Uso de máscara volta a ser obrigatório no transporte público de São Paulo

Passageira de ônibus no terminal Bandeira, adere ao uso de máscaras descartáveis por precaução contra o Coronavírus. Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Passageira de ônibus no terminal Bandeira, adere ao uso de máscaras descartáveis por precaução contra o Coronavírus. Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

O uso de máscara no transporte público volta a ser obrigatório a partir deste sábado (26) em São Paulo. A decisão do Governo e Prefeitura de São Paulo segue análise técnica do Conselho Gestor da Secretaria Estadual de Ciência, Pesquisa e Desenvolvimento em Saúde contra o avanço dos casos de Covid-19. A medida vale para ônibus, metrô, trem, monotrilho, trólebus, estações e terminais.

Em nota, o governo recomenda que a medida seja adotada por todos os municípios do estado de São Paulo e reitera que é “fundamental que a população esteja com o ciclo vacinal completo para assegurar maior proteção contra o coronavírus”.


Leia também:

+ Não é só futebol: jogo do Brasil acende possibilidade de pacificação no país?

+ Impedida de viajar por ser ‘gorda demais’, brasileira consegue embarcar de volta ao país


Nas últimas semanas o estado de São Paulo registrou aumento na transmissão da Covid-19. O número de internações em leitos de enfermaria e UTI tiveram altas de 156% e 97,5%, respectivamente, nos últimos 14 dias, com média diária de 400 internações.

“A velocidade de aumento de internações (5% ao dia para pacientes em UTI e 7% por dia para pacientes em enfermarias) e taxas de ocupação de leitos de UTI (44% no Estado de São Paulo e 59% na Região Metropolitana de São Paulo) é acentuada e começa a pressionar os sistemas de saúde público e privado”, disse trecho do comunicado divulgado pelo governo paulista.

Voos e aeroportos

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou que o uso de máscaras será obrigatório em aeroportos e voos no país a partir desta sexta-feira (25). A exigência volta a ser aplicada pouco mais de três meses após ser derrubada, tendo estado em vigor entre 2020 e agosto deste ano.

Comentários

 




    gl