Weintraub fica em silêncio durante depoimento à Polícia Federal

Ministro da Educação, Abraham Weintraub. Foto: Luís Fortes/MEC

Ministro da Educação, Abraham Weintraub. Foto: Luís Fortes/MEC

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, optou por ficar em silêncio durante depoimento prestado à Polícia Federal, nesta sexta-feira (29). A oitiva foi realizada na sede do Ministério da Educação, após determinação do Supremo Tribunal Federal (STF).

Weintraub foi intimado depois da divulgação, por ordem do ministro Celso de Mello, do vídeo da reunião entre o presidente Jair Bolsonaro e seus ministros em 22 de abril. Nas imagens, o titular da Educação pôde ser visto declarando:

“Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF. E é isso que me choca. Era só isso presidente, eu… eu… realmente acho que toda essa discussão de ‘vamos fazer isso’, ‘vamos fazer aquilo’, ouvi muitos ministros que vi… chegaram, foram embora. Eu percebo que tem muita gente com agenda própria. Eu percebo que tem, assim, tem o jogo que é jogado aqui, mas eu não vim pra jogar o jogo. Eu vim aqui pra lutar.”

A ordem para que Weintraub prestasse depoimento foi do ministro do STF Alexandre de Moraes. No fim da tarde de terça-feira (26), Moraes deu cinco dias para que ele se explicasse, dentro do Inquérito 4781, o chamado inquérito das fake news – que apura notícias fraudulentas e ameaças contra os ministros do STF.

Na decisão, Moraes foi duro: “A manifestação do ministro da Educação revela-se gravíssima, pois não só atinge a honorabilidade e constituiu ameaça ilegal à segurança dos ministros do Supremo Tribunal Federal, como também reveste-se de claro intuito de lesar a independência do Poder Judiciário e a manutenção do Estado de Direito”.

Após as investidas do Supremo contra Weintraub, o atual ministro da Justiça e ex-advogado-geral da União, André Mendonça, ingressou na Corte com um pedido de habeas corpus em favor do ministro da Educação. Agora, caberá ao ministro Edson Fachin, relator do caso, decidir sobre o processo.

Costumeiramente sem papas na língua, nas redes sociais ou em entrevistas, Weintraub decidiu não responder aos questionamentos dos agentes federais enquanto o pedido de habeas corpus não é avaliado.










Comentários




    gl