Doria anuncia auxílio emergencial estadual de R$ 500 por pessoa

João Doria. Foto: Governo do Estado de São Paulo.

O governador de São Paulo, João Doria, anunciou na tarde desta quarta-feira (7), durante a coletiva de combate à pandemia, a criação do programa “Bolsa do Povo”, que deve pagar até R$ 500 por pessoa e atingir meio milhão de paulistas.

Ao anunciar o programa, o tucano fez questão de destacar que se trata do “maior programa social da história de São Paulo”. E também destacou que o seu governo “ao lado do enfrentamento da pandemia” também trabalhar pela “preservação da vida e da obediência à ciência”.

“Nós estamos acompanhando o crescimento acelerado da pobreza, da miséria, da vulnerabilidade em São Paulo e no Brasil e um governo responsável segue dando atenção à saúde e à vida, mas também ao alimento. Por isso a criação do programa A bolsa do Povo de São Paulo”, declarou Doria em clara provocação ao governo Federal, que ontem começou a pagar a primeira parcela da nova etapa do Auxílio Emergencial no valor de R$ 250.

O Bolsa do Povo, segundo o governador Doria, “vai beneficiar até meio milhão de pessoas direta e indiretamente com repasses que chegam a R$ 500 por pessoa. Investimento de R$ 1 bilhão”, destacou o governador que deu ênfase ao recebimento do valor por pessoa, pois, no programa Federal, a pessoa sozinha vai receber apenas R$ 150.

E para atingir as 500 mil pessoas, o programa vai contratar 20 mil mães e pais de alunos das escolas públicas de São Paulo que irão trabalhar na rede de ensino onde os seus filhos estudam. Não foi especificado que tipo de atividade eles vão executar nas escolas.

Além disso, os programas sociais do estado de São Paulo serão todos unificados em torno do Bolsa do Povo. Os valores e o número de beneficiários vão aumentar. Dois tipos de cartão serão disponibilizados às pessoas do programa: um físico e um digital, este para ser usado por aqueles que tem celular.

O governador João Doria afirmou que vai enviar nesta tarde o Projeto de Lei que cria o Bolsa do Povo e que acredita que a Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) vai aprová-lo de maneira rápida.

Comentários

 




    gl