Uesm na Mídia: Amizade na maquete faz ponte aérea.

O carnaval de maquete sempre proporcionou ao seu publico bastante diversão, ma so que o publico desconhece é que esse carnaval atravessa as barreiras estaduais para acontecer. Já pensou como seria construir alegorias em Minas Gerais, no Rio de Janeiro e em São Paulo.  Ou administrar um barracão na Bahia e em São Paulo? E construir a parte de pesquisa e criação em São Paulo e no Rio Grande do Sul? Pensando nisso a equipe UESM embarcou nessa jornada e foi atrás das equipes de Monarcos do Samba, Acadêmicos do Litoral e Mocidade Recreio das Flores.

Início da conexão Pelotas X Guaratinguetá.

Como pensar que uma escola, após o campeonato, enrolaria bandeira?  Pois sim, isso foi o que aconteceu com a Império de Ouro Branco que, depois de 2 vice campeonatos (2015 e 2016), foi campeã do grupo especial e numa decisão que pegou todos de surpresa, decidiu que era a hora de parar.

“Sempre tive uma proximidade muito grande com o Felipe da Monarcos, desde o tempo do antigo grupo de avaliação. Nós fomos concorrentes nos três carnavais que a Ouro Branco desfilou, mas isso nunca nos impediu de trocar ideias e construir uma amizade. Quando enrolei bandeira, em 2017, resolvi enviar um pouco do material que sobrou para a Monarcos e, junto a isso, surgiu o convite para ajudar a construir o desfile da escola de 2018. A Monarcos estava precisando se fortalecer, principalmente na parte teórica, aí que eu entrei (hehe)” – Afirma Luciano Breteinbach , pesquisador da Monarcos do Samba.

E quando perguntamos como é a divisão das tarefas, Felipe Sant’anna é categórico:

Luciano pesquisando o enredo da Monarcos

“Essa oportunidade surgiu após a Império de Ouro Branco enrolar bandeira. O Luciano, responsável pela escola, sempre manteve contato comigo. Quando se desfiliou da UESM o convidei para me ajudar na Monarcos, ele aceitou na hora.  Basicamente ele é o cérebro que imagina e escreve , e eu sou o corpo que desenvolve  e tenta traduzir o que ele escreveu . Estamos sempre trocando idéias mostro como vai ficando carros, fantasias ,e ele dá umas dicas de como poderia ficar melhor .

“ E realmente  essa parceria deu certo. Consegui contribuir para o retorno da escola ao Grupo Especial e estamos repetindo a dobradinha para o desfile deste ano. Mesmo distantes da para trabalhar juntos. Eu participo até da escolha do enredo. Ele traz as propostas, eu faço uma breve pesquisa, conversamos e em consenso decidimos o que é melhor para o momento. É ótimo trabalhar com o Felipe, desde o início ele me deu liberdade no desenvolvimento do enredo e organograma. E eu confio muito no trabalho plástico dele. É uma pessoa humilde, que sabe ouvir, de grande talento.”  – diz Luciano devolvendo os elogios feitos por Felipe.

Quando perguntado sobre a Ouro Branco, Luciano para, pensa um pouco e responde: “Quanto a Ouro Branco, sinto muita saudade de fazer um desfile. Despertava meu lado artista, era o momento que eu podia imaginar e criar.”

 E se pode ter parceria com o Sul, o nordeste não fica de fora.

Depois da escala Sul do País com São Paulo, partimos de São Paulo para a Bahia, região nordeste do nosso país e de lá vem a outra parceria. Dessa vez com a Acadêmicos do Litoral. A escola esteve para enrolar bandeira duas vezes, mas o paulista Denis Rafael não deixou barato.

“Acadêmicos do Litoral e eu, Denis Rafael, Temos uma amizade desde o primeiro ano de desfile na UESM, o Kleber Neves e toda sua família sempre me convidaram pra fazer parte do grupo de comissão de frente e foi aí que surgiu o convite para assumir, ano passado, como vice presidente e carnavalesco. O presidente e toda sua comunidade confia 100% no meu trabalho por isso estou mas um ano, essa parceria sem dúvidas aconteceu devido sermos amigos e por ter ideias próximas de Carnaval.” – Afirma o carnavalesco.

