Polícia detalha operação mais letal da história do Rio; 25 mortos

Operação policial no Jacarezinho. Foto: Reprodução do Twitter

Representantes da Polícia Civil do Rio de Janeiro, que realizou nesta quinta-feira (6), a operação mais letal da história fluminense, somando 25 mortos, disseram, durante entrevista coletiva para a imprensa, que só houve uma execução na comunidade do Jacarezinho: a do policial civil André Farias, baleado na cabeça, no momento em que retirava uma barricada. De acordo com os policiais, os outros 24 eram criminosos. Do outro lado, moradores relatam excessos e execuções.

+ moradores lavam sangue na comunidade (vídeo):

A Operação foi comunicada ao Ministério Público para cumprir exigência do STF, o Supremo Tribunal Federal, que só permite operações em casos excepcionais e teve como justificativa coibir o tráfico que, segundo a investigação, alicia menores e controla até namoros.

“A decisão do STF não impede a polícia de fazer o dever de casa. Ela coloca protocolos e a Polícia Civil cumpre todos. Não sei se as grandes operações dão resultado. O que eu sei é que a falta de operação dá um péssimo resultado”, disse o delegado Rodrigo Oliveira.

Sem citar nomes ou entidades, o delegado criticou o que chamou de “ativismo judicial” que, segundo ele, vai contra o trabalho policial:

“Pseudo entendidos de segurança pública criaram uma lógica de que, quanto mais inteligência, menor o confronto. Isso não funciona assim. Quanto mais precisa a informação, maior é a resistência do tráfico (…) A Polícia Civil não age na emoção. A operação foi muito planejada, com todos os protocolos e em cima de 10 meses de investigação. Não estamos comemorando (…) Por outro lado, a Polícia Civil não vai se furtar de fazer com que a sociedade de bem tenha seu direito de ir e vir garantido”, afirmou Oliveira.

Além das mortes, a Operação registrou a apreensão de 16 pistolas, 6 fuzis, 1 sub metralhadora, 12 granadas, 12 escopetas e 1 munição antiaérea ativa, considerada armamento de guerra.

Ao rebater as críticas de que houve excessos e execuções, Roberto Cardoso, Diretor Geral do Departamento de Proteção à Pessoa, avaliou:

“A Polícia Civil não entra para executar e foi feita dentro de total legalidade. Ela entra para fazer cumprir a lei”.

Por fim, o delegado Rodrigo defendeu que o policial André Farias (foto abaixo), morto na Operação, foi o único executado:

“Se alguém fala em execução nessa operação, foi no momento em que o policial foi morto com um tiro na cabeça”, afirmou.

+ veja registros feitos por moradores (fotos de reprodução do Twitter):

+ Sidney Rezende: Embaixador chinês deve ficar enlouquecido com crises do Brasil

+ Mãe que foi para festa e deixou gêmeos sozinhos tem prisão decretada; um dos bebês morreu

+ Barroso diz que PEC do voto impresso vai gerar o caos

+ Vigorou! Viviane Araújo vai convidar Gil do BBB para o Salgueiro

+ Em biografia, Sérgio Mamberti fala da perda da mulher e do companheiro

+ WhatsApp libera transferências de dinheiro; saiba como funciona

Comentários

 




    gl