Clovis Pê não é mais intérprete da Arame de Ricardo

Clovis Pê. Foto: Divulgação.

Clovis Pê. Foto: Divulgação.

A escola de samba Arame de Ricardo de Albuquerque anunciou que o intérprete Clovis Pê não faz mais parte do seu quando de profissionais. A informação foi publicada nas redes sociais da agremiação.

Leia na íntegra a nota:

“O Presidente e toda diretoria, agradece ao Clovis Pê, por todo amor e dedicação ao pavilhão azul e branco, de Ricardo de Albuquerque.

Clovis Pê, por onde passa deixa sua marca positiva de excelente profissional, amigo e intérprete. Um sambista que todos gostam de ter por perto.

Desejamos todo sucesso em sua vida profissional e pessoal.”

A trajetória de Clovis Pê no Carnaval

Filho de sambistas, sua mãe porta-bandeira e seu pai mestre-sala, iniciou sua carreira muito cedo e aos 12 anos assinou seu primeiro samba-enredo na Tupy de Brás de Pina, mesma escola em que seus pais ostentavam o pavilhão oficial. Esse foi o primeiro de inúmeras parcerias de sucesso compondo e defendendo samba-enredo até chegar ao time de canto da Estação Primeira de Mangueira e cantar como intérprete oficial ao lado do icônico mestre, Jamelão, em 2000, 2001 e 2003, onde também assinou as obras.

Na verde e rosa, Clovis participou da ala musical em 2002, 2004, 2005, 2010 e 2019, além de cantar na Caprichosos de Pilares, Grande Rio, São Clemente e Império Serrano. Em 2021 vai defender as cores da Arame de Ricardo de Albuquerque, também no Rio de Janeiro.

No Carnaval de São Paulo, ele contabiliza atuações pela Unidos de Vila Maria, onde foi campeão em 2014 pelo Grupo de Acesso 1, Mocidade Alegre, onde foi tricampeão do Grupo Especial e Estrela do Terceiro Milênio.

Leia também:

+ Com adiamento, Liesa abre canal para dúvidas e informações sobre ingressos

+ Leandro Vieira sobre adiamento dos desfiles; precarização e exaustão

+ Carnaval 2022: Liesa prevê volta dos ensaios técnicos no Rio

+ ‘Seremos resistência’: presidente da Imperatriz se posiciona sobre adiamento do Carnaval 2022

Comentários

 




    gl