Império do Rio Belo canta ao Tambor de Mina em seu enredo para o Carnaval Virtual 2020.

O GRESV Império do Rio Belo cantará ao Império de Daomé-Maranhã para conquistar o título do Grupo Especial com o enredo: “O grande Império Daomé-Maranhão e as não fronteiras da encantaria do Querebentã de Zomadônu” de autoria do presidente da escola Marcos Felipe Reis.

 

FICHA TÉCNICA:

Presidente: Marcos Felipe Reis
Carnavalesco: Lucas Abelha
Intérprete:Victor Nowosh (Nonô)

 

ENREDO:

O grande Império Daomé-Maranhão e as não fronteiras da encantaria do Querebentã de Zomadônu

Autor: Marcos Felipe Reis

Bate tambor para a batalha começar
Lança na mão, pé no chão, grito de guerra
Em nome de Dan, a sagrada serpente
Guerreiras caçadoras, grandes esposas reais
Abrem caminho para a grande dinastia Daomé
O grande elefante que não teme ninguém
Em defesa de suas grandes riquezas
Homens e mulheres se encorajam entre suas armas
Trazendo dorso o marfim, a habilidade do reino animal
E no sangue a realeza ancestral da cor

Ancestralidade que se envolve em encantaria
Do além destino a grande senhora
Com as grandes serpentes ao seu lado
Criam Mawu, a metade feminina e fértil
Possui energia suave, compreensiva e materna
E Lisa, a metade masculina, o grande julgador
De energia impaciente, porém serena e cósmica
Nanã deu a eles o sol e a lua, prosseguindo sua criação
Projetou guerreiros, braços direito para cuidarem dos humanos
Os Dan, responsáveis pelo movimento da vida
Sakpata para a dualidade saúde-doença, vida e morte
E os Heviosso, responsáveis pelos elementos fundamentais
Juntos pela mística da criação
Sustentando os filhos da grande pantera

Os tambores se misturam
Linhas de realezas chegam para acompanhar
O grande forte da Mina foi erguido
Tornando-se um portal entre dois mundos
Agora, acorrentados se foram…
Decretados escravos das alvas mãos
A rainha chora, clama por piedade
Singrando os mares em diáspora
Rumo à terra dos coqueirais
Aqui, não só canta o sabiá
Mas canta o lamento negro
Por entre algodoeiros e canaviais
Esperando por um momento
O seu grande momento
Que a grande fera irá despertar
A pantera negra encantada então há de voltar
Então dobre o rum!
E nesta encantaria
Misturam-se aos tambores os agogôs
Repiques e cabaças
Replicando o axé para erguer-se um novo templo

Todos juntos em torno da figura de uma mãe
A casa das Minas se encanta
Dançam e cantam os negros Jeje-nagô
Que a cada passo ganham novos traços:
Orixás guerreiros e caçadores
Nobres fidalgos da corte portuguesa
Grandes caboclos defensores da terra
Tobossis e as criaturas de água salgada
Não são somente dos grandes voduns
É aqui que o axé floresce
Que a energia ancestral assenta e faz morada
Nas mãos de cada babalorixá
Saudando a nossa grande casa Nagô

E nesta noite os tambores unem encantarias:
São também do boi de fita pelas ruas
Do Cazumbá, matracas e pandeiros que não param de cantar
Da festa do Divino Espírito Santo a São Benedito
Ao sedutor tambor de crioula pelas rodas de boi
Brincantes entoam um canto de paz
Erguendo o grande Império Daomé-Maranhense
Para que assim a magia não sucumba
Nas mãos intolerantes que nos apedrejam
E hoje, o Rio Belo se veste de encantaria
Rompendo as fronteiras da cultura popular
Seu leão é realeza, é ancestral e feitiçaria.

 

Glossário:

Querebetã de Zomadônu – nome original do terreiro da Casa das Minas
Mawu – vodun feminino ligado à criação
Lisa – vodun masculino também ligado à criação,junto de Mawu são os gêmeos da criação, filhos de nanã
Sakpata – panteão vodun simbolizando a dualidade saúde-doença
Heviosso – panteão vodun ligado ao fogo, justiça
Dan – serpente
Tobossi – entidades femininas do culto às águas sagradas

 

INFORMAÇÕES DA DISPUTA DE SAMBA:

– Escola encomendará a obra.

Comentários




    gl