Livraria dá um ano de livros grátis sobre leis para Moro e Dallagnol; entenda

Imagem que ilustra a postagem da livraria Leonardo da Vinci. Foto: Reprodução

Imagem que ilustra a postagem da livraria Leonardo da Vinci. Foto: Reprodução

A Livraria Leonardo da Vinci, uma das mais tradicionais do Rio de Janeiro, ofereceu um ano de livros de direito de graça para o ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro e para o procurador Deltan Dallagnol.

“O prêmio só poderá ser usufruído presencialmente. Ministro e procurador, esperamos vocês”, diz a publicação nas redes sociais da loja.

Daniel Louzada, proprietário da empresa fundada há 67 anos e que tem tem um público de universitários e profissionais liberais, ressalta que não se trata de “fakenews”.

“Se eles vierem, serão muito bem recebidos. A promoção é uma forma de nós nos posicionarmos, sim. É um desacordo com as ameaças a liberdade de expressão e ao processo legal que estamos presenciando no país”, declarou o proprietário ao “iG”.

À colunista Mônica Bergamo, da “Folha de S. Paulo”, Daniel disse: “Somos uma livraria especializada em ciências humanas. Fazemos um diálogo das questões brasileiras”.

Essa não foi a primeira ação da livraria Leonardo da Vinci em relação a membros do governo de Jair Bolsonaro. Ela enviou, em maio deste ano, ao ministro da educação Abraham Weintraub , o livro “Metamorfose” do escritor tcheco Franz Kafka com um corte de 25%. A ação aconteceu quando o ministro, que já havia confundido o nome do autor com “Kafta”, anunciou cortes de 25% no orçamento de sua pasta.

Veja a íntegra do texto da postagem da livraria no Instagram:

Comunicado

Livres de estéreis paixões, anunciamos que suas excelências o ministro Sérgio Moro e o procurador Deltan Dallagnol ganham a partir de hoje um ano de graça em livros de Direito na Da Vinci. Sem ressentimentos e divisionismos, nossa decisão mira o futuro. Acreditamos que esse primeiro contato com as leis brasileiras e o pensamento jurídico universal fará bem a suas excelências e ao país. O prêmio só poderá ser usufruído presencialmente. Ministro e procurador, esperamos vocês. 

Comentários




    gl