Flor de Lótus apresenta “O Fantasma da Ópera” em seu enredo para o Carnaval Virtual 2020

O GRESV Flor de Lótus apresentou sua sinopse para a disputa do Grupo Especial do Carnaval Virtual 2020, a escola que conta com novo carnavalesco cantará o musical: O Fantasma da Opera, que também é o titulo de seu enredo de autoria do enredista Marcos Felipe Reis e do Carnavalesco Ricardo Hessez. O logo do enredo foi desenvolvida pelo ator e designer Lucas Fialho, o conceito da logo é relembrar os cartazes antigos de teatro.

 

FICHA TÉCNICA:

Presidente: Guilherme Lima
Presidente de honra: Osvaldo Júnior
Carnavalesco: Ricardo Hessez
Intérprete: Thiago Acácio

 

ENREDO:

O fantasma da ópera

Enredo: Ricardo Hessez
Texto: Marco Felipe e Ricardo Hessez.

 

PRÓLOGO

A história que vai se desenrolar há muito intriga os homens, tão bem conhecida como o charme das noites de paris, até hoje não se sabe se foi real, delírio, ou ilusão, quando ergue-se o pano que cobre o passado os fatos vêm novamente à tona e se iluminam. A grande Ópera se prepara para receber seu público, anunciando que um novo espetáculo vai começar…

 

ATO 1: O ANJO DA MÚSICA

O candelabro acorda e ilumina o palco central, pelos corredores e camarins, os artistas se ajeitam. Agudos e graves, balés e acordes musicais preenchem a boca de cena.

O dono do teatro, no entanto, está insatisfeito. A então estrela principal fora destronada por um acidente misterioso, mas para a alegria de todos de onde menos se espera uma bela voz revela-se em surpresa, orientada por uma misteriosa e noturna maestria: será de um anjo musical, ou apenas seria um sonho irreal? Pelas sombras, nada se via, somente as cartas, friamente lançadas para unir os pontos e selar o início de uma nova época.

As cortinas se abrem e revelam a bailarina, e agora primeira voz, Christine Daaé, que se destaca em uma grande apresentação, para a alegria de seu exigente e misterioso tutor. Porém, entre os donos recém chegados da velha Ópera Popular ressurge uma antiga paixão, desagradando o anjo da música e ameaçando sua sombra. Em oração a menina agradece o seu “Anjo da música” unindo a imagem do tutor a imagem de seu pai, que outrora avia falecido tão cedo. Mas revela-se o rigoroso mestre por trás do espelho, apresentando-se enfim, para sua aluna. Christine e o Fantasma fogem por entre luzes e sombras, deixando com que suas almas se elevem na triste ópera da solidão e da paixão.

 

ATO 2: O AMOR OU A ARTE

Christine se joga no abismo da ilusão e navega pela bruma do desejo, levada pela doce voz grave do Fantasma, que guia a moça por entre as passagens secretas rumo ao seu mundo inferior. Candelabros submergem das águas verdes do Sena, adornos e velas se iluminam, espelhos e esculturas parecem formar um belo altar. O som do órgão toma conta das catacumbas do teatro, a acústica perfeita para emoldurar a cena romântica.

Mas ao ir em direção à máscara, a armadura da realidade, vê seu mestre enfurecido, temendo que descubram sua real face. O Fantasma então, declara todo amor e necessidade de seu coração abandonado que só queria não se esconder pelas sombras, unindo de maneira visceral suas habilidades com a beleza da garota.

O fantasma então envia outra carta, exigindo para seus espetáculos sua verdadeira estrela, a fim de evitar o fim trágico de sua grande casa, casa esta, sempre cheia de senhores e senhoras que fartam as bilheterias. O suspense lotava mais ainda a plateia, todos se perguntavam “O que teria acontecido para a troca de atrizes?”. Sempre havia um mistério novo. As cortinas se abrem e revelam que a atriz principal não era a escolhida, os diretores, pobres e ingênuos palhaços, não cumpriram as normas exigidas pelo Fantasma e engoliram o sapo vendo o espetáculo ruir diante da aristocracia. O Fantasma dá o recado mortal e faz uma vítima, o bruto e enxerido faxineiro do teatro é exposto sem vida no meio do palco. Christine, assustada, se vai ao telhado onde encontra seu amigo e amado do passado, que jura protege-la das garras do perigoso tutor, dividindo a moça entre o amor e a arte.

