Nação Imperial canta Minas Gerais em seu enredo para o Carnaval Virtual 2020.

O GRESV Nação Imperial vem para seu segundo carnaval virtual e viajará para Minas Gerais em busca do título do Grupo de Acesso, a escola apresenta seu enredo: “Libertas quae sera tamen” – A Nação Imperial canta as Minas Gerais” de autoria do presidente da escola Carlos Lira e do intérprete Helder Harmonia.

 

ENREDO:

“Libertas quae sera tamen” – A Nação Imperial canta as Minas Gerais

Autores: Carlos Lira e Helder Harmonia

 

“…Minas, Minas Gerais, inconfidente, brasileira, paulista, emboaba, lírica e sábia, lendária, épica, mágica, diamantina, aurífera, ferrífera, ferrosa, férrica, balneária, hidromineral, jê, puri, acroá, goitacá, goianá, cafeeira, agrária, barroca, luzia, árcade, alpestre, rupestre, campestre, de el-rei, das minas, do ouro das minas, das pretas minas, negreira, mandigueira, moçambiqueira, conga, dos tem­plos, santeira, quaresmeira, processional, granítica, de ouro em ferro, siderúrgica, calcárea, das perambeiras, serrana bela, idílica, ilógica, translógica, supralógica, intemporal, interna, leiteira, do leite e da vaca, das artes de Deus, do caos calmo, malasarte, conjuradora, adversa ao fácil, tijucana, januária, peluda, baeteira, tapiocana, catrumana, fabril, industriosa, industrial, fria, arcaica, mítica, enigmática, asiática, assombrada, salubre e salutar, assobradada, municipal, municipalíssima, paroquial, marília e heliodora, de pedra-sabão, de hematita compacta, da sabedoria, de Borba Gato, Minas joãopinheira, Minas plural, dos horizontes, de terra antiga, das lapas e cavernas, da Gruta de Maquiné, do Homem de Lagoa Santa, de Vila Rica, franciscana, barranqueira, bandoleira, pecuária, retraída, canônica, sertaneja, jagunça, clássica, mariana, claustral, humanista, política, sigilosa, estudiosa, comum, formiga e cigarra, labiríntica, pública e fechada, no alto afundada, toucinheira, metalúrgica, de liteira, mateira, missionária, benta e circuncisa, tropeira, borracheira, mangabeira, comboieira, rural, ladina, citadina, devota, cigana, amealhadora, mineral e intelectual, espiritual, arrieira, boiadeira, urucuiana, cordisburguesa, paraopebana, fluminense-das-velhas, barbacenense, leopoldinense, itaguarense, curvelana, belo-horizontina, do ar, do lar, da saudade, do queijo, do tutu, do milho e do porco, do angu, do frango com quiabo, Minas magra, capioa, enxuta, groteira, garimpeira, sussurrada, sibilada, Minas plenária, imo e âmago, chapadeira, veredeira, zebuzeira, burreira, bovina, vacum, forjadora, nativa, simplória, sabida sem desordem, sem inveja, sem realce, tempestiva, legalista, legal, governista, revoltosa, vaqueira, geralista, generalista, de não navios, de não ver navios, longe do mar, Minas sem mar, Minas em mim: Minas comigo. Minas.” João Guimarães Rosa, 1957.

Guiados pelo amor de João Guimarães Rosa, a Nação Imperial embarcará em uma viajem pela história de Minas Gerais, contando um pouco das origens do estado, assim, criando uma linha do tempo que mostra como os acontecimentos históricos foram moldando as Minas Gerais que nós conhecemos hoje e exaltar as características principais e os costumes do povo mineiro.

 

Origem Indígena

Um dos maiores estados do Brasil, Minas Gerais não é só pão de queijo, as terras mineiras carregam histórias que vem desde as invasões indígenas até os dias atuais, a terra já era habitada há possivelmente 11.400 anos atrás, período em que se estima que tenha vivido Luzia, o primeiro fóssil humano encontrado nas Américas, que foi descoberto na Lapa Vermelha, uma gruta de Lagoa Santa na região de Belo Horizonte, estima-se que mais de 100 grupos indígenas habitavam a área das Minas Gerais, em sua grande maioria descendentes de tribos caçadoras Norte Americanas.

 

Corrida do Ouro

Desde a chegada dos Portugueses às terras mineiras, o povo já se arriscava na busca por metais preciosos que segundo às lendas locais, eram abundantes por ali, porém somente no século 17 se descobriu a verdadeira riqueza mineral das terras através dos bandeirantes paulistas que usavam os índios como escravos no trabalho de mineração, quando a notícia se espalhou, multidões se mudavam para as terras na intenção de adquirir riqueza, e assim nasceram os primeiros povoados mineiros ao redor dos garimpos de ouro. Como os bandeirantes se intitulavam os donos do ouro, varias guerras foram travadas naquela região, até que a coroa portuguesa decidiu tomar o controle da mineração, cobrando pra isso um imposto de 20% sobre tudo que fosse garimpado, o que ficou popularmente conhecido como “o quinto”. Este período foi muito importante para a barbárie escravocrata brasileira, já que foi responsável pela importação em massa de trabalho escravo vindo em navios negreiros da África para trabalhar na mineração.

 

Inconfidência Mineira

Conforme a atividade de mineração ia declinando pela escassez dos metais, a coroa portuguesa criava novos impostos afim de manter a alta arrecadação, assim foi criada “a derrama”, as grandes elites mineradoras não estavam nada satisfeitas com isso e com o apoio da população mineira e inspirados nos movimentos iluministas europeus, eles criaram um plano de revolução marcado para 1789, quando ocorreria uma nova “derrama”. Porém, antes que o movimento ocorresse a “derrama” foi revogada e um dos inconfidentes, sob benefício do perdão de sua divida com a coroa, delatou os demais, como a grande maioria era da elite, acabaram escapando da condenação, porém, um dos inconfidentes tinha origem popular, Tiradentes, este foi morto por enforcamento, esquartejado e teve suas partes espelhadas pela cidade como forma de reprimir novas revoluções.

