Discurso de Lula injeta ânimo no PT e ataca Bolsonaro, Moro e Globo

Lula no Sindicato do Metalurgicos do ABC. Foto: Paulo Pinto/FotosPublicas

Lula no Sindicato do Metalurgicos do ABC. Foto: Paulo Pinto/FotosPublicas

Libertado nesta sexta-feira (8) depois de 580 dias preso em Curitiba, o ex-presidente Lula fez um discurso na tarde deste sábado (9) em frente ao Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista.

Antes de subir em um carro de som, onde foi recebido com aplausos, gritos de apoio e fogos de artifício, o ex-presidente se reuniu com familiares, lideranças do PT e de movimentos sociais.

Ouça o discurso na íntegra:

Logo ao subir no palanque, Lula citou um helicóptero da Rede Globo: “Lá em cima tá o helicóptero da Rede Globo para falar merda de novo sobre Lula e sobre nós.”

“Na cadeia, fui obrigado a ver TV aberta. O SBT foi uma vergonha, a Record está uma vergonha e a Globo continua uma vergonha. Eles não deram uma matéria sobre o Intercept, só uma para defender o Faustão”, disse.

Em fala política e dura durante aproximadamente 45 minutos, Lula fez duras críticas ao juiz ao ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro (ex-juiz responsável pela sua primeira condenação), a quem classificou de “canalha”.

“Muitos de vocês não queriam que eu fosse preso em abril do ano passado”, disse Lula. “Quando um ser humano, um homem, uma mulher, tem clareza do que ele quer na vida, tem clareza do que eles representam, tem clareza de que seus autores, seus algozes, seus acusadores estão mentindo. Tomei a decisão de ir lá para a Polícia Federal. Poderia ter ido a uma embaixada, a um outro país. Mas eu tomei a decisão de ir para lá. Porque eu preciso provar que o juiz Moro não era juiz, era um canalha, que estava me julgando”, afirmou.

Lula no Sindicato do Metalurgicos do ABC. Foto: Reprodução
Lula no Sindicato do Metalurgicos do ABC. Foto: Reprodução

Lula também criticou o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, classificado como “demolidor de sonhos e destruidor de empregos”. O ex-presidente afirmou duvidar que Bolsonaro, Moro e o procurador Deltan Dallagnol “durmam com a consciência limpa”.

“Democraticamente aceitamos o resultado da eleição. Mas foi eleito para governar o povo brasileiro e não para os milicianos do Rio de Janeiro. Ele tem que explicar onde está o Queiroz (Fabrício, ex-assessor parlamentar de Flávio Bolsonaro). Como construiu patrimônio de 17 casas. Ele nunca fez discurso que preste. Tem que explicar por que apresentar um projeto econômico que vai empobrecer a população brasileira”, continuou o petista.

“Anteontem vi os dados do IBGE. O povo ficou mais pobre”

“Não tem ninguém que conserte esse país se vocês [povo] não quiserem consertar. Não adianta ficar preocupado com ameaças, que vai ter AI-5 outra vez. Temos que ter a decisão de que esse país tem 210 milhões de habitantes e não podemos permitir que milicianos acabem com esse país que construímos. Eu não posso mais ver jovens inocentes sendo mortos pela polícia. Precisamos saber definitivamente quem foi que matou nossa guerra chamada Marielle, a grande vereadora do Rio de Janeiro”.

Mesmo enumerando críticas fortes a Bolsonaro, dizendo que “esse país não merece o governo que tem”, Lula advertiu o público para não xingar o presidente: “Não merece um governo que manda os filhos mentirem. A gente não tem que falar palavrão para o Bolsonaro. Ele já é o palavrão. Temos que dizer em alto e bom som que não vamos permitir que destruam o Brasil”.

O ex-presidente chamou a militância para a luta, sem ter medo de ameaças de ditadura e voltou a dizer que “está disposto a voltar a andar por esse país”. Ele visualizou a retomada do poder pela esquerda: “Se a gente trabalhar direitinho, em 2022 a chamada esquerda que o Bolsonaro tanto tem medo vai derrotar a ultradireita nesse país”. “Esse país não merece o governo que tem, que manda os filhos contar mentira todo dia”, completou.

Ao terminar o discurso, Lula sinalizou que deve entrar em uma nova caravana nos próximos dias, citando como aliados a presidente do partido, Gleise Hoffmann, e o ex-prefeito Fernando Haddad, candidato derrotado à Presidência em 2019.

Lula no Sindicato do Metalurgicos do ABC. Foto: Paulo Pinto/FotosPublicas
Lula no Sindicato do Metalurgicos do ABC. Foto: Paulo Pinto/FotosPublicas

Depois de ser solto e fazer seu primeiro discurso nesta sexta-feira (8), Lula passou a noite em Curitiba e embarcou em um avião fretado na manhã deste sábado (9) rumo a São Paulo.

O ex-presidente desembarcou no Aeroporto de Congonhas, na Zona Sul da capital paulista, às 11h30. Em um comboio, seguiu em direção ao Sindicato dos Metalúrgicos.

Condenado por corrupção e lavagem de dinheiro confirmada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), no caso do tríplex do Guarujá, Lula, que nega as acusações, estava preso na Superintendência da Polícia Federal (PF) em Curitiba há 580 dias.

Em abril deste ano, a pena de corrupção foi reduzida pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) para cinco anos e seis meses, enquanto a de lavagem ficou em três anos e quatro meses, resultando nos oito anos e dez meses finais.

A liberação de Lula ocorreu após o juiz Danilo Pereira Júnior, da 12ª Vara Criminal Federal de Curitiba, aceitar nesta sexta-feira (8) o pedido da defesa do ex-presidente com base na decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) contra a prisão em segunda instância.

A maioria dos ministros entendeu que, segundo a Constituição, ninguém pode ser considerado culpado até o trânsito em julgado (fase em que não cabe mais recurso) e que a execução provisória da pena fere o princípio da presunção de inocência.

Lula é libertado. Foto: Reprodução de TV

Nas primeiras palavras após deixar a Superintendência da Polícia Federal, Lula fez críticas ao presidente Jair Bolsonaro, Sergio Moro e o coordenador da força-tarefa Lava Jato no Paraná, Deltan Dallagnol. Além disso, apresentou oficialmente sua namorada, Rosângela da Silva, anunciando o novo casamento.

Em seu primeiro vídeo compartilhado no Instagram após deixar a sede da PF, Lula disparou: “Tô livre para ajudar a libertar o Brasil dessa loucura”.

“Quero agradecer do fundo do coração toda a solidariedade de vocês e dizer para vocês que tô livre para ajudar a libertar o Brasil dessa loucura que está acontecendo no nosso país. É preciso cuidar da educação, cuidar do emprego, cuidar do salário, cuidar da cultura, cuidar do prazer e da alegria. Aliás, a juventude não vive se não tiver prazer, motivação de vida, e é isso que nós temos que oferecer para vocês”, declarou.

Leia também:

– Os próximos desafios políticos de Lula, por Sidney Rezende

Comentários




    gl