 

ATO 3: O BAILE DE MÁSCARAS

Um grande baile de ano novo é preparado para comemorar a paz e a boa fase teatral.

As luzes se reacendem em meio aos fogos, mascarados desfilam ocultas identidades, são apenas rostos que se diminuem nas sombras, podendo fazer tudo o que desejam. São bobos, diabos, anjos e princesas, todos sem medo de julgamentos, afinal, são só rostos, de papel machê, ninguém sabe quem é quem. “Bebam! Farreiem! A noite é uma criança escolha quem você quer ser e deleite-se em nossa festa”. Mas é claro que em um baile de máscaras

O dono do teatro não deixaria de aparecer. Quem pensou que dele se livraria, se enganou!

Por entre a morte vermelha, o Fantasma da Ópera ordenou um novo roteiro.

Agora Don Juan entrará em cena, a mais triunfante de todas as peças, o ato final.

 

ATO 4: A MARGINALIZAÇÃO – DON JUAN TRIUNFANTE

A confusão estava armada, ninguém mais sabia o que poderia acontecer.

Christine foge para o cemitério afim de obter respostas junto de seu falecido pai.

Neste momento o real se mistura à fantasia, a estrela, perdida, busca alento no frio inverno por entre as tenebrosas e frias estátuas. Ela chora e ouve uma voz, será o seu mestre? Será o seu pai? Logo depois a verdade vem à tona: O que seria um monstro é apenas fora dos padrões, jogado as sombras sem chance de mostrar o seu talento, aprendendo a sobreviver por entre as paredes frias da escuridão. O amor do passado aparece para duelar com o fantasma, que se retira depois de quase ser derrotado.

É chegada a hora de aprisionar o Fantasma, que agora encarna Don Juan, embebedado por sua própria peça. No meio do espetáculo a troca de atores acontece e numa rápida manobra Christine retira a máscara de seu mestre na frente de todos, revelando a verdadeira face do “filho do diabo”. A tragédia da cena muda de rumo, agora o vermelho que decorava a peça tingi um misto de confusão e raiva que toma conta do palco.

 

ATO 5: A TRAGÉDIA E O PERDÃO

No meio da confusão, o sequestro aconteceu. O fantasma leva sua aluna para longe, de volta aos seus aposentos a fim de com ela para sempre ficar. Agora, com rosto desnudo, estava cada vez mais exposto e precisava da bela voz de sua aprendiz para continuar em cena

O auge da exclusão social aqui se fez. O medo agora era a cortina que não queria se fechar.

Christine deveria com o fantasma se casar, para não ver seu outro amado perecer sem lutar.

A soprano, então, mostra-lhe toda a verdade, sendo agora o espelho intacto de seu mestre.

A maldição, afinal, não estava em seu rosto, estava em sua alma tão maltratada e julgada, a escuridão havia tomado conta de sua mente, escuridão esta dissipada por um doce e verdadeiro beijo de Christine. O fantasma então quebra o espelho, fruto de toda mal crença de sua imagem. Quando olhamos no espelho, de fato, vemos tudo, vemos quem somos de verdade, mesmo que queiramos mascarar nossa essência.

O espelho quebrado é libertador para mais uma fuga, de quem não está preparado para receber o que sempre desejou: o mais sublime amor, o amor que vem com aceitação e perdão, o amor verdadeiro.

 

INFORMAÇÕES DA DISPUTA DE SAMBA:

– Escola irá encomendar a obra.

 

Comentários

 




    gl