Michel Temer e os videntes

Michel Temer e os videntes. Foto: Montagem/SRzd

Michel Temer e os videntes. Foto: Montagem/SRzd

Político e vidente têm algo em comum que os une. Ambos aparecem e desaparecem como que por encanto. O primeiro é facilmente encontrável em período eleitoral, mas depois é difícil agendar um compromisso. O segundo aparece no fim do ano para fazer suas previsões, e depois, só são acháveis nas suas tendas, mediante pagamento de consulta.

Neste período que antecede o Natal até o dia 5 de janeiro, videntes jogam búzios, leem cartas, fazem numerologia e análise de signos em que as vidas de políticos e de artistas são viradas ao avesso.

A mídia e a população são tolerantes com os erros, desde que, pelo menos um acerto seja reconhecido. Sabedores disso, os donos de bola de cristal projetam um monte de suposições, mesmo que poucas venham a se concretizar mais tarde.

A onda agora é dizer que “Lula será preso”, “Juiz Moro é um homem com uma aura muito forte, mas que tem que tomar cuidado” e, surpreendentemente, que o presidente Michel Temer “é um homem muito bom, do bem, mas que está mal assessorado”. Ah, tá!

Em vídeo postado no YouTube, no dia 7 de dezembro, há a reprodução da edição do programa vespertino “Melhor da TV”, da RedeTV, onde o “sensitivo” Rodrigo Tudor repete o que seus colegas andam dizendo. “Lula será preso”, o “juiz Moro deveria analisar com carinho uma ‘boa proposta’ que vai receber para entrar na política” e que, pasmem, o senador Renan Calheiros – “que ainda é forte” – e que acabara de receber a intimação do ministro Marco Aurélio de Mello para se afastar da função, não só iria “sair”, como ocorreria “afastamento definitivo”.

Como se sabe, Renan não cumpriu a ordem, não saiu, não foi afastado e seguirá, tudo indica, para o encerramento da sua legislatura, normalmente, em fevereiro de 2017, quando deixa o posto conforme o previsto no regimento da Casa. O “tropeço espiritual” do sensitivo faz parte. Nem sempre dá para acertar tudo, não é?

O que chama a atenção, no entanto, é o que Rodrigo Tudor, e demais videntes, falam de Michel Temer com muito afeto. “É uma pessoa do bem, é um homem extremamente qualificado. As pessoas jogam muita pedra nele, e não estão deixando ele governar”, desabafa Tudor. “É só confusão que fazem ao redor dele. A gente não pode derrubar outro presidente. É muito preocupante para a nossa economia…pra perda da nossa credibilidade. Como vidente, como sensitivo, a linha dele é para ficar até o final”. Ele quis dizer até dezembro de 2018.

Carlinhos Vidente é outro expoente deste universo. É aquele que aparece sempre na mídia. É aquele mesmo que disse que durante as Olimpíadas haveria a explosão de uma bomba e que a vida de Joaquim Barbosa estaria em risco. Não teve explosão, e graças a Deus, o ex-presidente do STF goza de excelente saúde.

Pois é, Carlinhos Vidente também atesta que “Lula será preso” e não esconde seu apreço por Temer: “Tenho dó do Michel Temer. Ele tem boa intenção. Ele tá fazendo bem para o Brasil. É um trabalhador. Ele tem boa intenção para o Brasil”.

Para quem já foi acusado de praticar bruxarias, Michel Temer está muito bem na sua relação com os astros.

Apesar disso, em julho deste ano, Carlinhos Vidente disse ter “visto” que Temer irá renunciar e dirá que o gesto é “em nome do povo brasileiro e da democracia”. No seu lugar – “antecipa” Carlinhos – assume o filho do vereador Cesar Maia, deputado Rodrigo Maia, presidente da Câmara.

Sobre o juiz Sérgio Moro, Carlinhos Vidente nos dá uma informação muitíssimo importante: “Moro não é homem, é um Deus”.

“Juiz Moro é um homem com uma aura muito forte, mas que tem que tomar cuidado”.

Outros videntes desenvolvem suas previsões nesta linha, basta buscar pelo tema na internet. O curioso é o alinhamento de todos em benefício da imagem espiritual de Michel Temer. No campo elevado, Temer está muito bem, a julgar pelo que vemos. O problema do presidente da República parece ser mesmo aqui na Terra. E não é de agora.

Tivemos a pachorra de pesquisar alguma coisa sobre a vida política do presidente da República. Segue um resumo de material já veiculado:

O atual presidente foi condenado pelo TRE (Tribunal Regional Eleitoral) de São Paulo por fazer doações de campanha acima do limite permitido por lei – o que em teoria torna Temer “ficha suja” diante da Justiça Eleitoral. O vice-presidente foi condenado por ter feito doação de R$ 100 mil na campanha de 2014 para dois deputados do PMDB gaúcho. Isso representa 11,9% dos rendimentos dele no ano anterior, quando a legislação impõe como teto para doação 10% do rendimento.

O ex-presidente e herdeiro do grupo Odebrecht, Marcelo Odebrecht, confirmou à Lava Jato a versão do ex-executivo da empreiteira Cláudio Melo Filho sobre pagamento de R$ 10 milhões ao PMDB feito a pedido do presidente Michel Temer.

Temer foi citado por delatores da operação Lava Jato, que apontaram para supostas relações do vice-presidente com pessoas que participaram do esquema de corrupção na Petrobras. Outra suspeita de envolvimento no esquema foi levantada pela gravação de uma mensagem que indica que Temer teria recebido R$ 5 milhões da construtora OAS; ele afirma que esse dinheiro foi uma doação legal de campanha.

A Procuradoria Geral da República, no entanto, não incluiu o nome de Temer nos pedidos de investigação feitos ao STF na semana passada, por considerar que Temer foi citado de forma indireta nas delações e que não há indícios suficientes contra ele.

Temer foi citado nos acordos de delação premiada do senador Delcídio do Amaral (ex-PT-MS, atualmente sem partido), do empresário Julio Camargo e, segundo a “Folha de S.Paulo”, do lobista Fernando Baiano.

Durante investigações da Operação Castelo de Areia, que esmiuçou a Camargo Corrêa, a Polícia Federal encontrou documentos que citam 21 vezes o nome de Temer ao lado de quantias que somam US$ 345 mil. Ele era deputado federal no período coberto pela planilha, entre 1996 e 1998.

O PSDB moveu quatro ações contra a chapa Dilma-Temer, vencedora da eleição presidencial de 2014. Nesses processos, o partido aponta supostos episódios de uso da máquina do governo na campanha petista, como participação indevida de ministros e envio de 4,8 milhões de folders pró-Dilma pelos Correios.

Vamos nos vestir do espírito natalino e dar crédito à boa alma humana. Todas as denúncias sob investigação da Polícia Federal e do Ministério Público não são tão importantes para aqueles que acreditam no poder das previsões de videntes e sensitivos.

Deixa o homem trabalhar.

Comentários

srzd



mais notícias