Bolsonaro diz que manifestantes contra cortes na educação são ‘idiotas úteis’

Alunos e professores em ato contra Bolsonaro no Rio de Janeiro. Foto: Reprodução/Twitter

Alunos e professores em ato contra Bolsonaro no Rio de Janeiro. Foto: Reprodução/Twitter

O presidente Jair Bolsonaro desembarcou nesta quarta-feira (15) no aeroporto internacional Forth Worth, em Dallas, no Texas, para uma visita oficial de dois dias. Logo após a chegada ao hotel, o presidente aproveitou fez críticas aos manifestantes que convocaram protestos contra os cortes na educação.

“É natural, é natural, mas a maioria ali é militante. Se você perguntar a fórmula da água, não sabe, não sabe nada. São uns idiotas úteis que estão sendo usados como massa de manobra de uma minoria espertalhona que compõe o núcleo das universidades federais no Brasil”, disse Bolsonaro .

Em diversas cidades brasileiras, estudantes, trabalhadores da educação e sindicalistas se mobilizam nesta quarta-feira (15) para protestar contra o bloqueio de verbas das universidades públicas e de institutos federais. As manifestações acontecem em 26 estados e no Distrito Federal.

No último dia 30 de abril, o ministério anunciou um corte de 30% no orçamento das universidades federais. O ministro Abraham Weintraub chamou o corte de contingenciamento e afirmou que os investimentos voltarão após aprovação da reforma da Previdência. Logo em seguida, o MEC cortou também as bolsas de pesquisa oferecidas pela Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) em todo o Brasil.

Bolsonaro negou que o governo está fazendo “cortes” e disse que, na verdade, se trata de “contingenciamentos”. “Na verdade não existe corte. O que houve é um problema que a gente pegou o Brasil destruído economicamente também, com baixa nas arrecadações, afetando a previsão de quem fez o orçamento, e se não tiver esse contingenciamento eu simplesmente entro contra a lei de responsabilidade fiscal. Então não tem jeito, tem que contingenciar. Mas eu gostaria nada, em especial na educação”, explicou o presidente que chegou a dizer na rápida entrevista que os milhões de desempregados do país “não têm qualquer qualificação” atribuindo o fato ao PT.

“Se você pega as provas, que acontecem de três em três anos, está cada vez mais ladeira abaixo. A garotada, com 15 anos de idade, na oitava série, 70% não sabe uma regra de três simples. Qual o futuro destas pessoas? Fala-se que tem muito desempregado, 14 milhões, mas parte deles não têm qualquer qualificação porque esse cuidado não teve pelo PT ao longo de 13 anos”, completou o presidente.

Essa é a segunda vez que Bolsonaro viaja aos Estados Unidos em cinco meses de governo. No dia 19 de março, ele se reuniu com o presidente Donald Trump na Casa Branca, em Washington.

Comentários




    gl