 

Império dos Barões do Café

Durante o período do império houve muitas mobilizações populares, o que dividiu o estado entre liberais e conservadores, porém, o grande destaque do período foi o crescimento industrial nos mercados siderúrgicos, têxtil, de laticínios, vinhos e louças, nessa época a principal fonte de renda era a agropecuária que girava com mão de obra escrava, surgiram nessa época também os primeiros grandes barões do café, responsáveis pelo grande crescimento econômico do estado e pelo protagonismo político junto à São Paulo, nessa época os barões do café de Minas Gerais e São Paulo determinavam os Presidentes que se alternavam entre Paulistas e Mineiros no que foi conhecido como regime “Café com Leite” encerrado apenas quando Minas Gerais se uniu à Aliança Nacional que apoiou Getúlio Vargas.

 

Do folclore à religião

A cultura e o folclore do povo mineiro tem grande influência das religiões cristãs e africanas, seja no “congado” que se resume a danças de matriz africada trazidas à Minas pelos escravos, seja na “folia de reis” que celebra desde o nascimento de Jesus até a visita dos 3 reis magos visitando as casas das “pastorinhas”, existe também o “Bumba meu boi” que celebra a morte e o renascimento do boi na lenda de Pai Francisco e Catirina, e a lenda de Chico Rei, um rei de uma tribo no congo trazido para o Brasil como escravo que com seu trabalho conseguiu comprar a sua alforria e a de outros escravos se tornando rei em Ouro Preto. Temos também as famosas danças mineiras, o lundu, o cateretê, o jongo e a dança de velhos.

 

Tempero Mineiro

Sem dúvida nenhuma uma das características mais aclamadas do povo mineiro é a sua culinária, seja num simples cafezinho com pão de queijo, seja no tradicional feijão tropeiro, a cultura mineira também costuma se utilizar de carne suína em seus pratos, como Tutu com Lombo, Leitão a Pururuca e costelinha. Além dos pratos tipicamente mineiros, existem também os doces tradicionais como por exemplo o aclamado doce de leite de poços de caldas, a paçoca, e a goiabada mineira, tudo isso sem esquecermos do mais conhecido produto de Minas, o queijo, que é produzido artesanalmente há muitas décadas sem perder a sua popularidade.

 

Arquitetura

A grande riqueza proporcionada pelo longo período de mineração proporcionou à Minas Gerais um dos mais belos conjuntos arquitetônicos, principalmente em cidades do interior, onde a arte se misturava à arquitetura e as casas eram desenvolvidas de maneira artesanal e uniforme, criando uma paisagem urbana que até hoje desperta interesse turístico em visitantes de todo Brasil, como a igreja cristã é uma das principais influências do povo mineiro, podemos ver muitos templos desenvolvidos em arte barroca, em especial as obras de Aleijadinho que possuíam características peculiares de imagens refletidas.

 

Os Grandes Campeões

Minas Gerais possui grande tradição no esporte, em especial no futebol. O estado possui dois dos maiores clubes do brasil, Atlético Mineiro e Cruzeiro, ambos campeões nacionais e continentais, com histórias e títulos de grande expressão e contribuições enormes à seleção e ao futebol brasileiro, além disso, possui outros clubes tradicionais no estado como o América Mineiro, clube 16 vezes campeão estadual com frequentes participações nas principais competições nacionais e grandes feitos na história do futebol.

 

A Minas Contemporânea

Hoje Minas Gerais se tornou um importante estado para o país, contando com grande infraestrutura no setor de transportes, de compras e de esportes, ainda é muito visitada por conta de sua culinário e arquitetura, e mantém o jeitinho mineiro que é tão facilmente reconhecido, seja pela calmaria e tranquilidade, seja pelo sotaque tão tradicional que pode facilmente substituir qualquer substantivo por “trem” e qualquer adjetivo por “bão uai”, Minas Gerais conquistou o Brasil e o mundo com o seu jeito moderno de ser um estado tradicional e na passarela do carnaval virtual vai novamente conquistar á todos!

 

 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 

https://viagemeturismo.abril.com.br/estados/minas-gerais/ https://www.sogeografia.com.br/Conteudos/Estados/MinasGerais/ http://www.minasgerais.com.br/ https://brasilescola.uol.com.br/brasil/minas-gerais.htm https://ufmg.br
https://www.infoescola.com/historia-do-brasil/historia-de-minas-gerais/ https://www.mg.gov.br/conheca-minas/historia

 

INFORMAÇÕES DA DISPUTA DE SAMBA

Com a divulgação do enredo e sinopse, está aberta a inscrição de sambas para disputa do samba oficia 2020 da nossa agremiação!

Confira as REGRAS abaixo:

Parcerias serão aceitas com limite máximo de até 8 compositores;

Cada parceria ou composição única pode concorrer com no máximo de 3 sambas;

A gravação pode ser feita apenas com voz. Não é obrigatório instrumentos;

O áudio deverá ser enviado em formato MP3 juntamente com a letra em formato Word ou PDF, ambos devem ser enviados em e-mail único para o e-mail [email protected] contendo as informações básicas do/dos compositores (nome completo);

Será criado um grupo no WhatsApp para a tirada de dúvidas dos compositores, contato pelo número (83)987516834 falar com Carlos Lira;

A data limite para o envio do samba é no dia 19/04/2020.

 

Comentários

 




    gl