Bolsonaro volta a atacar eficácia de vacina e diz que Queiroga decide sobre uso de máscara

Jair Bolsonaro ao lado de Marcelo Queiroga. Foto: Reprodução da TV

Em conversa com apoiadores na manhã desta sexta-feira (11), Jair Bolsonaro voltou a a atacar a vacinação contra a Covid-19 e afirmou que é o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, quem vai decidir sobre a suspensão do uso de máscara. Nesta quinta-feira (10), o ministro disse que o presidente requisitou estudo para abolir o artefato, que evita a propagação do novo Coronavírus, entre pessoas vacinadas.

“Quem vai decidir é ele (Queiroga)”, disse o presidente antes de passar a responsabilidade mais uma vez aos mandatários estaduais e municipais. “Mas quem vai decidir na verdade é governador e prefeito, segundo determinou o Supremo”, ironizou.

Ao defender mais uma vez o tratamento precoce com cloroquina, Bolsonaro então perguntou se algum apoiador sabia dizer se há algum medicamento com comprovação científica contra a Covid-19 e teve como resposta: “Só a vacina, né?”.

“Você é jornalista, hein. Tá comprovado cientificamente? Vou perguntar para você”, respondeu, intimidando o apoiador. “Que vacina? Tá comprovada cientificamente?”, insistiu.

“Os números de mortos baixaram. Os números de internações baixaram em países que estão mais … Não?”, respondeu o apoiador.

“Eu não vou discutir contigo isso aí, tá certo? Está comprovado cientificamente ou as vacinas são experimentais ainda? A resposta é simples: está em jogo é vida aqui”, rebateu.

Em discurso durante cerimônia de anúncios de medidas voltadas ao turismo, na quinta-feira (10), Bolsonaro disse que havia solicitado ao ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, um parecer para desobrigar o uso de máscaras por pessoas que já tiveram Covid-19 e por vacinados. O presidente contraiu a Covid-19 em meados do ano passado.

Após a declaração do presidente, políticos e especialistas criticaram a intenção de abolir o uso do equipamento de proteção facial. No Brasil, apenas cerca de 11% da população completou o ciclo de imunização contra a Covid-19, isto é, já tomou as duas doses da vacina.

Além disso, a alta taxa de transmissão do vírus, com a média móvel de novos casos da doença acima de 50 mil por dia, não permitem que a população deixe de usar as máscaras neste momento.

Em seguida, Queiroga alinhou a dispensa de máscaras ao avanço da vacinação da população brasileira. Na live de quinta-feira (10) à noite, Bolsonaro disse que Queiroga “vai fazer um estudo de modo que nós possamos ali sugerir, orientar a desobrigação de uso da máscara para quem já foi vacinado ou para quem já contraiu o vírus”.

Leia também:

+‘Temos um Jim Jones na presidência da República’, diz Renan Calheiros

+ Mourão sobre uso da máscara: ‘Cada um sabe onde apertam os calos’

+ Drauzio sobre abolir uso de máscaras: ‘só tem uma justificativa, disseminar ainda mais o vírus’

Comentários

 




    gl