Secom emite nota após vídeo do STF sobre fake news do governo

Nota oficial. Foto: Arte

O Supremo Tribunal Federal postou, no final da tarde de quarta-feira (28), vídeo institucional onde comenta a decisão contestada pelo governo Federal no âmbito de suas ações durante a pandemia da Covid-19 no país.

Com a repercussão, o governo se posicionou para rebater a produção do STF em nota emitida nesta quinta através da Secretaria de Comunicação da Presidência, a Secom:

+ leia na íntegra:

Em relação ao vídeo veiculado em perfil oficial do Supremo Tribunal Federal, observamos o seguinte:

O Governo Federal agiu e segue agindo, durante toda a pandemia, enviando recursos a estados e municípios, bem como material hospitalar. Mobilizou toda sua estrutura federal, incluindo as aeronaves da FAB, para transportar remédios, oxigênio, materiais diversos e, sobretudo, pacientes.

O nosso Governo também criou programas para a manutenção de empregos (PRONAMPE), bem como despendeu R$ 320 bilhões para atender os mais necessitados que foram obrigados a ficar em casa, sem meios de sobrevivência, via Auxílio Emergencial.

Fake news desestimularam o tratamento inicial da doença, desrespeitando, inclusive, parecer do Conselho Federal de Medicina que atribui ao médico a decisão de receitar, com aquiescência do paciente ou familiar, o tratamento off-label (fora da bula).

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, em abril de 2020, que “não compete ao Poder Executivo afastar, unilateralmente, as decisões dos governos estaduais, distrital e municipais que adotaram importantes medidas restritivas como a imposição de quarentena, suspensão de atividades de ensino, restrições de comércio, atividades culturais e à circulação de pessoas”.

Desta forma, o STF delegou poderes para que Estados e Municípios fechassem o comércio, decretassem lockdown, fechassem igrejas, prendessem homens e mulheres em praças públicas ou praias, realizassem toque de recolher, etc.

O Governo Federal, por duas vezes, foi ao STF para que decretos de governadores, que violavam incisos do art. 5° da Constituição Federal, que trata das liberdades individuais, fossem declarados inconstitucionais. Lamentavelmente estas ações sequer foram analisadas.

Em nenhum momento este Governo deixou de respeitar o sagrado direito à liberdade de expressão de todos. Cometem atos antidemocráticos exatamente os que querem, pelo uso da força, calar quem se manifesta.

O Presidente da República sempre defendeu, mesmo sob críticas, que o vírus e o desemprego deveriam ser combatidos de forma simultânea e com a mesma responsabilidade. A fome também mata. A vacina é uma realidade em nosso Governo. Fora os países produtores da mesma, o Brasil é aquele que mais investe em imunizantes e que mais vacinou sua população. Mais do que nunca, o momento continua sendo o da união de todos no combate ao mal comum: o vírus, que é mortal para muitos”, conclui a nota.

+ Tensão pré-eleitoral: Barroso sobe o tom em dia que Bolsonaro promete ‘bomba’

+ Datena aparece em 3º, Lula e Bolsonaro lideram; veja nova pesquisa para presidente

+ RJ: Paes anuncia 4 dias de festa e fim de todas as restrições em novembro

+ Vídeo: Bolsonaro ri de caso envolvendo Hasselmann

+ Bolsonaro anuncia apresentação ‘bombástica’ e diz que povo vai reagir

+ Reforma Tributária: Guedes diz que ricos vão pagar mais

+ Curtinhas: Jair Renan não quer a política e já escolheu profissão

+ Curtinhas: Janaina quer Moro e ri sobre Bolsonaro ‘estrategista’

+ Esquentou! Rolou um clima entre Juliette e o medalhista de ouro Ítalo Ferreira

+ Frio eleva número de aparelhos ligados e melhora audiência; veja os números de 28 de julho

+ China assume a liderança; veja o quadro de medalhas

+ Emprego: Burger King abre 1.000 vagas em todo o país

Comentários

 




    gl