Carnaval tem terceira ‘virada de mesa’ consecutiva e Imperatriz fica no Grupo Especial

Desfile Imperatriz 2019. Foto: Leandro Milton/SRzd

O Carnaval do Rio já pode pedir ‘samba-enredo’ no Fantástico. Pela terceira vez consecutiva, dirigentes das escolas de samba do Grupo Especial optaram por quebrar o regulamento e modificar o resultado da folia carioca. Dessa vez, cancelando o rebaixamento da Imperatriz Leopoldinense, 13ª e penúltima colocada nos desfiles de 2019. A decisão levou à renúncia do presidente da Liesa, Jorge Castanheira.

+ Assista à cobertura da plenária com renúncia de Castanheira

A questão polêmica da ‘virada de mesa’ foi aprovada em reunião plenária, na sede da Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa), na noite desta segunda-feira (3).

Com a sentença, a Imperatriz Leopoldinense permanece no Grupo Especial para o Carnaval 2020. Já o Império Serrano, que amargou a última posição da tabela, a princípio, teve seu rebaixamento mantido e desfilará na Série A no ano que vem.

+ ‘Pior decisão a ser tomada neste momento’, diz Gabriel David, dirigente da Beija-Flor

Nos dois últimos anos, também não houve rebaixamento no Grupo Especial. Em 2017, por conta dos acidentes na Marquês de Sapucaí, o Paraíso do Tuiuti não caiu para a Série A. Em 2018, uma nova decisão entre os representantes das escolas decidiu salvar o Império Serrano e a Grande Rio do descenso.

Liesa terá que pagar multa de R$ 750 mil

Com a nova ‘virada de mesa’, a Liesa terá que desembolsar R$ 750 mil para pagar uma multa. Isso porque, ano passado, a entidade assinou um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ). O intuito era impedir uma futura manobra no resultado dos desfiles das escolas de samba de 2019.

A única alternativa em que a multa não se aplica em mudança de resultado é em casos de ocorrência de evento fortuito ou força maior. Contudo, a decisão precisaria ter sido deliberada em reunião, apresentada e justificada ao público antes da apuração do Carnaval.

Castanheira renuncia à presidência da Liesa

Jorge Castanheira, ex-presidente da Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro, durante visita do governador Wilson Witzel ao Sambódromo, na Marquês de Sapucaí. Foto: Reprodução

Jorge Castanheira anunciou na noite desta segunda-feira (3) que não é mais o presidente da Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa). A decisão do dirigente por renunciar ao cargo foi tomada durante a reunião plenária, na sede da entidade, que deliberou a favor de nova ‘virada de mesa’ no Carnaval.

“Eu declarei, em plenário, que estou me afastando da Liga, porque não concordo com essa decisão de maneira alguma, nem particularmente, nem como diretor, então, a direção da Liga está se desfazendo nesse momento e eu vou tomar as medidas para dar sequência a essa transição, porque eu fiz um Termo de Ajustamento de Conduta com o Ministério Público, para manter nossa palavra e nossa honra e eu não posso voltar atrás. Lamentavelmente, eu estou fora”, declarou Castanheira, em entrevista coletiva após a reunião plenária desta segunda.

+ Saiba mais

Comentários




    gl