Após adiamento, discussão e retirada de candidaturas, Davi Alcolumbre é eleito presidente do Senado

Davi Alcolumbre. Foto: Agência Senado

Com 42 votos, Davi Alcolumbre, do DEM do Estado do Amapá, foi eleito presidente do Senado Federal na noite deste sábado (2).

O ministro Dias Toffoli, do STF, determinou na última madrugada que a eleição fosse feita por meio de votação secreta. Apesar disso, vários senadores declararam suas escolhas em voz alta.

A votação deveria ter ocorrido na sexta-feira, mas foi adiada para este sábado depois de muito tumulto e bate-boca entre os senadores.

Disputaram o cargo: Ângelo Coronel (PSD-BA), Davi Alcolumbre (DEM-AP), Fernando Collor (Pros-AL), Esperidião Amin (PP-SC) e Reguffe (sem partido-DF). Alvaro Dias (Podemos-PR), Major Olímpio (PSL-SP) e Renan Calheiros (MDB-AL) retiraram-se da disputa.

Na contagem de votos, foi detectada uma cédula a mais na urna. Isso provocou o cancelamento da eleição – e todos os papéis foram triturados, antes de qualquer apuração. Em seguida, os senadores discutiram e decidiram fazer uma 2ª votação. Renan Calheiros retirou sua candidatura por considerar o processo “deslegitimado”. Veja o resultado final:

Davi Alcolumbre (DEM-AP): 42 votos
Esperidião Amin (PP-SC): 13 votos
Angelo Coronel (PSD-BA): 8 votos
Reguffe (sem partido-DF): 6 votos
Renan Calheiros (MDB-AL): 5 votos (antes de retirar a candidatura)
Fernando Collor (Pros-AL): 3 votos

+ Em início melancólico de legislatura, Senado não consegue eleger presidente e suspende sessão

O Senado Federal suspendeu na noite desta sexta-feira (1) a sessão que definiria o novo presidente da Casa e a Mesa Diretora. Uma nova sessão foi marcada para a manhã deste sábado.

A suspensão da sessão foi proposta por diversos parlamentares e, ao fim, pelo Senador Cid Gomes, do PDT do Ceará, para tentar acabar com a divergência em torno de quem deveria conduzir a reunião.

Durante toda a sessão, que durou mais de cinco horas, houve discussão, bate-boca e troca de acusações. A polêmica girou em torno da condução dos trabalhos pelo senador Davi Alcolumbre, do DEM.

Presidente em exercício da sessão, Alcolumbre colocou a proposta em votação simbólica, e a maioria dos parlamentares concordou em deixar para sábado a eleição para presidência da Casa.

Alcolumbre, segundo uma ala, deveria abrir mão de conduzir os trabalhos por ser um dos candidatos a presidente, dando o posto para o Senador mais antigo. Outro ponto de embate foi a divergência sobre o voto ser ou não aberto. Uma votação anterior foi feita e a maioria dos Senadores optou pelo voto aberto.

Em um dos momentos de maior tensão a Senadora Kátia Abreu, do MDB, ocupou a Mesa Diretora e tomou das mãos de Alcolumbre a pasta na qual estavam os documentos referentes à sessão.

Comentários




    gl