Em resposta a Crivella, desfiles da Série A podem ser totalmente gratuitos

Desfile da Cubango 2019. Escola foi a vice-campeã da Série A. Foto: Riotur/Divulgação

O prefeito do Rio, Marcelo Crivella, afirmou que não dará mais verba pública para eventos com cobrança de ingressos, e cortou a subvenção destinada às agremiações do Especial e Série A. Em resposta à nova regra, o presidente da Lierj, Wallace Palhares, disse que, se for para ter subvenção, a liga abre mão dos ingressos e realiza os desfiles na Sapucaí de forma gratuita. A informação é da coluna de Anderson Baltar no Uol.

“Enviamos um documento à prefeitura abrindo mão da cobrança de ingressos para que possamos fazer jus ao pagamento da subvenção para as escolas. Não haveria cobrança de ingressos de arquibancadas e frisas. A Liesa, como detentora de uso do espaço ainda não foi consultada, mas creio que não será empecilho. O desfile já aconteceu várias vezes de forma gratuita. Pedimos à Prefeitura que reconsidere essa situação. Podemos abrir mão da bilheteria sem problemas. Nossa realidade é bem diferente do Grupo Especial”, disse Palhares em entrevista a Baltar.

É mais vantajoso para a Série A não vender ingressos para ter subvenção. Com a comercialização das entradas dos desfiles de sexta e sábado, cada agremiação ganha em torno de R$ 100 mil, valor inferior aos R$ 250 mil dado pela prefeitura em 2019. O presidente da Lierj ainda lembrou que antes dos cortes de Crivella, cada escola recebia R$ 800 mil para fazer o Carnaval.

Diretoria da Liesb com o prefeito Crivella. Desfiles da Intendente Magalhães tiveram verba pública triplicada. Foto: Divulgação

Depois de anunciar que não daria dinheiro algum para os desfiles da Sapucaí, o prefeito triplicou a verba destinada às agremiações da Intendente Magalhães, onde não há cobrança de ingressos.

Outra esperança para a Série A é o bom relacionamento com o governo estadual. Nas últimas semanas, o Secretário de Cultura e Economia Criativa, Ruan Lira, tem visitado os barracões das escolas do grupo e feito ponte entre os anseios das agremiações e o governador Wilson Witzel, folião declarado.

“Temos uma conversa interessante com o Governo do Estado, que está disposto a ajudar, independentemente se vai assumir ou não o Sambódromo. Essa é a palavra do secretário estadual de Cultura, Ruan Lira, que tem visitado as escolas e barracões da Série A e entende a nossa realidade”, afirmou Wallace Palhares.

Comentários




    gl