Major Olímpio abre guerra contra Flávio Bolsonaro e diz que ‘ele tem que sair do PSL’

Major Olímpio. Foto: Reprodução

Desde a campanha de 2018, apoiadores de Jair Bolsonaro defendem a bandeira do combate à corrupção. Por este motivo, eles se rebelaram diante do comportamento do senador  Flávio Bolsonaro em trabalhar nos bastidores contra a criação CPI da Lava Toga, que pretendia investigar a conduta de ministros do Supremo Tribunal Federal. Inconformado, o líder do partido, Major Olímpio (SP), chegou a pedir a saída de Flávio Bolsonaro do partido.

Olímpio atribui a maneira como “opera” Flávio Bolsonaro  a razão da saída do PSL da senadora Juíza Selma, conhecida como “Moro de saias”.“Nós que representamos a bandeira anticorrupção do Presidente. Eu tentei convencê-la (senadora Juíza Selma, de saída para o Podemos) a ficar e resistir conosco. Quem tem que cair fora do PSL é o Flávio, não ela. Gostaria que ele saísse hoje mesmo”, disse Major Olímpio.

Há algumas semanas, o próprio Major Olímpio estava pensando em deixar o partido, depois de divergências com o PSL-SP e algumas decepções com o governo. Foi dissuadido por colegas e disse que decidiu ficar e “resistir”.

O senador Flávio Bolsonaro só nos traz vergonha.

Segundo o senador Major Olímpio, a saída de Flávio Bolsonaro da legenda se deve ao fato dele “trazer vergonha” ao não assinar o requerimento de criação da CPI da Lava Toga. “Nós que representamos a bandeira anticorrupção do Presidente. Estamos indignados. Quem tem que cair fora do PSL é o Flávio, não ela. Gostaria que ele saísse hoje mesmo”, afirmou o parlamentar ao jornal o Estado de S. Paulo.

Em uma outra defecção que expôs o racha interno no partido, o deputado federal Alexandre Frota foi expulso do PSL e se filiou ao PSDB. Frota, ex-integrante das hostes bolsonaristas na Câmara, saiu atirando contra a direção da legenda e o próprio Jair Bolsonaro, a quem chamou de “hipócrita”.

O deputado federal Kim Kataguiri, um dos líderes do MBL, o movimento errou ao “não criticar o Bolsonaro antes”. Em uma das rusgas mais recentes, Kataguiri disse que a “boiada está defendendo o patrimonialismo do presidente” ao apoiar a indicação do subprocurador Augusto Aras para a Procuradoria-Geral da República, como feito por Bolsonaro.

Comentários




    gl