Denis Rafael trabalhando no barracão de São Paulo

“Olha, a parceria nasceu desde o primeiro ano,  com o Denis fazendo nosso logo e sendo o coreógrafo de 2016 e 2017.Com as dificuldades de conciliar a cerimônia do meu casamento ano passado (2018)e fazer a escola,  optamos por convidar o Denis para substituir a Vania como carnavalesco e nesse ano de 2019, estou na reta final da faculdade fazendo TCC e Denis mais uma vez está nós ajudando assumindo a Litoral mas uma vez. “ Diz Kleber, entusiasmado com a possibilidade da vitoria.

Quando questionados sobre a distância,  o presidente foi enfático: “Em relação a distância,  nos falamos sempre pelo Whatsapp e vamos trocando  experiência e informações até chegar ao resultado satisfatório. Hoje continuo como presidente, mas Denis têm todo nosso apoio para decidir o que fazer. Lembrando que o enredo desse ano escolhemos juntos.”

E a Mocidade do Itaim Paulista? Como fica? “ Hoje meu papel é 100% de confecção já que a litoral saiu da Bahia e venho pra São Paulo no extremo da zona Leste ITAIM PAULISTA. Fico hoje como carnavalesco da escola. Já a MIP está viva e respirando, porém o papel de assumir a Litoral faz com que os trabalhos na Mocidade fiquem congelados por um tempo. Não sinto falta de idealizar a MIP nesse momento porque o tema casa muito com a estética que gosto de trabalhar, isso faz com que eu trabalhe a vontade, e aguardem logo mas a verde  vermelho e branco da zona leste voltará.”

Se em dois lugares já é difícil, imagina o barracão em 3 estados diferentes?

Na força do Oxè de Xangô, a Mocidade  Recreio das Flores vem em busca de seu primeiro título apostando na temática África/religiosidade. E para 2019 inovou  com barracões em3 estados, um no RJ, um em SP e o outro em MG e com uma comissão de Carnaval. “A tecnologia nos permite essa interação”, diz o presidente e carnavalesco Robson que tem Thiago Miranda e Lucas Carneiro como aliados para a conquista do título. “Os barracões estão a pleno vapor pois apostamos em esculturas que estão  sendo produzidas tanto no RJ quanto em MG.

“O convite veio da vontade de reforçar e dar um gás novo ao desfile já que o grupo B vem se mostrando cada vez mais forte a cada ano e os talentos não podem ser desperdiçados, por isso a Mocidade trouxe o Thiago para reforçar o time e com ele chegou o Lucas que é carnavalesco no carnaval virtual e trouxe sua experiência para que alinhássemos nossa sinopse é o organograma do desfile “, diz Robson.

“Pra mim esta sendo incrível. Quando recebi o convite não acreditei que poderia dar certo mas agora as coisas estão fluindo. Está  sendo muito bom trabalhar em uma  escola que está “bem das pernas” e que vem de um desfile de estréia com notas muito boas. Isso faz com que o desejo de fazer um desfile ainda melhor só cresça” diz Thiago Miranda. Temos liberdade de criação, mas debatemos o que é o melhor para a escola. Ambos estão  usando de criatividade e experimentação em busca do melhor resultado visual para o espetáculo”, completa Thiago.

O Barracão do Rio de Janeiro nas mãos da Mocidade Recreio das Flores.

“Está sendo um aprendizado ver a construção desse modelo de desfile já que no carnaval virtual não materializamos o que vai no papel ou na tela do computador. Já o desfile em maquete é uma versão em miniatura do universo de preparação do desfile”, ressalta Lucas

Será a junção de visões diferentes de se fazer Carnaval de Maquete visando um mesmo objetivo: o título do grupo B de 2019. Carnaval Made MG/RJ/SP.

O carnaval costuma pregar essas peças: a  união de pessoas de diferentes estados em prol de um mesmo ideal. E essas parcerias, de diferentes estados provam como a liga tem tudo para dar certo.
E você? Tem a sua escola de maquete? Já pensou em montar uma? Acesse WWW.uesm.com.br e saiba como participar.

Comentários




    gl