em comissões de frente com baluartes e em carro alegórico com os membros da Velha Guarda Show e outros portelenses ilustres.

No último mês de julho, Wilson Moreira e Nei Lopes foram as estrelas da roda de samba do Candongueiro, evento realizado na quadra da Portela. Em maio de 2017, Wilson também foi o grande homenageado do projeto Portela de Asas Abertas, promovido pelo Departamento Cultural da agremiação. Na ocasião, ele recebeu placa, chapéu personalizado e foi tema de palestra feita pelo escritor e historiador Luiz Antonio Simas.

O presidente Luis Carlos Magalhães, o Departamento Cultural e toda a diretoria da escola lamentam profundamente a morte de Wilson Moreira e se solidarizam com a família e os amigos do sambista neste momento de luto.

Comentários




    gl