Monique Medeiros: ‘Fui a melhor mãe que ele poderia ter tido’

Henri Borel Medeiros. Foto: Reprodução de Internet

Henri Borel Medeiros. Foto: Reprodução de Internet

Monique Medeiros, mãe do pequeno Henry Borel, de apenas 4 anos de idade, escreveu uma carta na prisão onde diz não ter acobertado nenhuma agressão ao filho, que morreu em 8 de março.

Ela e o namorado, o vereador Dr. Jairinho (sem partido), foram presos um mês após a morte da criança, acusados de homicídio. No documento, a professora diz que não merece “estar sendo condenada por um crime que não cometi” e que sempre foi uma boa mãe:

“Sempre fui uma boa pessoa e não mereço estar sendo condenada por um crime que não cometi. Nunca acobertei maldade ou crueldade em relação ao Henry. Nunca encostei um dedo nele, nunca bati no meu filho, fui a melhor mãe que ele poderia ter tido”, escreveu. Na sequência do texto, afirma que não sabia que estava sendo manipulada por Jairinho e que se sentia oprimida na relação, principalmente por ele ser influente e ameaçar tanto ela quanto sua família.

+ Sidney Rezende: ‘Quem fizer a CPI da Covid-19 de palanque vai pagar preço negativo’

+ Ao receber vacina, idosa diz: ‘Bolsonaro é a ‘pqp’ eu sou é Lula’; assista

+ Homem armado que invadiu programa da Band ao vivo reaparece; relembre o caso

Comentários

 




    gl