Faustão deu dicas para Moro e procuradores da Lava Jato

Faustão. Foto: Reprodução de TV

Faustão. Foto: Reprodução de TV

Uma nova leva de supostas conversas envolvendo o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, foi divulgada nesta sexta-feira (5) pela revista “Veja”

Um dos trechos mostra uma conversa que teria acontecido em 7 de maio de 2016, entre o ex-juíz e Dallagnol. Moro conta que foi procurado pelo apresentador Fausto Silva, que apresenta há mais de duas décadas o programa “Domingão do Faustão” na Rede Globo.

De acordo com o então juiz, o comunicador teria cumprimentado Moro pelo trabalho na Lava Jato , mas deu um conselho: “ele disse que vocês nas entrevistas precisam usar uma linguagem mais simples. Para todo mundo entender. Para o povão. Conselho de quem está há 28 anos na TV”. Procurado pela reportagem da revista, Faustão confirmou o encontro com Moro e o teor da conversa.

Em outra mensagem revelada, o chefe da força-tarefa da Operação Lava-Jato, Deltan Dallagnol, comemorou um encontro que teve com o ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin, em julho de 2015. “Caros, conversei 45 m com o Fachin. Aha uhu o Fachin é nosso”, vibrou.

Ainda segundo a matéria, Moro teria escondido informações pedidas pelo então ministro do STF Teori Zavascki, falecido em 2017, para conseguir manter um inquérito sob a jurisdição da 13ª Vara Federal, na qual era juiz.

Todas as mensagens vazadas ocorreram no aplicativo de mensagens Telegram. De acordo com a reportagem, os arquivos que chegaram ao site “The Intercept Brasil” de forma anônima somam 1 milhão de conversas e contabilizam mais de 30 mil páginas de conteúdo.

Eduardo Cunha

Em outro trecho divulgado pela reportagem, o juiz Sergio Moro recomendou que o Ministério Público Federal não fechasse delação premiada com o ex-deputado federal Eduardo Cunha. “Rumores de delação do Cunha… Espero que não procedam”, escreveu Moro. Em resposta, Dallagnol respondeu com sinal de positivo e disse: “Só rumores. Não procedem. Cá entre nós, a primeira reunião com o advogado para receber anexos (nem sabemos o que virá) acontecerá na próxima terça. estaremos presentes e acompanharemos tudo. Sempre que quiser, vou te colocando a par”. Moro, então, respondeu: “Agradeço se me manter informado. Sou contra, como sabe”.

O outro lado

Segundo a “Veja”, Moro e Deltan não quiseram receber a reportagem e se recusaram a receber os arquivos pessoalmente, condição que a revista estabeleceu para ouvir a posição dos citados.

Em nota enviada à revista, a assessoria de imprensa do Ministério da Justiça, mesmo sem ter conhecimento sobre o conteúdo da reportagem, informou que Moro “não reconhece a autenticidade de supostas mensagens obtidas por meios criminosos, que podem ter sido adulteradas total ou parcialmente e que configuram violação de privacidade” e reiterou “que o ministro sempre pautou sua atuação pela legalidade”.

Comentários




    gl