Controverso, Ribeiro disse que gays eram fruto de ‘famílias desajustadas’

Milton Ribeiro. Foto: Reprodução da TV

Milton Ribeiro. Foto: Reprodução da TV

Ex-ministro da Educação do governo de Jair Bolsonaro (PL), Milton Ribeiro foi preso pela Polícia Federal, nesta quarta-feira (22), na cidade de Santos, no litoral de São Paulo.

Ele é investigado no âmbito da Operação Acesso Pago, que investiga a prática de tráfico de influência e corrupção na liberação de verbas do FNDE, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, órgão ligado ao Ministério da Educação.

Controverso em muitas de suas manifestações publicas, Ribeiro disse, em 2021, no exercício da função no ministério, que a homossexualidade está ligada a “famílias desajustadas”.

“Acho que o adolescente que muitas vezes opta por andar no caminho do homossexualismo (sic) tem um contexto familiar muito próximo, basta fazer uma pesquisa. São famílias desajustadas, algumas. Falta atenção do pai, falta atenção da mãe”, afirmou ao jornal O Estado de S. Paulo após ser questionado sobre educação sexual nas escolas.

Na  ocasião, disse também que a homossexualidade é uma escolha. “Vejo menino de 12, 13 anos optando por ser gay, nunca esteve com uma mulher de fato, com um homem de fato e caminha por aí. São questões de valores e princípios”, completou.

Milton Ribeiro é pastor da Igreja Presbiteriana e, segundo currículo na plataforma Lattes, é graduado em Teologia e Direito e tem mestrado em Direito e doutorado em Educação.

A Justiça Federal negou, nesta tarde, pedido da defesa para que o ex-ministro Milton Ribeiro fique preso em São Paulo e determinou sua transferência para a sede da Polícia Federal em Brasília.

Leia também:

+ PoderData: Lula abre 17 pontos sobre Bolsonaro no segundo turno

+ Inflação nas alturas: 55% dos brasileiros deixaram de consumir carne vermelha

Comentários

 




    gl