Castanheira põe fim à polêmica com a Lierj: ‘Descem duas e sobe uma’

Jorge Castanheira ao lado de Jorge Perlingeiro. Foto: Henrique Matos

Nas últimas semanas, surgiu nos bastidores a informação de que o regulamento da Lierj estabeleceria que as duas agremiações melhores colocadas da Série A subiriam ao Grupo Especial. Uma vez espalhada a suposição, criou-se uma polêmica já que a Liesa, liga da elite, estabeleceu em seu regulamento que somente a campeã da Série A será recebida em seu grupo. Em entrevista ao SRzd nesta quarta-feira (15), o presidente da Liesa, Jorge Castanheira, pôs fim ao burburinho e confirmou que somente uma escola do acesso irá ao especial.

“Isso foi uma informação que foi divulgada de forma errada. Nosso regulamento diz que descem duas escolas e sobe uma escola e isso já está há bastante tempo divulgado. O contrato que nós assinamos como interveniente da Lierj também consta que também descem duas e sobe uma. Isso foi o que a Riotur e a Lierj assinaram. Essa polêmica não é válida”, disse Castanheira.

Se confirmada a tese da Liesa – já que a cada plenária carnavalesca o jogo pode mudar -, o Grupo Especial de 2021 terá 12 escolas, número que vem sendo utilizado desde 2008, com exceção dos anos em que houve problema ou virada de mesa. O sonho de grande parte dos sambistas, da elite voltar a abrigar 14 agremiações, está longe de se realizar.




“As dificuldades estão em todos os grupos. O que a gente precisa é aprimorar e não inchar os grupos, se não vai ficar cada vez mais difícil”, justificou o presidente da Liesa.

A Série A, por sua vez, contaria com 15 agremiações no próximo ano. Ela receberia as duas últimas colocadas do Grupo Especial e as duas melhores posicionadas da Intendente Magalhães, enquanto as duas piores da Série A desceriam e a campeã subiria. Atualmente, o grupo conta com 14 escolas.







Comentários




    gl